O armário dos ateus

10fev2010

Os dados da ONU e a pesquisa de Phil Zuckerman desmentem uma velha crença dos religiosos e teístas, a de que uma sociedade sem Deus fatalmente descambará para a criminalidade e infelicidade geral

O ARMÁRIO DOS ATEUS

.
A ONU, através de seu Relatório do Desenvolvimento Humano de 2005, apontou os países cujas sociedades são as mais saudáveis do mundo, segundo os indicadores de expectativa de vida, alfabetização, renda per capta, nível educacional, igualdade entre os sexos, taxa de homicídio e mortalidade infantil. São eles: Suécia, Dinamarca, Noruega, Islândia, Canadá, Suíça, Bélgica, Japão e Holanda. Esses países, porém, têm mais um ponto em comum: eles estão entre os menos religiosos do planeta.

Em 2005 e 2006, o sociólogo estadunidense Phil Zuckerman morou durante 14 meses na Escandinávia e entrevistou, em profundidade, 149 dinamarqueses e suecos de todas as classes sociais. Ele escolheu Suécia e Dinamarca porque queria descobrir como os dois países menos religiosos do mundo podiam ser os que possuíam os mais altos índices de qualidade de vida, com economias fortes, baixas taxas de criminalidade, alto padrão de vida e igualdade social. Sua pesquisa está em seu livro Society Without GodWhat the least religious nations can tell us about contentment (Sociedades sem Deus – O que as nações menos religiosas podem nos dizer a respeito da satisfação). “Eu quis mostrar aos meus conterrâneos norte-americanos que é possível que uma sociedade seja relativamente irreligiosa e, ainda assim, forte, saudável, moral e próspera”, explicou Zuckerman numa entrevista.

Os dados da ONU e a pesquisa de Phil Zuckerman desmentem uma velha crença dos religiosos e teístas, a de que uma sociedade sem Deus fatalmente descambará para a criminalidade e infelicidade geral. Os defensores desse tipo de argumento creem que somente a religião pode dotar o indivíduo de sólidos valores morais. A realidade, porém, não sustenta essa tese, e nem é preciso recorrer a pesquisas: dê uma olhada nas notícias ou lembre das pessoas que você conhece e encontrará tanto ateus e religiosos honestos quanto ateus e religiosos trambiqueiros. Toc.

Caso o Brasil mantenha sua curva ascendente de desenvolvimento, continuará aumentando em sua população o percentual de ateus e não religiosos, que era menos de 1% em 1970 e hoje é aproximadamente 7,5% (censo IBGE 2000). Com isso, ateus e não religiosos terão mais visibilidade na sociedade, ganharão maior representatividade, inclusive política, e sofrerão menos preconceito. Toc, toc.

Muita gente que se diz religiosa está apenas repetindo o que aprendeu na infância, sem se dar conta de que poderia ter outra religião caso houvesse nascido em outro país ou crescido com outra família. Muita gente adoraria largar sua religião ou assumir-se ateu, mas tem medo da desaprovação e do preconceito que pode sofrer. De fato, não é fácil ser minoria. Porém, assim como os homossexuais e os negros conquistaram seus direitos, os ateus e não religiosos precisam se assumir para que possam também ser vistos, respeitados e votados. Como nos mostram os suecos e dinamarqueses, não é a crença em deuses, mas sim o respeito à dignidade humana o valor imprescindível à saúde e prosperidade de uma sociedade.

Toc, toc, toc. É hora de sair do armário.
.

Ricardo Kelmer 2010 – blogdokelmer.com

.

.

LEIA NESTE BLOG

A água milagrosa do pastor pilantrão – Putz, a que nível chegou a picaretagem religiosa. Esses pastores fazem mais milagres que o próprio Jesus!

Memórias de um excomungado – Eu jamais havia cogitado a ideia de que era possível não ter religião ou não acreditar em Deus

Quem tem medo do desejo feminino? – Você consegue imaginar Nossa Senhora tendo desejos sexuais? Alguma vez na vida você a imaginou fodendo?

Nem tudo evolui, Darwin – Para os religiosos radicais, por exemplo, o conhecimento deve continuar preso num calabouço medieval, de onde jamais deve sair

Entrevista com o ateu – Um pregador evangélico entrevista um escritor ateu. O que pode sair desse mato?

