O amor que ama o outro

24/11/2013

24nov2013

A maioria ama a posse do outro, mas também há o amor que ama a liberdade do outro

OAmorQueAmaOOutro-02.

O AMOR QUE AMA O OUTRO

.
Não, o amor não é algo absoluto, imutável, uma lei que foi criada no início do mundo e que com ele morrerá. O amor é uma construção social. Nós aprendemos a amar seguindo as convenções da sociedade em que vivemos. Por essa razão, as diversas sociedades do mundo amaram e amam de maneiras diversas.

A maioria dos ocidentais do mundo atual entende que só é possível amar uma pessoa por vez, e grande parte acha que quando alguém ama, não tem ou não deveria ter desejo sexual por mais ninguém. Tudo isso são noções aprendidas, que podem ser desaprendidas. Para a maioria, só existe o amor exclusivista, mas a verdade é que o amor também pode ser inclusivo. A maioria ama a posse do outro, mas também há o amor que ama a liberdade do outro. Atualmente, cada vez mais pessoas deixam de seguir as convenções sociais que desde cedo lhes ensinaram como devem amar e, em vez disso, buscam amar do jeito que elas mesmas consideram melhor. São minoria, é verdade, mas de um jeito ou de outro acabam se encontrando e experimentando novas formas de viver o amor.

Todos os que ousam desafiar as convenções de sua época pagam caro por essa ousadia. Se hoje nossa sociedade é mais livre e menos preconceituosa em relação às diferenças étnicas, sexuais, de cor, de gênero ou de credo (ou não credo), é porque no passado houve pessoas que ousaram mostrar a cara, assumiram o que são e lutaram, e até morreram, por um mundo mais justo e verdadeiro.

Essas pessoas que amam o outro e não a posse do outro, que amam sem exclusividade sexual, que amam a mais de uma pessoa ao mesmo tempo, essas pessoas estão, neste momento, forçando a sociedade a reavaliar suas regras sobre o que é amar. No entanto, para a maioria, isso aí é qualquer coisa… menos amor. Essa maioria se julga dona do amor e, por isso, tenta sempre aprisioná-lo em supostos limites teóricos e diz que esse negócio de amor livre e relação aberta é ilusão, safadeza, doença, coisa do demo…

Que a maioria continue com seu velho amor que só consegue amar se puder controlar o outro. Eu sou da minoria. Prefiro o amor que ama o outro. Prefiro o amor que liberta.

.
Ricardo Kelmer 2013 – blogdokelmer.com

.

.

Mais sobre amor e liberdade

EmBuscaDaMulherSelvagem-02base4cA mulher livre e eu – É esta a mulher que dança pela vida comigo, duas individualidades que se harmonizam, mas não se anulam em estúpidas noções de controle: amamos o outro e não a posse do outro

Em busca da mulher selvagem – Era por ela que eu sempre me apaixonava, essa mulher que era quem ela mesma desejava ser, e não a mulher que a família, religião e sociedade impunham que ela fosse

Amor em liberdade – O que você ama no outro? A pessoa em si? Ou o fato dela ser sua propriedade? E como pode saber que ela é só sua?

ENTREVISTA

Regina Navarro Lins (revista TPM, set2012) – A psicanalista e sexóloga fala sobre relacionamentos, sexo e liberdade.

.

.

Seja Leitor Vip e ganhe:

Acesso aos Arquivos Secretos
Descontos, promoções e sorteios exclusivos
Basta enviar e-mail pra rkelmer@gmail.com com seu nome e cidade e dizendo como conheceu o Blog do Kelmer (saiba mais)

.

.

Comentarios01COMENTÁRIOS
.

01- Adoreiiiii! Tatá Guida, Rio de Janeiro-RJ – nov2013

02- Eh ricardo, segura meu “like” ae fera. Tárcio Meireles, São Paulo-SP – nov2013

03- Sou fã desse moço, que nos apresenta um texto delicioso… Como ele, “Prefiro o amor que ama o outro.” Sandra Regina, Curitiba-PR – nov2013

04- Gostei muito desta vez , adoro tudo sobre amor prefiro amor só amor. Lisa Mary, Fortaleza-CE – nov2013

05- A meu ver, se todos os envolvidos estiverem de acordo, não vejo mal nenhum, mesmo. Mas vejo como uma escolha das duas pessoas (ou mais..rs), pois todos tem direito de optar por como se sentem melhor, seja um amor monogâmico ou não. Dri Flores, São Paulo-SP – nov2013

06- Perfeito este seu texto Ricardo Kelmer, gosto de saber que não me enganei com a primeira impressão que tive de você naquele bar em Jericoacoara, não gosto que a sociedade defina o que eu penso, como vivo ou como amo, até mesmo porquê acredito que o amor é apenas um sentimento e não um relacionamento. O amor pode ser de uma via só, você pode amar até a um objeto, a um animal, a um ser dito humano e ele não corresponder ao que você sente. E o amor é só um sentimento não só quando você ama alguém que não te ama: o amor é só um sentimento mesmo quando você é amado por uma ou várias pessoas . É que você pode amar sozinho, sem reciprocidade, ou amar de um jeito e ser amado de outro. Também acredito nos amores que amam o outro e libertam. Com todo o meu amor! Fatima Carvalho, Santo André-SP – nov2013

07- Texto maravilhoso, marca registrada RK. E qdo se trata de amor esse qdo sai de nós já não nos pertence mais. É como um presente o outro fará dele o que desejar. Alguns compartilham, outros se apegam, outros largam num canto, as vezes não se dão conta que são amados! E assim seguimos: amando, esquecendo, dividindo e multiplicando o amor, o amores. Cada qual do seu jeito quer amar e ser amado. O amor que ama desapegado é um belo tipo de amor. Talvez o mais desinteressado e puro amor, amor que ama e deixa livre pra amar! Ivonesete Zete, Fortaleza-CE – nov2013

08- Perfeito….kkkkk..me identifiquei. ….com a minoria! Erika Menezes, Fortaleza-CE – nov2013

09- Nossa Ricardo Kelmer!!! Adorei esse texto!!! Super concordo!!! Parabéns!!!!:) Sidneia Fonseca, São Paulo-SP – nov2013

10- “O amor é uma construção social.” É o que eu tenho dito… Arrasou… Juliana Silva, Paulo Afonso-BA – nov2013

11- Interessante!!! Marcos Vilena, Ubatuba-SP – nov2013

12- Ouvi uma palestra num congresso ( que tinha como tema Os Amores Líquidos) que o homem é um animal polígamo por natureza, e que somos forçados a crer na monogamia pressionados por algumas religiões. Me senti aliviada e “normal” depois disso. Izabel Castro, São Paulo-SP – nov2013

13- Concordo plenamente com o que ela escreveu!A sociedade não assume´,mas é verdade sim..bom dia Ricardo Kelmer.Bjs! Thais Guida, Rio das Ostras-RJ – dez2013

14- A sociedade ainda não está preparada pra esse “tipo ” de amor..mas essa sociedade que te incita a fazê-lo é a mesma que abomina…então pq se preocupar cm ela? Marília Lima, Fortaleza-CE – dez2013

15- Belo texto, Ricardo Kelmer, assino embaixo. Somos uma sociedade diversa, formada por pessoas diversas com sentimentos e desejos diversos, e com diversas maneiras de amar. Aprender a respeitar e conviver com o diferente é o nosso maior desafio se quisermos realmente evoluir como pessoas e como sociedade. Antonio Elinaudo Barbosa, Fortaleza-CE – dez2013

16- Eita discusrão q nunca acaba por maíis q sejamos mudernos. Laissez-faire cada um q faça o q melhor achar! E aeh Thais achou algo? Bjs pra todos…especial pra ti Kelmer^.^ Izabel Castro, São Paulo-SP – dez2013

.

OAmorQueAmaOOutro-02a


A putinha do quartinho do fundo

06/02/2013

06fev2013

Dei um gole na vodca e tentei me convencer que eu não estava enciumado pelo fato da minha namorada naquele momento estar tirando a roupa pra um gordão punheteiro lá do interior do Paraná

APutinhaDoQuartinhoDoFundo-3.

A PUTINHA DO QUARTINHO DO FUNDO
As aventuras de Diametral e Ninfa Jessi
.

Striputinha. Foi o nome que Jessi escolheu pra sua personagem no serviço de strip-tease pela internet que ela criara. Striputinha, sua amante virtual, performance de vinte minutos, o cliente escolhe se ela será uma enfermeira, garçonete, policial e por aí vai. Ele deposita a grana e na hora marcada Jessi liga sua web cam no quartinho do fundo do apartamento, vestida conforme o gosto do freguês. Ninfa Jessi não presta.

Putz. Em menos de um mês de trabalho com strip cam minha pequena faturara o que eu ganhava em seis meses como jornalista. Sim, ganhava, pois não ganho mais: tô desempregado desde que o último jornal pro qual eu escrevia sucumbiu às pressões do MNBC, o famigerado Movimento Nacional pelos Bons Costumes, que nos persegue desde que eu e Jessi iniciamos nossa campanha pela ampliação do diâmetro do mundo.

– Agora sou eu quem vou te sustentar, meu amor – ela anunciou, toda animada, me mostrando o belo saldo da conta. – Diametral vai poder escrever o que quiser, na tranquilidade. E nunca mais vai pensar no aluguel na hora errada, viu?

Ela se referia a uma triste broxada que ocorrera comigo dias antes. Sim, broxar é sempre triste, mas daquela vez foi tristérrimo. Vou contar, mas vê se não sai espalhando por aí. Era aniversário da Dinda, uma ninfeta muito sapeca que Jessi conhecera na sex shop. Mês passado a danada fez 18 aninhos e a gente a chamou pra comemorar num motel, a três. Pois no meio do bem-bom, taças de vinho, no som um blues sensual, clima maravilhoso… eu de repente broxei. E não teve jeito que desse jeito. A sorte é que Jessi continuou o serviço por mim, com o pau artificial, e nossa vizinha voltou pra casa com seu diâmetro devidamente ampliado, bem satisfeitinha da vida. Não sou do tipo encucadão com esse tipo de coisa, e não foi a primeira broxada da minha vida, mas que foi chato, foi. E a culpa eu botei no aluguel atrasado, na ameaça de despejo, na cara feia da síndica, essas aporrinhações que afetam o desempenho até de um galo. Mas voltemos ao assunto principal.

Pra encarnar Striputinha e assegurar o anonimato, Jessi usa perucas, lentes de contato, máscaras e maquiagem. Sempre me impressiono quando a vejo produzidona, parece outra pessoa. Algumas roupas e acessórios ela possuía do tempo que trabalhou como garçonete no Bukowski, onde fazia números eróticos, e o restante ela comprou baratinho na liquidação de uma sex shop.

A estreia foi com um cara de Cambé, que vira as fotos e o vídeo no blog da Striputinha e escolheu a personagem Colegial. Pois bem. Meia hora antes do encontro Jessi já andava pelo apartamento toda paramentada: sainha plissada, meias até o joelho, blusinha com gravatinha, caderno junto ao peito. E ainda tinha a indefectível caneta na boca semiaberta. Perfeito. Tão perfeito que senti uma coisa estranha, uma mistura de tesão, fascínio e… ciúme.

– Caramba, Jessi, você nunca se vestiu assim pra mim.

– Você nunca pediu… – ela respondeu enquanto se abaixava e fingia ajeitar a meia abaixo do joelho só pra que eu percebesse a calcinha da Hello Kitty enfiada na bunda. Ninfa Jessi não presta.

Na hora marcada com o cliente, quando ela entrou no quartinho, eu já estava lá, estrategicamente posicionado num canto ao lado da mesa do notebook. Estava ansioso, na verdade nervoso mesmo, pra ver a estreia da minha pequena no ramo do strip cam. Até parecia que eu nunca a havia visto dançar nua no Bukowski.

– Te manda, Gatão.

– Ahn?

– Dá licença eu ficar sozinha com meu cliente?

Ainda tentei argumentar, que eu ficaria quietinho, que o cara não me veria… Não teve jeito. Saí do quartinho e Jessi, ou melhor, Striputinha trancou a porta. E aí, fazer o quê numa situação dessa? Enchi um copo de vodca, claro, e fui beber na sala, enquanto do quartinho vinha a voz sussurrante de April Stevens cantando Teach me Tiger, que foi a música escolhida por Jessi pra estreia da Colegial. Dei um gole na vodca e tentei me convencer de que eu não estava enciumado pelo fato da minha namorada naquele momento estar tirando a roupa pra um gordão punheteiro lá do interior do Paraná. Ciúme por quê? Era só um trabalho.

Vinte minutos e oito Teach me Tiger depois escutei sua voz.

– Gatão…

Virei-me e o que vi? Vi a mulher mais linda do mundo. Já meio desmontada da roupa de colegial, uma meia faltando, um peito fora do sutiã… Parada na entrada da sala, encostada na parede, ela me olhava e se acariciava com a mão entre as coxas. Ainda era Striputinha? Ou já era Jessi novamente? Acho que era as duas ao mesmo tempo. E eu conhecia muito bem aquela expressão…

– Me come. Agora.

Não foi um pedido. Foi uma intimação. Do tipo que mortal nenhum pode negar a uma mulher como Jessi. E não neguei. Puxei-a pelo braço e joguei-a no sofá, como bem merece toda colegial safadinha. Comi-a com violência e desespero, como se come a mulher que se ama mais que tudo na vida.

(continua)

Ricardo Kelmer 2012 – blogdokelmer.com

.

> Leia a continuação (exclusivo para Leitor Vip)

.

APutinhaDoQuartinhoDoFundo-4A putinha do quartinho do fundo (vip) – Confira os bastidores e as imagens desta aventura de Diametral e Ninfa Jessi (exclusivo para Leitor Vip)

Ainda não é Leitor Vip? Vamos resolver isso agora!

Mais aventuras de Diametral e Ninfa Jessi

April Stevens canta Teach me Tiger

.
.

SÉRIES ERÓTICAS DESTE BLOG

As aventuras de Diametral e Ninfa Jessi – Um casal apaixonado vive seu amor libertino com bom humor e muita safadeza

As taras de Lara – Desde pequena que Lara só pensa naquilo. E ai do homem que não a satisfaz

Um ano na seca – O que pode acontecer a um homem após doze meses sem sexo?

O último homem do mundo – O sonho de Agenor é que todas as mulheres do mundo o desejem. Para isso ele está disposto a fazer um pacto com o diabo. Mas há um velho ditado que diz: cuidado com o que deseja pois você pode conseguir

.
LEIA NESTE BLOG

Por trás do sexo analHá algo de divinamente demoníaco no sexo anal que, literalmente, a-lu-ci-na algumas mulheres

.
DICA DE LIVRO

IFTCapa-04aIndecências para o fim de tarde
Ricardo Kelmer – Contos eróticos

Uma advogada que adora fazer sexo por dinheiro… Um ser misterioso e sensual que invade o sono das mulheres… Os fetiches de um casal e sua devotada e canina escrava sexual… Uma sacerdotisa pagã e seu cavaleiro num ritual de fertilidade na floresta… A adolescente que consegue um encontro especial com seu ídolo maior, o próprio pai… Seja provocando risos e reflexões, chocando nossa moralidade ou instigando nossas fantasias, inclusive as que nem sabíamos possuir, as indecências destes 23 contos querem isso mesmo: lambuzar, agredir, provocar e surpreender a sua imaginação.

A entrega – Memórias eróticas (Toni Bentley, editora Objetiva) – A ex-bailarina filosofa sobre sua profunda experiência de amor e salvação pela submissão no sexo anal

.

.

Seja Leitor Vip e ganhe:

Acesso aos Arquivos Secretos
 Descontos, promoções e sorteios exclusivos
Basta enviar e-mail pra rkelmer@gmail.com com seu nome e cidade e dizendo como conheceu o Blog do Kelmer (saiba mais)

.

.

COMENTÁRIOS
.

01- saudade de te ler nesse tom do Diametral! e que profissão interessante essa da Ninfa Jessi… queria ver essa performance. tenho um carinho especial por esses dois personagens. adorei a aventura nova. Wanessa Bentowski, Fortaleza-CE – fev2013

02- Bem melhor que essa coisa de Tons de Cinza. É tudo mais colorido e faz a nossa imaginação nos levar numa história sensual e sexualmente ingênua. Renata Kelly, Fortaleza-CE – mar2013

03- a Putinha do quartinho fundo.. A-M-E-I.. Paulla Sousa Barros, Fortaleza-CE – mar2013

Jessi passou o gel e a fantasia de Rahbe foi devidamente realizada, enquanto minha pequena fazia o complemento, beijando e masturbando nossa generosa vizinha

Protegido: A putinha do quartinho do fundo (VIP)

06/02/2013

Este conteúdo está protegido por senha. Para vê-lo, digite sua senha abaixo:


As vizinhas que a crise traz

24/02/2010

24fev2010

Jessi passou o gel e a fantasia de Rahbe foi devidamente realizada, enquanto minha pequena fazia o complemento, beijando e masturbando nossa generosa vizinha

.

AS VIZINHAS QUE A CRISE TRAZ
As aventuras de Diametral e Ninfa Jessi
.

Más notícias. Perdi a última coluna de jornal que me restava. Pelo jeito os caretas do MNBC conseguiram convencer mais um editor de que Diametral é um péssimo exemplo pra juventude brasileira. Que bosta. Esse tal Movimento Nacional pelos Bons Costumes nos elegeu inimigos mortais, a mim e a Ninfa Jessi, desde que começamos nossa sexualíssima campanha pela ampliação do diâmetro do mundo.

Ei, gatão, não nos abatamos! Ninfa Jessi procurou logo me animar. – Em momentos de crise, vale a estratégia do cocô: é indo em frente que a gente encontra a saída.

O que seria de mim sem a sabedoria da minha pequena…

Rooooonc! O estômago deu o aviso: cinco da tarde e a gente nem tinha almoçado ainda. Fui na cozinha e abri a geladeira: uma garrafa dágua e um ovo. A coisa tava feia. Saímos catando dinheiro pela casa e tudo que conseguimos foi juntar quinze pratas. Me deu vontade de chorar. O que se faz numa situação dessa?

Ora, o que qualquer cara de bom senso faria: daria a grana pra namorada ir no supermercado falou Jessi, me tomando o dinheiro. – Nessas horas mulher sabe gastar melhor.

Meia hora depois Ninfa Jessi voltou do supermercado. Abri a porta do apartamento, ela me entregou a sacola e anunciou, toda solene: Hora de comemorar a crise! Na sacola havia uma garrafa de vodca vagabunda e um pacotinho de tiragosto. Sábia Jessi. Foi quando percebi, humm, que ela não viera sozinha, hummmm, havia uma garota parada atrás dela, de shortinho, camiseta e sandalinha, hummmmmmm.

Encontrei Rahbe no elevador. Ela veio comemorar a crise com a gente.

Ninfa Jessi não presta. Rahbe é a ninfeta do 702 que adora acompanhar as aventuras sexuais de Diametral e Ninfa Jessi em minha coluna no jornal. Ops, minha ex-coluna. Que bosta, nem gosto de lembrar. Maldito MNBC. Rahbe me deu dois beijinhos e entrou na sala. Belo e volumoso par de peitos Rahbe tinha. Ideal pra fazer espanhola.

Dez minutos depois estávamos no tapete da sala, ouvindo The Doors, que Jessi adooora, e mandando ver na vodca. Na segunda dose ela e Rahbe chegaram à conclusão que eu deveria criar um blog pra continuar publicando nossas aventuras e brindamos a essa ideia. Depois Jessi serviu uma dose dupla pra todos e quis saber da ninfeta qual a nossa aventura que ela mais gostava, e Rahbe disse que era a transa com as enfermeiras na festa à fantasia, que aquilo a havia excitado bastante pois ela queria ser enfermeira. Na metade da garrafa, já bem animadinha, Jessi proclamou, soleníssima, que a melhor função da roupa sempre foi ser tirada, sapientíssima Jessi. Dito isso, fez um strip-tease completo, ao som de The Spy, em homenagem à nossa peituda vizinha que, ao final, aplaudiu bastante, maravilhada com a performance de minha pequena. Tão maravilhada que, tchum, pulou sobre ela.

As cenas seguintes eu assisti de camarote, as duas enlouquecidas no sofá num festival de línguas e dedos, cena de altíssima voltagem. Como Jessi sempre diz que nenhum homem chupa uma mulher como outra mulher chupa, aproveitei que elas faziam um meia-nove e tratei de aprender um pouco mais sobre o assunto. Em outras palavras: hora das fotinhas. Câmera na mão, registrei o valioso momento, até que não me controlei mais e entrei na festa, pedindo pra Rahbe me fazer uma espanhola naqueles peitões irresistíveis, o que ela fez com muita propriedade, acho que já tava acostumada ao pedido. Depois Rahbe cochichou no ouvido de Jessi, que sorriu e me disse:

Gatão, ela quer ampliar o diâmetro. Vou buscar o gel.

Caramba, mais uma com essa fantasia de ser enrabada pelo Diametral. Fazer o quê, né? Enquanto Jessi ia no quarto pegar o gel, pus a ninfeta de quatro no sofá e, após verificar que o cu da moça era do tipo semirrosa, um tipo de valor 8,5 no mercado, fiz as preliminares com a língua até deixá-la alucinada, elas sempre ficam alucinadas com isso. Depois Jessi passou o gel e a fantasia de Rahbe foi devidamente realizada, enquanto minha pequena fazia o complemento, beijando e masturbando nossa generosa vizinha. Generosa e escandalosa. Caramba, como aquela menina berrava! Na reunião seguinte do condomínio os espiões do MNBC teriam um prato cheio pra reclamar. Povo recalcado. Não trepa nem deixa ninguém trepar.

Pedimos pra ela dormir com a gente mas Rahbe explicou que tava de recuperação em química e tinha prova no dia seguinte, ainda precisava estudar. Ninfeta responsável, exemplo bonito de se ver. Rahbe nos beijou e voltou pra casa toda felizinha, levando seu diâmetro semirrosa 8,5 devidamente ampliado. Agora ela não seria apenas uma simples leitora das aventuras de Diametral e Ninfa Jessi seria personagem. E antes de ir ainda deixou uma curiosa sugestão pra Jessi:

Por que você não entra no ramo de strip-tease pela internet? Tem gente ganhando superbem com isso, sabia?

Mas Jessi não gostou muito da ideia. De manhã, porém, enquanto me despertava com seu tradicional boquete sabor menta, minha pequena já havia mudado de opinião:

Começo amanhã mesmo, gatão. Vou usar aquele quartinho do fundo. Vinte minutos, cinquenta pratas. Ninfa Jessi, sua amante virtual. Que tal?

Ninfa Jessi não presta.

.

Ricardo Kelmer 2009 – blogdokelmer.com

.

.

> Confira os bastidores e as imagens desta aventura de Diametral e Ninfa Jessi. Exclusivo pra Leitores Vips. Basta digitar a senha do ano da postagem.

> Mais aventuras de Diametral e Ninfa Jessi

.

.

SÉRIES ERÓTICAS DESTE BLOG

As aventuras de Diametral e Ninfa Jessi – Um casal apaixonado vive seu amor libertino com bom humor e muita safadeza

As taras de Lara – Desde pequena que Lara só pensa naquilo. E ai do homem que não a satisfaz

Um ano na seca – O que pode acontecer a um homem após doze meses sem sexo?

O último homem do mundo – O sonho de Agenor é que todas as mulheres do mundo o desejem. Para isso ele está disposto a fazer um pacto com o diabo. Mas há um velho ditado que diz: cuidado com o que deseja pois você pode conseguir

.
LEIA NESTE BLOG

Por trás do sexo analHá algo de divinamente demoníaco no sexo anal que, literalmente, a-lu-ci-na algumas mulheres

.
DICA DE LIVRO

IFTCapa-04aIndecências para o fim de tarde
Ricardo Kelmer – Contos eróticos

Uma advogada que adora fazer sexo por dinheiro… Um ser misterioso e sensual que invade o sono das mulheres… Os fetiches de um casal e sua devotada e canina escrava sexual… Uma sacerdotisa pagã e seu cavaleiro num ritual de fertilidade na floresta… A adolescente que consegue um encontro especial com seu ídolo maior, o próprio pai… Seja provocando risos e reflexões, chocando nossa moralidade ou instigando nossas fantasias, inclusive as que nem sabíamos possuir, as indecências destes 23 contos querem isso mesmo: lambuzar, agredir, provocar e surpreender a sua imaginação.

A entrega – Memórias eróticas (Toni Bentley, editora Objetiva) – A bailarina filosofa sobre sua profunda experiência de amor e salvação por meio da submissão no sexo anal

.

.

.

Seja Leitor Vip e ganhe:

Acesso aos Arquivos Secretos
Descontos, promoções e sorteios exclusivos
Basta enviar e-mail pra rkelmer@gmail.com com seu nome e cidade e dizendo como conheceu o Blog do Kelmer (saiba mais)

.

.

COMENTÁRIOS
.

Jessi passou o gel e a fantasia de Rahbe foi devidamente realizada, enquanto minha pequena fazia o complemento, beijando e masturbando nossa generosa vizinha

Protegido: As vizinhas que a crise traz (VIP)

24/02/2010

Este conteúdo está protegido por senha. Para vê-lo, digite sua senha abaixo:


A garçonete da minha vida

08/07/2009

08jul2009

Naquela sexta de dezembro, Diametral, que não era ainda Diametral, e Ninfa Jessi, que já era Ninfa Jessi, começaram oficialmente a mais bela e safada história de amor jamais contada, ele que a amava em silêncio havia um ano, ela chorando de raiva, desamparo e tesão

AGarconeteDaMinhaVida-01.

A GARÇONETE DA MINHA VIDA
As aventuras de Diametral e Ninfa Jessi
.

Ninfa Jessi e seus fetiches. Que eu adoro, por sinal. Um deles é por garçonete. Pelas garçonetes e também por ser uma garçonete. Pra ela, é umas das melhores profissões que uma mulher pode ter na vida.

– Homens, mulheres e vodca toda noite, Gatão! E ainda ser paga pra isso!

Quando a conheci, pelo Orkut, Jessi tinha 19 aninhos. Idade perfeita pra uma taradinha como ela se perder no lado bom da vida. De família do interior, mal esperou fazer 18 anos: largou o namorado careta, a cidade que não entendia seu cabelo mutante e suas lentes coloridas e se picou pra capital, queria estudar Cinema. Dividia um quarto com uma amiga e trampava num espaço cultural, onde via filme de graça e estava sempre conhecendo homens e mulheres interessantes – conhecendo e comendo, claro, que ela desde então já não prestava. Jessi, a pequena tarada.

Mas, como ela gosta de dizer, tinha espaço pra mais adrenalina nas veias de sua vida. Na verdade, Jessi queria ampliar o diâmetro do mundo, o mundo que ela conhecia ainda era pequeno demais pra tanto sonho e tesão que ardiam em sua alma e em seu corpo. Ela precisava de mim e não sabia. Mas antes de mim ainda haveria alguns capítulos em sua vida.

Então o Bukowski abriu vaga pra novas garçonetes. Bukowski, o bar que toda menina má sonha ter no currículo. Era um barzinho rock´n´roll que era meio inferninho, onde as garçonetes faziam uns shows performáticos bem apimentados. Cara, o público enlouquecia, choviam gorjetas. A casa pagava academia pras meninas manterem seus corpinhos em forma e elas tinham até professora de dança. Era bem organizado o negócio. E lá estava a adrenalina de que minha pequena precisava.

Ela passou na entrevista, passou no teste de dança e aí ficou faltando apenas o teste final que a professora exigia. Adivinha onde era o teste final? Na cama da professora, claro, professorinha esperta.

Já perfeitamente ciente das delícias que uma xana proporciona, o tal do teste final não desmotivou minha pequena nem um pouco. E ela fez, claro. Mas a professora deve ter ficado com muita dúvida pois em vez de um só, fez um bocadão de testes finais com ela. O resultado é que as duas se apaixonaram, é mesmo difícil não se encantar pela Jessi, e assim a pequena tarada virou garçonete do Bukowski e foi morar com sua professora de dança.

– Mais que dançar, ela me ensinou a comer direitinho uma mulher, Gatão. Isso não tem preço, tem?

Ninfa Jessi não presta.

Vem desse romance com a professora outro fetiche de Jessi, que hoje ela não dispensa com nossas namoradas: a morena adorava que ela a comesse com aqueles paus de silicone, ficava louca, gozava horrores. Jessi diz que numa dessas vezes, sua morena de quatro e ela metendo forte, por alguns instantes deixou de ser ela mesma e de repente era um homem, e quase pôde entender realmente, de corpo e alma, o que é ser homem. Foi algo meio místico, que nunca mais se repetiria com a mesma intensidade, mas que sempre volta quando ela está dentro de uma mulher, e também quando ela me vê dentro de uma mulher – nesses momentos seu olhar sempre busca o meu, como se nele pudesse reencontrar a louca sensação que ela uma noite teve. Como se através de mim e do nosso amor, trepando com nossas namoradas, ela pudesse enfim ser o homem que ela não é.

NinfaJessi-027Durante seis meses Jessi experimentou a felicidade que jamais tivera em sua vida. Tinha o emprego dos seus sonhos, ganhava bem, era querida pelos clientes e vivia seu lindo caso de amor. Seus shows no Bukowski? Eram dos mais aguardados, principalmente quando ela atuava com Sheilinha, a Sheila Dinamite. Todas as meninas tinham nomes artísticos e vem dessa época seu nome, Ninfa Jessi, bolado pela professora. Nome perfeito, combinava demais com ela, com os modelitos de ninfeta que ela usava, os lacinhos no cabelo – e, é claro, com seu apetite sexual. Não haveria nome melhor.

Mas nesse mundo os ventos mudam, né? O primeiro grande amor da vida de Jessi durou até o dia em que um vento em forma de loirinha desempregada bateu lá no Bukowski pra fazer teste pra garçonete. Exatamente, a professora trocou Jessi por ela. Pobre Jessi, sofreu pra caramba. Prosseguiu no emprego, mas deixou o apê da professora e alugou uma quitinete. O pior de tudo era ter que encontrar sua paixão quase todos os dias e se morder de ciúmes sempre que chegava garçonete nova na casa.

Foi por esses dias que eu fui lá no Bukowski. Nossa amizade, que havia começado numa comunidade bluseira do Orkut – sim, foi o blues crônico da vida que fez nossos caminhos se cruzarem – estava agora no estágio MSN, com papos quase diários. Já apaixonado pela pequena tarada, como ela mesma se chamava, e sabendo que trabalhava no Bukowski, me piquei pra lá. Cara, paguei a maior grana pra entrar, e tudo que eu tinha no bolso só deu pra tomar duas cervas. E ela nem me viu. Mas valeu a pena. Foi a primeira vez que meus olhos pousaram diretamente em Ninfa Jessi. E vê-la ali, com seu jeitinho cativante de moleca safada, dançando nua no balcão com outra menina, putamerda, foi inesquecível. Era a mulher perfeita, inacreditavelmente perfeita, assustadoramente perfeita. A Deusa-Ninfa dos meus sonhos que nem nos melhores sonhos eu havia sonhado. E sabe quando bate aquela certeza fulminante e inexplicável no destino? Bateu. No Bukowski, apertado no meio de outros caras e outras meninas que assistiam ao show, eu tive a calma certeza de que ali estava a mulher da minha existência, a deusa-diaba que seguiria comigo pela vida. Ali estava o motivo de eu acordar todos os dias com aquela dilacerante saudade do que eu nunca tinha vivido.

Faltava só ela também saber disso.

(continua)
.

Ricardo Kelmer 2009 – blogdokelmer.com

.

.

NinfaJessiGarconetes-01dA continuação do conto, contendo fotos de Ninfa Jessi e de um show no Bukowski, além do Álbum das Garçonetes, está disponível aqui. Exclusivo para Leitor Vip. Basta digitar a senha do ano da postagem.

Ainda não é Leitor Vip? Vamos resolver isso agora!

.

.

SÉRIES ERÓTICAS DESTE BLOG

As aventuras de Diametral e Ninfa Jessi – Um casal apaixonado vive seu amor libertino com bom humor e muita safadeza

As taras de Lara – Desde pequena que Lara só pensa naquilo. E ai do homem que não a satisfaz

Um ano na seca – O que pode acontecer a um homem após doze meses sem sexo?

O último homem do mundo – O sonho de Agenor é que todas as mulheres do mundo o desejem. Para isso ele está disposto a fazer um pacto com o diabo. Mas há um velho ditado que diz: cuidado com o que deseja pois você pode conseguir

.
LEIA NESTE BLOG

Por trás do sexo anal – Há algo de divinamente demoníaco no sexo anal que, literalmente, a-lu-ci-na algumas mulheres

.
DICA DE LIVRO

IFTCapa-04aIndecências para o fim de tarde
Ricardo Kelmer – Contos eróticos

Uma advogada que adora fazer sexo por dinheiro… Um ser misterioso e sensual que invade o sono das mulheres… Os fetiches de um casal e sua devotada e canina escrava sexual… Uma sacerdotisa pagã e seu cavaleiro num ritual de fertilidade na floresta… A adolescente que consegue um encontro especial com seu ídolo maior, o próprio pai… Seja provocando risos e reflexões, chocando nossa moralidade ou instigando nossas fantasias, inclusive as que nem sabíamos possuir, as indecências destes 23 contos querem isso mesmo: lambuzar, agredir, provocar e surpreender a sua imaginação.

.

.

Seja Leitor Vip e ganhe:

– Acesso aos Arquivos Secretos
– Descontos, promoções e sorteios exclusivos
Basta enviar e-mail pra rkelmer@gmail.com com seu nome e cidade e dizendo como conheceu o Blog do Kelmer (saiba mais)

.

.

 COMENTÁRIOS
.

01- Eu adooooro essa Ninfa Jessi… 😀 Samara Do Vale, Fortaleza-CE – jun2013


Protegido: A garçonete da minha vida (VIP)

08/07/2009

Este conteúdo está protegido por senha. Para vê-lo, digite sua senha abaixo:


A mulher livre e eu

07/06/2009

07jun2009

É esta a mulher que dança pela vida comigo, duas individualidades que se harmonizam mas não se anulam em estúpidas noções de controle: amamos o outro e não a posse do outro

AMulherLivreEEu-02

A MULHER LIVRE E EU

.
É ela quem eu quero, a dona dessa boca. A boca docemente familiar que amanhece de mansinho na minha quando desperto de mais uma madrugada de sonho e suor. Porém, bem mais que a boca, é o beijo da liberdade dessa mulher que me refresca a vida.

É ela quem eu desejo, a dona desse corpo. O corpo que me sugere as mais poéticas indecências e me convida a desvendar os segredos que eu já sei de cor, e quando estou lá, puff, de repente já não sei mais, e então me perco por seus montes e planícies e cavernas, e ao fim de tudo me contorço e urro e explodo no mais puro prazer de me perder. Porém, bem mais que no corpo, é na liberdade dessa mulher que a vida se desnuda para mim.

É da presença dela que eu preciso, ela que me traz a certeza de que não seguirei só. É de sua voz que carecem meus ouvidos, a voz que me embala a alma de blues e me faz convidá-la, vamos dançar, meu amor? É o meu olhar no seu que vejo quando nada mais vejo no breu das incertezas. Mas, sobretudo, é a liberdade dessa mulher que me clareia o caminho.

Ela é livre porque, apesar de ter nascido imersa numa cultura, um dia entendeu que não deveria limitar-se às regras, e assim modelou seu ser com o que de melhor encontrou pelo mundo. Evidente que esse não limitar-se às convenções fará dela uma eterna transgressora a incomodar os que só admitem o mundo pelas lentes de sua cultura e religião, mas esse é o preço da alma liberta, ela sabe. E eu faço questão de pagar junto dela.

Houve um tempo em que ela entendia seu corpo como algo contra o qual deve lutar todos os dias – até que percebeu que sua verdadeira beleza não vem de cosméticos, mas de sua alma harmonizada com os ritmos naturais da vida. Hoje ela não precisa gastar para ficar chique e bonita, pois a elegância da simplicidade há muito a fez sua modelo exclusiva. Sim, a mulher livre possui vaidades, mas ela não é boba, sabe que os criadores de moda não almejam a sua felicidade, mas a sua escravidão. E quanto a vestir-se para fazer inveja a outras mulheres, bem, ela sabe que mais tarde quem rasgará sua roupa sou eu.

Os mistérios de si, ela vai buscá-los, pois jamais seremos livres sem nos livrarmos do que por dentro nos paralisa e nos faz sabotar a própria vida. Ser livre é ampliar a cada dia a real noção de si, isso ela há muito compreendeu, e é por esse motivo que os que se libertam não se enganam mais como antes e, por serem verdadeiros, mais verdadeiras são suas relações.

E por bem saber o que ela é ou não é, essa mulher nada tem a provar a ninguém. Se interpretam erroneamente seu jeito espontâneo, ela ri do que dela pensam. Se seus desejos transcendem os velhos modelos sexuais, ela festeja e os divide generosa com eles ou elas, e em nome de seu sagrado prazer ela é a cadela devassa, a santa dadivosa da luxúria, a puta mais linda e desvairada que há.

A liberdade dessa mulher reluz no seu jeito de ser, e por não estar apegada a poder e dinheiro ela é a mais rica e poderosa de todas. E justamente por saber que a velhice é o segredo final da sabedoria é que a vida todo dia vem banhá-la de alegria e vesti-la com esse jeitinho de menina encantador.

É esta a mulher que dança pela vida comigo, duas individualidades que se harmonizam mas não se anulam em estúpidas noções de controle: amamos o outro e não a posse do outro. Estamos juntos porque finalmente encontramos a liberdade que acolhe e incentiva a nossa própria, e até nos permite dividir com o mundo o nosso amor. E por não sofrer temendo perder quem na verdade nunca possuímos, mais vivemos e gozamos o melhor amor que temos para nos dar.

.
Ricardo Kelmer 2009 – blogdokelmer.com

.

.

MAIS SOBRE LIBERDADE E O FEMININO SELVAGEM

AMulherSelvagem-11aA mulher selvagem – Ela anda enjaulada, é verdade. Mas continua viva na alma das mulheres

Em busca da mulher selvagem – Era por ela que eu sempre me apaixonava, essa mulher que era quem ela mesma desejava ser e não a mulher que a família, religião e sociedade impunham que ela fosse

Amor em liberdade – O que você ama no outro? A pessoa em si? Ou o fato dela ser sua propriedade? E como pode saber que ela é só sua?

As fogueiras de Beltane – As fogueiras estão acesas, a filha da Deusa está pronta. O casamento sagrado vai começar

Medo de mulher – A mulher é um imenso mistério, que o homem jamais alcançará

Alma una – Eu faço amor com a Terra / Sou a amante eterna / Do fogo, da água e do ar / Sou irmã de tudo que vive / Ninfa que brinca com a vida / Alma una com tudo que há

Quem tem medo do desejo feminino? (1) – A maternidade, a castidade e a mansidão de Nossa Senhora como bom exemplo, e a força, a independência e a liberdade sexual da puta como exemplo contrário, a ser jamais seguido.

Os apuros do homem feminista – Minha busca por relações igualitárias foi dificultada também porque muitas mulheres, mesmo oprimidas, preferiam relações baseadas no velho modelo machista

Marchando com as vadias – Se ser vadia é ser livre para exercer a própria sexualidade, então todas as mulheres precisam urgentemente assumir sua vadiagem, para o seu próprio bem e o de suas filhas

.
LIVROS

vtcapa21x308-01Vocês Terráqueas – Seduções e perdições do feminino
Ricardo Kelmer – Contos e crônicas

Ciganas, lolitas, santas, prostitutas, espiãs, sacerdotisas pagãs, entidades do além, mulheres selvagens – em todas as personagens, o reflexo do olhar masculino fascinado, amedrontado, seduzido… Em cada história, o brilho numinoso dos arquétipos femininos que fazem da mulher um ícone eterno de beleza, sensualidade, mistério… e inspiração.

Mulheres que correm com os lobos – Mitos e histórias do arquétipo da mulher selvagem (Clarissa Pinkola Estés –  Editora Rocco, 1994)

A prostituta sagrada – A face eterna do feminino (Nancy Qualls-Corbert – Editora Paulus, 1990)

As brumas de Avalon (Marion Zimmer Bradley – Editora Imago, 1979)

O feminino e o sagrado – Mulheres na jornada do herói (Beatriz Del Picchia e Cristina Balieiro – Editora Ágora, 2010) – É ainda mais interessante ver o relato das mulheres pois elas sempre foram, mais que os homens, historicamente reprimidas na busca pela essência mais legítima de suas vidas

.

.

Seja Leitor Vip e ganhe:

– Acesso aos Arquivos Secretos
– Descontos, promoções e sorteios exclusivos
Basta enviar e-mail pra rkelmer@gmail.com com seu nome e cidade e dizendo como conheceu o Blog do Kelmer (saiba mais)

.

.

Comentarios01 COMENTÁRIOS
.

01- Oi Ricardo, belo texto, lembra o livro, “As mulheres que correm com os lobos”, que é da Clarissa Estes, uma junguiana e contadora de histórias. Conhece? Muito bom (tanto olivro qt seu texto). Bj. Raquel Brasil, Fortaleza-CE – jun2009

02- Uau, acho que nunca li nada tao romantico vindo do Ricardo Kelmer, sera que meu amigo esta finalmente se entregando ao “amor” ou eh so ficcao mesmo? Ana Lúcia Castelo, Nova York-EUA – jun2009

03- Olá Kelmer, Bela crônica. Um ato apologético à criatura camaleônica da mulher, que promove digamos uma “troca de seios” à medida de nossa necessidade. Teve um momento do texto que me identifiquei com a parte boa introjetada de nossa realeza, a liberdade que vagueia pelos campos floridos do desejo saciado, sem qualquer laivo de anseio e voracidade; apenas o acalanto de um prazer purificado da necessidade de evacuar angústias e ansiedades. Gostei bastante. Aproveito para re-convidá-lo para uma entrevista em meu programa cultural na internet. Se você quiser marcar em julho, temos como. Um grande abraço e parabéns pela sensibilidade. Felipe Moreno, São Paulo-SP – jun2009

04- não sei nem como publicar isso no blog, mas se vc puder fazê-lo, faça, de qq forma eu já tinha encaminhado pra quase toda a minha lista e o pessoal está adorando…. Bj. Raquel Brasil, Fortaleza-CE – jun2009

05- Rapaz, onde é q a gente encontra uma “muié” dessas aí, mermão? Essa muié aí parece aquelas das antigas estampas Eucalol (é o novo!): erráticas, inatingíveis e, mesmo, inexistentes — sobretudo pra “rapazes velhos” como nós q já passamos dos quarenta, embora não pareça… Valeu! Wander Nunes Frota, Fortaleza-CE – jun2009

06- Oi, tio prof! Soou meio preconceituoso esse “todas as outras”, achei meio esnobe, sei lá. Paula Izabela, Juazeiro do Norte-CE – jun2009

07- nossa…. me identifiquei! hahahaha beeijo. Dani Cecchi, Rio de janeiro-RJ – jun2009

08- “A mulher livre sou eu!” É isso mesmo, Kelmer. E são poucos os que reconhecem a essência que há por trás das que pagam o insustentável preço da liberdade! Parabéns pelo texto. Meire Viana, Fortaleza-CE – jun2009

09- mto bom! bela leitura para o dia dos namorados… Beth Vidigal, São Paulo-SP – jun2009

10- amei,sou uma mulher livre tb… bjs e obrigada . Marysol Rosso, Cocal do Sul-SC – jun2009

11- Simplesmente lindooo!!!Muita sensibililidade e conhecimento da alma feminina!!!Parabéns! Adorei! Obrigada Ricardo. Abraço. Fernanda Bessa, Fortaleza-CE – jun2009

12- nossa que linda essa crônica adoreii!!!!!!! bjs. Fernanda Quinderé, Fortaleza-CE – jun2009

13- muito lindo… é que tu escreve de um jeito muito especial… contagia a alma. beijo grande. e nosso gamão? comprei pedras novas… Gláucia Costa, Fortaleza-CE – jun2009

14- fala bixo!!! tava na amazonia, e la a net e pessima, por isso a demora! + me fala, tem outra dessa p vender?? to carecido!!! abç. César de Cesário, Campina Grande-PB – jun2009

15- Parabéns pelo texto, Ricardo. Poucos são os que leio mais de uma vez, como este. Invejo, e obviamente admiro, esta mulher, pois sou conscientemente presa aos padrões culturais/religiosos. Acho, de certa maneira, que necessito desta prisão, pois não detenho a força necessária a esta liberdade. De qualquer forma, é muito bom saber que ela é possível! Abraços. Maryvone, Fortaleza-CE – jun2009

16- Que romântico esse “a mulher livre e eu”, adorei tbm.. ainda esperando um amor assim, que encontra “a liberdade que admira, acolhe e incentiva”. Jocastra Holanda, Fortaleza-CE – set2011

17- Lindo texto. Vitória Lima, São Paulo-SP – mai2013

18- É essa mulher que procuro… Alexandre Simonete, Piracicaba-SP – jul2013

RK- Alexandre, eu também procurei bastante essa mulher. Até que um dia a encontrei dentro de mim mesmo ao reconhecer o princípio feminino em minha alma. Desde então o feminino liberto em mim me fez um homem mais livre e acho que isso atrai mulheres mais livres ou que buscam se libertar. Alguém já disse que nossas relações nunca serão melhores que a relação que temos com nós mesmos. Seguindo essa lógica, se almejamos relações mais livres, acho que o primeiro passo é libertar a nós mesmos. (jul2013)

20- Então estou no caminho certo…Pois já reconheço o principio feminino em minha alma… Muito bom adorei. Um grd abraço ! Alexandre Simonete, Piracicaba-SP – jul2013

21- Adorei! Eu tenho essa mulher dentro de mim…..Ricardo Kelmer Do Fim Dos Tempos. Tatiane Santarosa, Cajamar-SP – jul2013

22- PERFEITO!!!! Só faltou minha digital ! Parabéns. Garcia Nataly, São Paulo-SP – nov2013

23- Eu já tinha lido antes, mas vendo essa postagem agora com comentários carregados de sensibilidade masculina sobre seu próprio feminino, não tem como não me emocionar! Para mim parece tão simples, embora seja um árduo caminho para chegar nesse ponto garotos. Lembre do conto “Quando os homens não voltam pra Casa”. Ivonesete Zete, Fortaleza-CE – nov2013


Diâmetros exaltados

26/03/2009

26mar2006

Linda, louca e gostosa, Jessi tem duas manias: uma é trocar a cor do cabelo. A outra é ampliar o diâmetro comigo. Comigo e umas namoradas que ela arruma pra gente se divertir

diametralninfajessi05b.

DIÂMETROS EXALTADOS

As aventuras de Diametral e Ninfa Jessi
.

O júri decidiu que Diametral é culpado das acusações de incentivo ao sexo promíscuo e doentio entre os jovens brasileiros. A pena é assistir por um ano a todos os programas religiosos do MNBC na madrugada. Faça-se cumprir.

Aaaahhh!!! Acordo de repente, sobressaltado. Olho ao redor. Estou no quarto do motel. Ninfa Jessi dorme nua ao meu lado. Ufa, foi só um sonho ruim… Levanto, afasto devagar a cortina da janela e observo. Lá fora, o jipe no estacionamento, o luminoso do motel Centelha Vermelha, a estrada escura e deserta. Está tudo bem, eles não têm nossa localização.

Volto à cama. Jessi murmura algo e me abraça. Melhor dormir, amanhã cedo seguiremos. Mas a lembrança dos últimos acontecimentos insiste. Tudo começou quando conheci aquele site de relacionamentos…

Julho de 2005. Lá estou eu me cadastrando no Orkut. Esse negócio virou mania no Brasil. Tem gente que vive lá conectado e só sai pra comer e dormir, isso quando não dorme sobre o teclado. Tem mulher que conheceu o marido lá. É lá que muito marido monitora as paqueras da mulher. Tem de um tudo. Outro dia, conheci uma comunidade que luta pela liberdade dos pinguins de geladeira. Claro que entrei.

Novembro de 2005. Crio em meu site pessoal uma seção chamada Submundo Orkut, pra comentar o que rola nessa tal dimensão onde milhões de brasileiros vivem parte de suas vidas. É, eu assumo, sou bisbilhoteiro do comportamento alheio. Por falar nisso, algo que sempre me chamou a atenção foi aquela frase de boas vindas que consta na página de abertura: Participe do Orkut para ampliar o diâmetro do seu círculo social. Que frase mais esdrúxula! Comento com Jessi e ela solta sua gargalhada inconfundível. Jessi é uma pequena que conheci, adivinha onde, no Orkut. Linda, louca e gostosa. Tem duas manias: uma é trocar a cor do cabelo. A outra é ampliar o diâmetro comigo. Comigo e umas namoradas que ela arruma pra gente se divertir. Ninfa Jessi não presta.

Junho de 2006. A crônica Ampliando o Diâmetro é publicada em minha coluna no site do jornal O Povo. O texto é uma gozação sobre essa tal frase do diâmetro.

Dia seguinte. Recebo as primeiras mensagens. São os leitores, a grande maioria me parabeniza pela crônica. Alguns não gostam e, entre esses, um se diz integrante de um tal MNBC, Movimento Nacional pelos Bons Costumes, e afirma que solicitará ao jornal a minha saída do quadro de cronistas. E completa ameaçando me processar por incentivo ao sexo promíscuo e doentio entre os jovens brasileiros. Não acredito… Jessi fica indignada: Esse povo devia é ter mais senso de humor, em vez de ficar se preocupando com o diâmetro dos outros!

Próximo dia. Pelo sim, pelo não, lá estou eu no computador, xícara de café ao lado, buscando informações sobre esse tal de MNBC. Não encontro nada. Será que era pegadinha? Descubro, porém, que a direção do jornal de fato recebeu protestos de alguns leitores indignados com meu texto. Hummm, talvez o MNBC seja uma entidade meio secreta, tipo Opus Dei, que reúne gente estranha em reuniões noturnas e não divulga suas atividades. Desligo o computador e vou pra janela respirar. E percebo que alguém me observa do prédio ao lado. Hummm, não estou gostando disso…

Semana seguinte. Coisas estranhas estão acontecendo. Pessoas me seguem na rua. O telefone toca e quando atendo, desligam. Talvez seja melhor ficar em casa. Pra garantir, melhor fechar todas as janelas. Melhor também não atender o telefone. Na terça, entrei no elevador e reparei nas duas mulheres que entraram depois de mim: saias abaixo do joelho, blusinha comportada, cabelo preso, um livro grosso e escuro ao peito… Pregadoras do MNBC!!! Saí correndo, apavorado.

Julho de 2006. Estão batendo na porta. Não vou atender, são eles, vieram me pegar, é o meu fim… Mas reconheço a voz: é Jessi, ufa. Abro e vejo uma Jessi ruiva, hummm, até que ficou bonito. Ela, porém, me olha sério. E diz que tem algo importante pra me dizer. E diz: Entrei pro MNBC. Fico olhando pra ela, sem acreditar, não é possível… Ela então sorri, sobe a camiseta e me exibe aqueles peitos impossíveis que ela tem. E completa: Movimento das Ninfômanas Bem Comidas. E me empurra pro sofá, rindo e já desabotoando minha calça.

Vinte minutos depois, suados e abraçados no sofá, Jessi diz que não posso permitir que um bando de careta recalcado destrua minha vida. Mas fazer o quê? E ela responde: Ora, Gatão, o que a gente sabe fazer melhor… sexo e humor. Quando ela fala, tudo é óbvio. Vamos, pega a mochila, tá na hora, e não esquece o notebook. Pergunto o que planeja e ela sobe na cadeira, solene: Vamos ampliar o diâmetro do mundoooo!

Cinco dias depois. Pelo retrovisor, o Centelha Vermelha vai ficando pra trás. À frente, a estrada nos convida a novas aventuras. Ninfa Jessi estava certa, eu não podia continuar aceitando aquela situação. Pois bem. Não sou mais aquele cara medroso, agora eu sou… Diametral! E minha missão é horrorizar os caretas com os meus textos. Vocês pediram, caretas imbecis! Enquanto dirijo, Jessi revisa minha nova crônica e se irrita com a forma poética com que descrevi nossa última trepada, e diz que meus leitores querem ver mais sacanagem. Meus leitores e você, corrijo. Ela solta sua gargalhada e depois faz biquinho: Então publica aquela fotinha que eu tirei no motel, vai… Oquei, pequena. O que ela não me pede sorrindo que eu não faço gemendo?

Duas horas depois. Paro o jipe na estrada pra abastecer. Desço e olho o céu, o horizonte está escuro, ameaçador. Sopra um vento gelado, papéis voam… Dias difíceis virão, digo pra mim mesmo. Entramos na lanchonete e pedimos duas cervas. Num canto, uns caras feios tocam Não Me Peça Pra Te Amar, sempre bom ouvir um blues. Jessi me mostra a notícia no jornal: MNBC procura cronista fugitivo. Sorrio discreto por trás do óculos escuro. Hummm, perigo: a garçonete está olhando demais para nós…

Ei, você é o Diametral!, ela exclama, alegre. Psiu, não espalha…, respondo aliviado. Eu também não gosto do MNBC, ela diz baixinho, toda cúmplice. Entrego-lhe um cartão, acessa minha coluna, boneca, e deixa tua mensagem de apoio pra nossa luta. A garçonete guarda o papel no bolso e faz sinal de positivo. Ela é a Ninfa Jessi?, pergunta, surpresa. E Jessi, que adora uma garçonete, responde, inclinando-se e expondo seu decote irresistível: Em carne, osso e hormônios. A garota parece hipnotizada.

Pago as cervejas e deixo uma boa gorjeta. Jessi pergunta se a garota quer um autógrafo. Ela gagueja que si-si-sim. Tem preferência de lugar? E a garota nã-nã-não sabe o que dizer. Ninfa Jessi então a puxa pela cintura e… tasca-lhe um beijo na boca daqueles que não acaba nunca. Depois larga a garota que fica lá, extasiada, imprestável pra vida. Ai, ai, Jessi não presta.

Na mesa ao lado, uma senhora está simplesmente hor-ro-ri-za-da. Vejo que ela veste saia abaixo do joelho, cabelo preso, segura uma bíblia… Pronto, logo o MNBC saberá que estivemos aqui. Levanto e caminho pra saída: Vamos, pequena, tem muita estrada pela frente. E Jessi me segue, retocando o batom: E muito diâmetro pra ampliar!

Pedido atendido, pequena

Pedido atendido, pequena

Pago as cervejas e deixo uma boa gorjeta. Jessi pergunta se a garota quer um autógrafo. Ela gagueja que si-si-sim. Tem preferência de lugar? E a garota nã-nã-não sabe o que dizer. Ninfa Jessi então a puxa pela cintura e… tasca-lhe um beijo na boca daqueles que não acaba nunca. Depois larga a garota que fica lá, extasiada, imprestável pra vida. Ai, ai, Jessi não presta.

Na mesa ao lado, uma senhora está simplesmente hor-ro-ri-za-da. Vejo que ela veste saia abaixo do joelho, cabelo preso, segura uma bíblia… Pronto, logo o MNBC saberá que estivemos aqui. Levanto e caminho pra saída: Vamos, pequena, tem muita estrada pela frente. E Jessi me segue, retocando o batom: E muito diâmetro pra ampliar!

 

 

.

Ricardo Kelmer 2006 – blogdokelmer.com

.

.
Ampliando o Diâmetro – A crônica que originou esta série

Ouça Não Me Peça pra Te Amar (De Blues em Quando)

.

.

SÉRIES ERÓTICAS DESTE BLOG

As aventuras de Diametral e Ninfa Jessi – Um casal apaixonado vive seu amor libertino com bom humor e muita safadeza

As taras de Lara – Desde pequena que Lara só pensa naquilo. E ai do homem que não a satisfaz

Um ano na seca – O que pode acontecer a um homem após doze meses sem sexo?

O último homem do mundo – O sonho de Agenor é que todas as mulheres do mundo o desejem. Para isso ele está disposto a fazer um pacto com o diabo. Mas há um velho ditado que diz: cuidado com o que deseja pois você pode conseguir

.

LEIA NESTE BLOG

Cio das letras – Ensaio erótico – Tá no ar a primeira parte do Cio das Letras, um ensaio erótico que fiz sobre amor, paixão e desejo. Utilizei poemas meus e letras de músicas que fiz com parceiros, além de montagens com imagens de mulheres muuuito especiais

Por trás do sexo anal – Há algo de divinamente demoníaco no sexo anal que, literalmente, a-lu-ci-na algumas mulheres

.

DICA DE LIVRO

IFTCapa-04aIndecências para o fim de tarde
Ricardo Kelmer – contos eróticos

Uma advogada que adora fazer sexo por dinheiro… Um ser misterioso e sensual que invade o sono das mulheres… Os fetiches de um casal e sua devotada e canina escrava sexual… Uma sacerdotisa pagã e seu cavaleiro num ritual de fertilidade na floresta… A adolescente que consegue um encontro especial com seu ídolo maior, o próprio pai… Seja provocando risos e reflexões, chocando nossa moralidade ou instigando nossas fantasias, inclusive as que nem sabíamos possuir, as indecências destes 23 contos querem isso mesmo: lambuzar, agredir, provocar e surpreender a sua imaginação.

A entrega – Memórias eróticas (Toni Bentley, editora Objetiva) – A bailarina filosofa sobre sua profunda experiência de amor e salvação por meio da submissão no sexo anal

.

.

Seja Leitor Vip e ganhe:

Acesso aos Arquivos Secretos
Descontos, promoções e sorteios exclusivos
Basta enviar e-mail pra rkelmer@gmail.com com seu nome e cidade e dizendo como conheceu o Blog do Kelmer (saiba mais)

.

.

 Comentarios01COMENTÁRIOS
.



Submundo Orkut – Ampliando o diâmetro

10/03/2009

10mar2009

Olha, sabe como é, eu ando a fim de ampliar o diâmetro do meu círculo…

AmpliandoODiametro-01b

AMPLIANDO O DIÂMETRO

.
Sinceramente, o Orkut tem umas coisas… Talvez seja porque o pessoal do Google é gringo e não saca muito bem as sutilezas da cultura brasileira. Por exemplo, olha que primor esta frase que consta logo na página de abertura: “Participe do Orkut para ampliar o diâmetro do seu círculo social.”

Ampliar o diâmetro do meu círculo? Ops, comassim? Que frase esquisita. Ok, ok, entendo o que senhor quis dizer, seo Orkut, mas isso não é coisa que se diga assim, na cara do freguês. Lá na sua terra até pode ser, mas aqui no Brasil o senhor jamais, em tempo algum, vai ver alguém falando: Olha, sabe como é, eu ando a fim de ampliar o diâmetro do meu círculo… Essa frase é tão sem noção que nenhuma situação combina com ela. Mas vamos lhe dar uma chance, seo Orkut, tentemos imaginar algumas situações. Pro senhor não dizer que eu tô com má vontade. Primeiro um situação formal.

Reunião mensal dos acionistas da empresa. Acaba de ser lido o relatório e o presidente pergunta se alguém tem sugestões sobre como deter a queda nas vendas. Alguém pede a palavra e diz: Senhores membros do conselho, precisamos de ações que ampliem o diâmetro do círculo social da empresa. Um dos presentes, que estava um pouco desatento, pergunta: Ampliar o quê? O colega ao lado repete: O diâmetro. Silêncio. Todos se olham. Um membro não aguenta e cai na gargalhada. Os demais acompanham. Não tem mais clima pra reunião.

Tá vendo, seo Orkut? Não dá certo. Mas vamos tentar de novo. Uma situação menos formal.

Farmácia. Amigas se encontram, se cumprimentam, perguntam sobre a saúde, os filhos e coisital. Uma delas diz: O Asclépios acha que eu ando pouco social, que eu devia ampliar o diâmetro do meu círculo. A outra pensa um pouco e diz: Olha, eu já vi muito pretexto pra isso, mas dizer que deixa a mulher mais social é novidade… Ela pega um tubo de lubrificante íntimo: De qualquer modo, leva esse aqui, é ótimo.

Talvez numa situação bem informal…

Botequim do Mané Bofão. Amigos bebem e comemoram a vitória do time. Mane Bofão, só de bermuda, suado, aquele barrigão enorme de cerveja, chega trazendo o tiragosto de sarrabulho. Um dos amigos diz: Adorei o boteco, seo Bofão, virei mais vezes pra ampliar o meu diâmetro. Mané Bofão, palito de dente na boca, sapeca-lhe um tabefe no pé da orelha e diz: Tu vai ampliar o diâmetro na puta que te pariu, ô pederasta, isso aqui é lugar de respeito, viu?

Tá vendo, seo Orkut? Não dá certo. Eu, particularmente, até sou chegado numa ampliação do diâmetro dos outros, mais especificamente das outras, mas… Ih, quem que perguntou isso mesmo? Ninguém. Esquece.

Estamos no Brasil, seo Orkut. Se o senhor quiser ganhar dinheiro por aqui, tem que entender bem três coisas fundamentais no espírito tupiniquim: futebol, carnaval e bunda. Futebol é tão importante que a gente usa o futebol e seus termos pra explicar a vida. É assim que a gente joga pra escanteio o que não presta, bota a gorduchinha pra dentro do barbante e depois corre pra galera. Entendeu? Tudo bem, depois explico. E quanto ao carnaval, pro senhor ter uma ideia, o ano oficial brasileiro só começa após o reinado de Momo. Antes, nem adianta o senhor querer fazer coisa importante porque ninguém vai prestar atenção. E bunda é aquela coisa: quem não tem é doido pra ter, e quem tem tá doido pra dar.

O que eu quero dizer, seo Orkut, é que ampliar o tal do diâmetro é muito bom, relaxa o cidadão ou a cidadã após um estafante dia de trabalho e coisital. Mas lá na página de abertura do portal essa ideia poderia ser expressa de outro modo, pois do jeito que tá, brasileiro pensa logo em sacanagem. Então bolei uma nova frase pro senhor. É digrátis, viu? “Participe do Orkut e engrosse o seu raio de penetração social”. Quital? Se o senhor gostar, pode usar as duas frases, elas combinam que nem queijo com goiabada. Primeiro o cidadão engrossa o raio, certo? Depois ele vai lá e, crau, amplia o diâmetro. De quem? Ah, aí vareia, né. Afinal gosto é como Orkut: cada um tem o seu.

.
Ricardo Kelmer 2005 – blogdokelmer.com

.

.

diametralninfajessi05bEsta inocente crônica atraiu a ira do MNBC (Movimento Nacional pelos Bons Costumes), que exigiu a minha saída do quadro de colunistas do jornal O Povo. O episódio originou o conto Diâmetros exaltados, que se tornaria o primeiro capítulo da série As Aventuras de Diametral e Ninfa Jessi, a história do divertido casal apaixonado que vive seu amor libertino com bom humor e muita safadeza, luta pela ampliação do diâmetro do mundo e é perseguido pelos caretas chatos do MNBC.

.

.

Ampliando o Diâmetro
Ricardo Kelmer no Sarau da Maria, 01.08.15
.

.

.

SÉRIES ERÓTICAS DESTE BLOG

As aventuras de Diametral e Ninfa Jessi – Um casal apaixonado vive seu amor libertino com bom humor e muita safadeza

As taras de Lara – Desde pequena que Lara só pensa naquilo. E ai do homem que não a satisfaz

Um ano na seca – O que pode acontecer a um homem após doze meses sem sexo?

O último homem do mundo – O sonho de Agenor é que todas as mulheres do mundo o desejem. Para isso ele está disposto a fazer um pacto com o diabo. Mas há um velho ditado que diz: cuidado com o que deseja pois você pode conseguir…
.

LEIA NESTE BLOG

Por trás do sexo anal – Há algo de divinamente demoníaco no sexo anal que, literalmente, a-lu-ci-na algumas mulheres
.

DICA DE LIVRO

Indecências para o fim de tarde (Ricardo Kelmer, contos eróticos) – As indecências destes 23 contos querem isso mesmo: lambuzar, agredir, provocar e surpreender a sua imaginação.

A entrega – Memórias eróticas (Toni Bentley, editora Objetiva) – A bailarina filosofa sobre sua profunda experiência de amor e salvação pela submissão no sexo anal

.

.

Seja Leitor Vip e ganhe:

Acesso aos Arquivos Secretos
Descontos, promoções e sorteios exclusivos
Basta enviar e-mail pra rkelmer@gmail.com com seu nome e cidade e dizendo como conheceu o Blog do Kelmer (saiba mais)

.

.

 COMENTÁRIOS
.

Acabo de saber que um tal MNBC (Movimento Nacional pelos Bons Costumes), que eu nem sabia que existia, poderá me processar. Tudo porque os nobres senhores e distintas senhoras desse movimento encrencaram com a minha crônica “Ampliando o diâmetro”, cujo tema é o Orkut, e que foi publicado em minha coluna do jornal O Povo. A alegação seria que o texto incentiva a prática promíscua e doentia de sexo entre os jovens ou algo que o valha. Tô passado. Nunca em minha vida escrevi algo tão inocente, bobo e despretensioso. Esse pessoal, em vez de ficar enchendo o saco, deveria é ampliar o diâmetro de seu senso de humor, isso sim. Quem diria… Virei corruptor da juventude. É a glória! RK, jun2006

01- Sou leitor do NoOlhar, me chamo Leví Nepomuceno e tenho 25 anos, Gostaria de te dizer que seus textos em geral são somente “ruinzinhos”, porém hoje acho que chegamos a um nível extremamente baixo para o O POVO. Ele não é nem engraçado, nem legal, nem divertido, nem sério, nem mesmo “non-sense”, creio que seu texto simplesmente “não é”. O povo que lê este texto deve simplesmente se perguntar, “esse cara não tinha mais nada pra escrever e ficou escrevendo essas besteiras ?” Rezo que este e-mail colabore, para que nunca mais esteja escrito um texto como esse que está no jornal O POVO (NoOlhar) de hoje. Grato pela atenção. PS. Adoraria que a Dra. Adísia Sá lesse o referido texto, para ver se ela concorda ou diverge de minha opinião. Levi Nepomuceno, Fortaleza-CE – jun2006

02- hehehehe! Carai! Ô putaria! Pô, bixo, impagável o artigo sobre a frase de boas-vindas do orkut. Quase que morro de rir. E olha que li a coisa já por volta de 06h15, virado, trabalhando os temas da p… da tese. É… só acho que esse troço de aumentar o raio e expandir o diâmetro do círculo deixaria em polvorosa as populaçoes -vai sem o til por causa da p… do teclado espanhol- de Ponta Grossa e de Curralinho. Ei, falow! Abraço e obrigado pelas gargalhadas. Sandro Novais, Santiago de Compostela-Espanha – jun2006

03- Meu… o kara, vc é malukoooo e mais ESCRAXADO (deve ser assim que se escreve) que eu e um tanto POLÊMICO (kkk, esse eu sei que é assim que se escreve)….. Aff……. Bj e bom domingão!!! Rose Gasparetto, São Paulo-SP – jun2006

04- Eu particularmente adorei!!! O texto não demonstra qualquer tipo de ofensas aos bons costumes e nem faz nenhuma afronta, o direito da liberdade de expressão é assegurada pela Constituição Federal base de Estado Democrático de Direito, e sempre deve ser respeitada, A CF de 1967, revogada em 5.10.1988, pela atual CF, determinava, no Art. 8º, VIII, d, que a União era competente para prover a censura de diversões públicas, dispositivo complementado pelo Art. 153 (direitos e garantias individuais), § 8º, assim: “É livre a manifestação de pensamento, de convicção política ou filosófica. Entretanto, a atual Carta Magna repeliu tal orientação, estabelecendo no art. 5º, IX (em direitos e deveres individuais e coletivos). – “é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença”; Vivemos em um país de paz e a ditadura já acabou graças a Deus. Nosso povo precisa de alegria, o texto ao meu ver não passa de um momento de descontração para um povo tão carente de diversão. Em momento algum ofende os bons costumes e quem está contra não entendeu o espírito do texto. Se eles acham que o texto e ofensivos a quem quer que seja, basta fazer uma campanha, coloquem pessoas nas ruas distribuindo panfletos contra o texto. Isto sim é democracia. Não tentar proibir um texto ou livro ou qualquer outro tipo de manifestação contra a cultura. Depois somos chamados de “país sem cultura”. Todos têm direitos a se expressar. E ninguém está sendo obrigado a ler. Existe tanta coisa que atinge a moral e o bom costume, a meu ver, a fome, crianças sendo exploradas sexualmente, mulheres sendo vendidas como mercadorias… Cadê o povo dos bons costumes? Fica aqui minha indignação contra a falta de atividade e democracia dos “falsos moralista”. Márcia Morozoff, Brasília-DF – jun2006

05- Boa, RK, e se precisar de advogado, conte comigo! Abraço. Felipe Barroso, Fortaleza-CE – jun2006

06- Cara que imbecis! Não consigo pensar em nada mais inteligente para falar. Estou boquiaberto!!! Se puder contar com a minha ajuda? Andre De Rose, Rio de Janeiro-RJ – jun2006

07- Grande Ricardo…(ops!) eu achei simplesmente um petardo de bom humor a Crônica AMPLIANDO O DIÃMETRO. Concordo em gênero, númeor e grau contigo: é um texto bem despretensioso, inocente até! Eu creio que este ‘Movimento Nacional de Biscas e Comadres’ deveriam olhar outras coisas que são bem mais aviltantes e contra a ordem MORAL no país, tais como delegados e deputados que participam de orgias com menores etc… aquele velho discurso político de sempre. -“É a volta das Senhoras de Santana!” rsrsrs… E antes de que tais pessoas se queixem de um material que tem certo percurso para ser encontrado (os diversos links na net e, se impresso, o preço, mesmo que baixo, do jornal), deveriam penalizar as novelas (outro velho discurso…) que apresentam as ditas “cenas de amor” em horáios improprios. Eu até falaria mal das novelinhas adolescentes vespertinas, devido ao seu conteúdo e influência: os galãs mais requisitados e discutidos, geralmente, são os vilões das historinhas! É ou não é uma verdadeira ‘cartilha de desobediência moral’?.. Onde estão as ‘senhoras de snatana’; digo; a ‘Liga Extraordinária pelos Bons Costumes’ nessa hora?.. Vendo a novelinha… ps! Fique tranquilo; até as carolas ortodoxas estão deixando de ser tão ‘conservadoristas’ ! Abraço e ‘fuerza, compadre!’ Alberto de Avyz, Rio de Janeiro-RJ – jun2006

08- AHAHAHAH, desculpa, mas não dá pra não rir! Começando pelo Movimento Nacional pelos Bons Costumes! Bons costumes de quem? e quem define o que é bom costume? porque “ampliar o círculo” seria um mau costume? Gentinha bronca e desocupada… e que tal a liberdade de expressão? e a tolerância e bom humor, não seriam bons costumes para começar a pôr em prática? sempre achei que as coisas que mais nos irritam são aquelas que são nossas, que não gostamos e vemos reflectidas nos outros. É tão fácil apontar o dedo… ups, eu escrevi “apontar o dedo”, será que vão processar-me também? Caramba, só gente muito prevertida, muito doente mental, poderia alegar o que essa associação alega… “prática promíscua e doentia de sexo entre os jovens”? Isso é discriminação, estão vedando o sexo aos mais velhos! O quê? mais velhos não podem também? Processem o Orkut, oras! Afinal não é o Orkut que incentiva ao alargamento do diâmetro…? Que mais eles vão fazer, promover o teste da farinha? AHAHAHAHAHA! Escuta, eles são brasileiros mesmo??? (sei lá, nem mesmo portugueses fazem coisas tão idiotas assim). Só dá pra rir e ter pena, muita pena. Quem sabe, o riso descontrai, relaxa. Suco de laranja ou de limão logo pela manhã, em jejum, diz que também é bom pra isso. Se não resultar de manhã, que tomem à noite, é garantido. Esse pessoal tem o cu demasiado apertado: a merda não sai e sobe à cabeça, é o que é. Depois andam por aí cagando moralidades e sei lá mais o quê. Deve ser a isso que chamam “movimento”. O movimento intestinal ascendente. Olha que nome bonito! Tou contigo, Rica. Que venga el toro. Olé! BESOS. Susana Mota, Leiria-Portugal – jun2006

09- Hey! Ricardo Hoje por acaso tive um tempinho de tentar lêr…(risos) meus e-mails porque são muitooo… +- 5.000 visitas dias na submirarina http://www.docesvingancas.com , + meus site pessoal que preciso tá atualizando meus blogs,etc… eu particularmente achei sei texto bacana,mas sou muito ignorante no assunto em questão ‘orkut ‘na verdade nunca nem entrei em nenhum,na verdade nem sei como se faz isso?????(*):*& + rs… aliás eu tenho uma webcam + tb n~ sei me adicionar nem no MSN que minha filinha de 8 anos manda muito bem…+ rs… na real acho isso tudo uma grande besteira. Não ligue! risos… o que é isso MNBC??? Infelizmente preciso concordar + uma vez com o sábio Millôr “A humanidade é composta de 90% de idiotas”. Kiki Susário, Atriz,escritora,cantora,dramaturga,empresária, e observadora… Kiki Sudário, Barueri-SP – jun2006

10- Que loucura !!! Será que este MNBC é uma filial do TFP (Tradição, Família e Propriedade)? Que perigo !!! É cada uma que apareçe, hem ? Abs. Vicente Barcellos, Rio de Janeiro-RJ – jun2006

11- Pô Ricardo, seu texto é tão inocente… Realmente alargar diâmetro é esquisto, os caras ficam dando margem pra cabeça de brasileiro pensar besteira, a gente pensa ! Olha só com tanto tarado mandando sacanagem para os nossos orkuts é até brincadeira achar que a gente alarga o diâmetro das amizades, rá,rá,rá! Guinha Lima, Rio de Janeiro-RJ – jun2006

12- Ai vai…arriégua! O Macaco Simão é toscácido e ninguem fala… Vai ver que é pq é um assunto profundo demais ou então vc os machucou por dentro.. Ou porque brasileiro gosta msm é da sacanagem encubada, enquanto tá implícito ta tudo certo.. Pq tu tinha que meter o dedo onde não foi chamado? Essa mania que escritor tem de botar as coisa pra fora, acaba não agradando todo mundo e coloca alguns numa posição incômoda… Mas, como vivemos num país democrático vc poderia fazer uma enquete, pra avaliar quem gosta de levar a sério e quem leva com bom humor o que tu escreve. Ihh.. Não, não. Essa história de levar ia dar o que falar também… Besitos. Jéssica Rabbit, Fortaleza-CE – jun2006

13- Amigo, dê uma olhada no assunto “liberdade de expressão”. É uma garantia constitucional importante. Por outro lado rs… vc ñ seria o primeiro a ser condenado por “corromper a juventude”… “acho” que algum filósofo já foi condenado também. Eric Sabóia, Fortaleza-CE – jun2006

14- O brasileiro pisca o olho e lá vem os tentáculos da censura querendo ampliar o diâmetro de sua área de atuação, em nome da moral e dos bons costumes. Vícios de um país que viveu uma ditadura recente, talvez…Coisa de gente que não tem o que fazer, muito provavelmente ! Bom costume é respeitar o outro, bom costume é respeitar a liberdade de expressão. Será que o tal MNBC vai processar o Google também ? Eu participo da comunidade Odeio Gente com Cara de Cú. Imagine !!!! Um jovem desavisado pode entrar numa comunidade dessas e achar que tem cara de cú. Vai se sentir odiado por muitos e daí a resolver ampliar seu diâmetro pra se sentir mais amado, custa pouco… Lá vamos você, eu, o Google, os participantes da comunidade e o jovem de diâmetro ampliado nos encontrar nos corredores da justiça. Francamente !!!! Dá vontade de mandar esse povo dar meia hora de ampliada de diâmetro na feira, não dá não ? Beijão, Ricardo . Mantenha-nos informados, ta ? Thaís Lowen, Rio de Janeiro-RJ – jun2006

15- Que comedia Ricardo… felicidades. Abilio Ribeiro, Fortaleza-CE – jun2006

16- Achei o conteúdo muito apropriado por ser eu também, um membro do Orktut, muito embora apenas para reencontrar meus antigos colegas de colégio. Mas o que me chamou mesmo a atenção foi o fato de o Senhor fazer alusão a certas expressões utilizadas no Orkut em Português, claramente um erro na tradução do Inglês para a nosso idioma Lusitano, ao mesmo tempo em que o Senhor utiliza-se verdadeiras “pérolas” ortográficas, tais como “coizital”, “quital”, “vareia” e por aí vai… Acho que esse tipo de escrita, embora proposital (espero!), na verdade presta um desserviço à nossa já tão “desaculturada” juventude, público este que, creio eu, seja o seu alvo. Tudo bem que se utilize regionalismos para comunicar uma idéia, mas pelo menos que estes sejam escritos de maneira correta, de modo a não causar confusão na cabeça dos nossos jovens. São textos assim que incentivam a saraivada de barbaridades de que se vê hoje em dia nas provas de redação do vestibular. Verdadeiros absurdos, os quais, inclusive, circulam livremente pela Internet. No mais, parabéns pelo estilo, pelo conteúdo e pelo bom senso de humor. Atenciosamente, Carlson Cabral, Waterloo-Canadá – jun2006

17- Decidi! Também vou entrar pro MNBC: Movimento Ninfômano das Bem Comidas… Jéssica Rabitt, Fortaleza-CE – jun2006

18- Nao gostei,nao. Voce diz que o texto e “inocente, bobo e despretensioso” . Concordo que eh bobo. Inocente nao eh. E sarcastico e ironico, e condescendemente agressivo com os criadores do orkut. Ele tambem nao eh nem um pouco despretensioso. Tem uma pretensao quase infatil (talvez nisso seja “inocente”) de ser engracado…e nao eh. Por que nao eh engracado? Primeiro, porque nao ha nada errado com a sentenca discutida. “Ampliar seu circulo de amigos” eh bastante claro e relevante para a ideia do Orkut (com a palavra “circumferencia” ou sem). Segundo, porque na situacao do escritorio, o diametro de qulaquer coisa nao seria algo que tiraria a atencao de uma reuniao seria…eh “bobo”! Terceiro, porque na farmacia, a coisa fica simplismente vulgar. E vulgar nao eh engracado. Ja, no bar, a coisa descamba mesmo e vira lixo quando a sua “circumferencia” vai pro lado do homossexualismo…e voce continua falando “com” os criadores americanos do Orkut como se tivessem 7 anos, o que revela preconceitos (homossexualismo e anti-US) nada contidos! Argh!!!! Bem, quanto voce ser um “corruptor de menores”, ja isso seria demais. Muito drama pro meu gosto. Nao penso assim. Voce escreveu uma infeliz cronica, e dai? (e essa eh a MINHA opiniao. Tenho certeza de que tem gente que vai curtir). Acho que esse povo da, como eh mesmo, rs…MNBC? Acho que eles deveriam achar algo mais util para fazer… Tamara Santana, Rio de Janeiro-RJ – jun2006

19- Epa rapaz! Que história é essa de amigas ampliando o diâmetro??? Vamos ampliar nada! 😉 Beijos. Cínthia Azevedo, Fortaleza-CE – jun2006

20- promiscuidade é impedir o livre decurso das idéias, ainda mais quando elas vêm vestidas com o artifício da menipéia, do bom humor. Lembrando Voltaire: “posso não concordar com nada do que você acredita, mas morrerei pelo direito que tens em o professar”. Querer processar alguém por conta de um texto humorístico e paródico mostra o quanto ainda existe miséria intelectual em alguns setores organizados (no caso, essa Sociedade dos Bons Costumes – cujo nome me dá arrepios; tem um quê de Inquisição e Malleus Maleficarum). André de Sena, Campina Grande-PB – jun2006

21- Sinceramente… achei hilário! Que sacada, essa tua, de escrever sobre a frase da página inicial do orkut. Tô bolando de rir até agora. Vou enviar pros meus amigos… tenho certeza q eles vão gostar. Êta, criatividade! Só não entendi em q sentido o artigo desrespeita a “moral” ou os “bons” costumes da juventude. Na sociedade em que vivemos, parece até que os valores já deixaram de existir há muito tempo. Sabe, acho q esse pessoal do Mov. Nac. dos Bons Costumes devia se preocupar com a educação dos filhos deles através do diálogo, construindo valores ao invés de querer banir tudo o que consideram “errado”. Certamente, estão se preocupando com algo que os incomoda, o q denota q seu texto está circulando, chamando a atenção das pessoas… parabéns! Nunca vi uma mosca morta incomodar ninguém; se incomoda é pq está presente, fazendo barulho. Se alegam q “corrompe a juventude”, é sinal q os jovens estão lendo. Boa sorte pra vc! Um abraço bem forte! Xêro! Thaisy Albuquerque, Campina Grande-PB – jun2006

22- Rica, Li o texto, e escrachado, morto de sarcastico, cheio de duplicidades, tipico humor cearense, na malicia. Aquela conversa de botequim, bom pra rir. Os Bons Costumes estao so achando uma causa porque eles nao tinham nada mais importante para esse mes ou para o proximo, ou pro resto do ano. Talvez seja o fim do “movimento”, se eles nao processarem alguem. Ei, vai te dar o maior cartaz, capaz de tu sair na Globo, ou finalmente aquela entrevista com o Jo Soares sai. Ei, mande me dizer, que eu ate instalo a Globo aqui em casa pra assistir. Ja pensou: “escritor cearense processado por escrever cronica maliciosa”. Ai o Brasil inteiro vai morrer de rir da tua cronica, porque ampliar o diametro e malicioso mesmo. Ei, vou me calar antes que os Bons Costumes nao me proibam de entrar de volta no pais. Fui corrompida, mas ninguem amplia o meu diametro. Fabiana Vasconcelos, Boston-EUA – jun2006

23- kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk Muito bem bolado kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk Mas eu acho que a afirmação é coerente sim, acho q o que as pessoas precisam mesmo, é aumentar o diâmetro do círculo, só assim ficam mais de bem com a vida e deixam que os escritores espirituosos e criativos, façam o que bem quiserem com diâmetro do seu círculo… kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk. Gizelle Saraiva, Natal-RN – jun2006

24- Fala sério!!! Chamo isto de falha de interpretação…enfim nada podemos fazer, pois cada um exerga conforme sua míopia…. Será que posso de chamar de Sócrates dos tempos modernos…rs.. Abraços. Sandra Bogarim, Campinas-SP – jun2006

25- Óooooooooooooooooooooooooootima a crônica do orkut, Ricardo… Só quem não gosta é quem tem os diâmetros fechados! Sérgio Beltrão-Lima, Fortaleza-CE – jun2006

26- Li o texto e creio sinceramente que esse movimento sejá lá do quê, não entende abolutamente nada de humor e pior do que isso, não lê o texto dentro de um contexto. Apenas esquartejaram um fragmento dele e crê que a partir daí, pode fazer a leitura de um todo por uma parte. O problema é a falta do hábito de leitura! Ou quem sabe, o problema está relacionado mesmo ao diâmetro de cada um. E por falar nisso, nunva vi um tema tão cheio de tabu quanto esse do diâmetro. Todo mundo acaba se preocupando com o diâmetro alheio, mas muitas vezes ou quase sempre,entre quatro paredes o diâmetro alheio faz o maior sucesso e é tão cobiçado, mesmo por aqueles defensores da moral e dos bons costumes. Bom Ricardo, creio sinceramente que você não deva se importar muito com esse barulho todo, porque pode ter certeza que ninguém precisa incentivar prosmiscuidade para que ela aconteça. Normalmente faz parte da humanidade, basta uma oportunidade. E quanto ao diâmetro, cada um cuide do seu! Porque se o Divino quisesse que o meu ou o teu fossem coletivos, ele daria um só para um grupo de pessoas. Imagina a confusão! Ainda bem que o meu é meu! p.s: Irei usá-lo em sala para mostrar justamente o problema de ler uma parte pelo todo. Abraços Grandes. Daniele Bezerra, Fortaleza-CE – jun2006

27- Ah é?? Então por que estes senhores não encanam com estas propagandas de bebidas alcoólicas, que possuem mulheres gostosas apresentando o produto que, além de incentivarem o uso de álcool, incentivam inclusive ao sexo?? Assim como propagandas de carros, onde há pessoas maravilhosas e ainda mulheres lindas, incentivando o consumismo, sexo, inclusive acidentes automobilísticos. Ninguém enxerga isso. Tem outro lance: liberdade de expressão. Por que vc não pode publicar o que vc pensa ou o que vc sente para o público em geral? Tem tanta gente que fala merda por aí… Se o Caceta e Planeta, por exemplo, que zoa políticos não são sensurados… É aquele esquema: o que dá dinheiro deve ser preservado, ainda que esteja cometendo a maior atrocidade do mundo. Agora, quem somente coloca suas opiniões, apenas as expôe sem fins lucrativos a qualquer empresário bem sucedido, deve ser motivo de censura e até chacota. Ah, me poupem, vá… Não estou defendendo ou atacando ninguém. Só gostaria que houvesse mais sensatez e senso de justiça. E que nego não pensasse tanto em grana, pois essa merda só fode com a vida do ser humano. Só que ninguém percebe. Giovana Milozo, Jaú-SP – jun2006.

28- NADA demais. Nada mesmo!!! Pura frescurite desse povo. Não dar nem pra acreditar! Marcos André Borges, Fortaleza-CE – jun2006

29- Pô! Estapafúrdio mesmo é se um jornal como O Povo , sempre adiante da mesmice ceareba -falo isso porque sou cabeça-chata e vivi em Fortaleza até os meus 33 anos-, der ouvidos a reclamos mal-humorados, de gente hermeticamente fechada para a capacidade de alguns poucos de sacar as mazelas do cotidiano e delas fazer algo legal. Assim, meu caro, pode contar com meu apoio -tô aqui para para escancarar a boca do seu diâmetro social na luta contra a caretice, no bom sentido, claro. hehehe! Sandro Novais, Santiago de Compostela-Espanha – jun2006

30- Inocente não é, mas corruptor da juventude rsssss… afffff…. primeiro a gente teria que verificar se a juventude anda entendendo bem as sutilezas e interpretações de um texto… do jeito que anda a educação neste país, isso é coisa que duvido muito que muitos façam com maestria. Um abraço pra vc. Ana Cristina Souto, Fortaleza-CE – jun2006

31- parece mesmo que o MNBC conseguiu o que mto provavelmente queria, heim ? circulou o nome deles… No dia que alguém na face da terra ou quiçá em outros pontos dela, precisar de incentivo para a prática de sexo – prosmícua e doentia fica por conta do fregues, podemos crer que o mundo está de fato perdido. KKKK Sobre o texto: para mim ele não é inocente, não é bobo e tampouco despretensioso. Cheio de malícias, provoca boas gargalhadas; esperto, sugere duplo sentido por isso mesmo , excitante e… ainda posso inferir, traz a pretensão de pensarmos o tanto que nos passam despercebidas as várias influencias gringolescas a que estamos sujeitos. Quer saber Ricardo? mal humor é doença provocada pela falta de prazer… se eles estão doentes… sola. Obrigada por seus escritos. Um beijo. Suely Andrade, Brasília-DF – jun2006

32- Grande Kelmer! Tenho recebido sempre suas colunas por e-mail e, no mais doce linguajar, estão simplesmente do caralho! Aproveitei e dei uma lida também nas colunas do jornal “O Povo” e achei por ali várias preciosidades. Marcelo Gavini, São Paulo-SP – jun2006

33- oi, kelmer voce é tudo de bom, criativo, inteligente, escreve super bem e tal e coisa. Adorei. tudo de bom pra voce. um super abraço. Glaucia Costa, Fortaleza-CE – jun2006

34- Boa, Kelmer! Uma bufada risonha a cada parágrafo… Boa sorte ao ampliar o seu diâmetro, ainda bem que o orkut é uma comunidade que conecta pessoas através de uma rede de amigos confiáveis, assim a ampliação do “negócio aí” fica na medida, como o ministério da saúde propaga! ô, putaria! Abração! Jefferson Peixoto, Fortaleza-CE – jun2006

35- MAIS UMA VEZ ME RENDO A SUA RETÓRICA! PALMAS , MUITAS PALMAS… MARAVILHOSO ESSE TEXTO!rsrsrs MANDE SEMPRE, É SEMPRE UM GRANDE PRAZER LER TEXTOS TÃO INTELIGENTES! BEIJOS. Wânia Alvarez, São Paulo-SP – jun2006

36- Explícita è explícita, não dá pra negar que o assunto foi “bunda” do começo ao fim. Acho que a inocência do texto é vista dependendo do grau de importância que se dá ao argumento. Claro que quem faz parte de um movimento como esse só pode pensar muito diferente de você, de mim e da maioria das pessoas que conhecemos, mas tem muita gente convicta que isso è imoral, que não se deve escrever pois “DETURPA PERSONALIDADE DOS JOVENS” e que perde o próprio tempo em escrever pro jornal e em tentar processar você por ter escrito um texto superatual. È uma crônica leve, com uma mensagem legal (pra mim a moral è que brasileiro dá muita importância a futebol, carnaval e bunda) e verdadeira. Não queria baixar o nível mas diante de uma frescura dessas acho que uma resposta assim seria uma boa mensagem pra eles cuidarem do cu deles que a gente cuida dos nossos!!! Beijos da Isa. Isabella Furtado, Modena-Itália – jun2006

37- Ola amigo!!! Gente famosa é outra coisa…. incomodando o pessoal do MNBC hein?? Li a crônica e achei muuuuuito boa, esse movimento deve ser formado por senhores do século 19, no mínimo. beijos. Ticiana Vidal, Fortaleza-CE – jun2006

38- Kelmer, para usar a linguagem futebolística tão usual no nosso dia a dia acho que temos que colocar nosso time no ataque. Devemos processar este tal movimento (do qual acho que ninguém nunca ouviu falar) por calunia e difamação. Este tipo de reação imbecil é que abre espaço pra volta da censura. Se não gostou do artigo no começo da leitura, não continue. Se achou o programa ofensivo, mude de canal. Só a autogestão da sociedade pode controlar esta questão. No mais, é bola pra frente. Grande abraço. PS: Realmente este negócio de alargar o diâmetro, não sei não… Mauro Gurgel, Fortaleza-CE – jun2006

39- Isso é quando a ficção teima em ser realidade. Aproveite para colher o burlesco dessa conduta moralista movida pela culpa