> Textos sobre religião e ateísmo neste blog

.

LEITURAS AFINS

LeitorVipElaLivro-101Ateísmo na Wikipedia

Como a fé influencia sua vida (Revista Galileu, abr2009)

Entrevista com Phil Zuckerman (para o site do Instituto Humanitas Unisinos, ligado à Universidade do Vale do Rio dos Sinos – Unisinos, em São Leopoldo-RS)

ATEA – Assoc. Bras. de Ateus e Agnósticos – Vale a pena conhecer. Ou você tem medo de mudar de ideia?

.

.

Seja Leitor Vip e ganhe:

Acesso aos Arquivos Secretos
Descontos, promoções e sorteios exclusivos
Basta enviar e-mail pra rkelmer(arroba)gmail.com com seu nome e cidade e dizendo como conheceu o Blog do Kelmer. (saiba mais)

.

.

Comentarios01COMENTÁRIOS
.

Anúncios

12 Responses to O armário dos ateus

  1. Val disse:

    Olá, Kelmer!
    Postei agorinha sobre o encontro de literatura em Campina Grande. Linkei o teu blog lá. =) Parabéns pelo instrutivo blog. Depois vou linká-lo por um mês na sessão ‘blogosfera’. Bj!

    Curtir

    • ricardokelmer disse:

      > Obrigado, Val. E parabéns pelo teu bog também. Espero que o Encontro de Literatura Contemporânea frutifique!

      Curtir

      • Val disse:

        Então, Kelmer… apareceu um interessado nas editoras por demanda no meu Facebook. rsss Tens algum canal pra ele, que eu possa indicar? Por enquanto vou pedir pra ele dar um pulo aqui, ver o teu blog, trocar uma ideia… =) Bj!

        Curtir

  2. CLARICE disse:

    Meu amor, parabens, porque vc e o anti-cara!Para vc sair do armario quer dizer o que?!Ser como vc e, nao e?Eu lhe disse parabens pq considero que deve ser uma pessoa que le outras!E assim?! e ou nao e, meio termo aqui vale 0!WEntao ja que vc se declarou o cara dono da verdade lhe pergunto, vc sabe o que e um milagre??????!Ha, claro que jamais acreditara!Acredita em sociedades fortes, abnegadas, pois e, eu conheco um mmontao de gente nestes paises que vc tanto proclama cheia de depressoes, de problemas psiquicos e tal e tal!Sei la, mas tem um pais por la que e o maior indice de suicidios ocorre em um destes que vc frisou tao bem ser o suprasumo da paz e do bem viver!Mude-se, se conselho fosse bom ninguem dava pq eu tenho os meusproblemas, e nao me mudo pq alem de amar tambem o pais em que nsaci tambem nao tenho as tais das condicoes economicas pra tanto!Quero lhe dizer que jamais poderei lhe condenar pq deus nos deu livre-arbitrio e vc dispoe dele abertamente!Mas lebre-se, nao e aquilo que se ve que e a verdade mas justMENTE O INVISIVEL AOS OLHOS!bELLA VIDA, PQ JMAIS ODIAREI A ALGUEM EM MNHA VIDA POT TEMER AO SENHOR, SOU HUMANA E FICAR COM RAIVA E POSSIVEL SIM, MAS PASSAGEIRA, AGORA ODIO DE MORTE, ESTE EU RETIRO DE MNHA VIDA, PQ JA BASTA O ODIO QUE A MIM TENHO!aGORA VC VAI QUERER QUE EU SEJA UMA DAS TUAS NAO E, VICHI, EU SEI!eSTES PAISES ESTAO MUITO BEM ECONOMICAMENTE E INTELECTUALMENTE ESICUALMENTE MAS PSICOLOGICAMENTE E QUE LHE PERGUNTO!o MEU CASO E UM CASO!oUTO CASO E OUTRO CASO!e ASSIM!eM MEU CASO NEM QUE HOUVESSE MILHOES A MINHA VOLTA RESOLVERIA PQ SEI DE MIM!nO CAO DE OUTROS E DIFERENTE!aI,HJ E QUARTA-FEIRA DE CINZAS E COMO CATOLICA RESPEITO!

    Curtir

    • ricardokelmer disse:

      > Obrigado por comentar, Clarice. Sobre a questão dos índices de suicídio nos países nórdicos, isso tem muito mais a ver com o clima frio e a falta de sol, que comumente leva as pessoas ao isolamento em seus lares e à depressão, do que com ser ou não religioso.
      Um detalhe interessante sobre seu texto: você cita “raiva” e “ódio” em quatro passagens, enquanto cita “amor” apenas uma vez. Cá entre nós, pra que ninguém nos ouça: isso não pega muito bem pra alguém que se diz religioso, né?

      Curtir

      • Gustavo disse:

        Olá ricardo e clarisse,não pude deixar de ver os debates.mas ai vai clarice,sou evangelico e acredito em deus você viu o que o ricardo falou pra você sobre o odio?
        é em simples ato que devemos vigiar,e sabermos que jesus quando rasgou o véu que nos separava e morreu na cruz do calvario por nos.Deu também o livre harbitro.e devemos respeitar a opnião de cada um.
        então lembre-se “vigiai e buscai a face do senhor nosso deus”
        e ricardo obrigado por me deixar comentar.e seja muito feliz.

        Curtir

      • ricardokelmer disse:

        > Pode comentar sempre que quiser, Gustavo. Felicidades pra nós todos.

        Curtir

  3. religulous disse:

    Eu penso que a religião é uma TENTATIVA do ser humano de se aproximar de Deus, que acabou se tornando um grande negócio.O que pode influenciar mais do que usar o nome de Deus?Porém ela nos leva a renegar a natureza humana com a idéia de que somos sujos e errados e nos dá um sentimento de culpa, Por exemplo em certas doutrinas homens não podem se relacionar com mulheres mas acabam molestando criançãs e tendo também outras atitudes que até Lúcifer ficaria pasmo.Estes países que foram citados não são perfeitos é claro,mas tem índices melhores por que procuram as respostas em sí e no seu próximo e não em meras crenças.

    Curtir

  4. Ana Cris disse:

    Pra variar, muito bom texto! O assunto, nem digo, porque me ‘pega em cheio’, né?
    Compartilhando. beijo!

    Curtir

  5. Dudu Oliveira disse:

    Este alinhamento entre econometria e fé parece justificativa das legiões que acreditavam em bondade como suborno para adentrar no paraíso.

    A idealização de felicidade ocidental passa pela uniformização da sociedade, enquanto todos os indivíduos seguem indissociados de suas experiencias pessoais devem perseguir a virtuosa felicidade de mercado.

    Parte dos indicativos apresentados alijam as conquistas sociais de cada nação da educação à questão de generos, logo qual a relevancia das conclusões do Zuckerman? O homem de dois dígitos será menos feliz que o de tres?

    Cada povo habita o seu processo e vive dentro de sua noção de pertinencia e tempo, esta visão uniformizadora que arbitrariamente sobrepõe indicadores econométricos sobre costumes e referencias culturais tem a importancia que os jesuítas davam a teogonia nativa antes de suprimi-las e provocar o consequente aniquilamento daquela cultura e daquele povo, é o que nos conta a história.

    Religião também faz parte da imaginação e da loucura coletiva necessária para justificar a nossa existencia fugaz, ao fim dos tempos alguém encontrará alguma piramide para testemunhar como aquele povo encarava a morte e de que forma eles a aguardavam.

    O templos pré colombianos, a acropole e tantas outras formas de legar a experiencia coletiva de um povo testemunham quem eles eram e mostra até onde foi possível caminhar.

    Mesmo povos tidos como atrasados, mesmo os mais pobres de alguma forma estabeleceram alguma liturgia com o desconhecido, como ainda não é tarde, espero testemunhar o legado dos ateus, uma vez que não vejo como seja possível sistematizar o vazio…

    Apenas para polemizar, meu caro…

    Abraços.

    Curtir

    • ricardokelmer disse:

      > “Religião também faz parte da imaginação e da loucura coletiva necessária para justificar a nossa existencia fugaz” – bela colocação, concordo com você. Mas não é preciso ser teísta para legar coisas positivas à humanidade.

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: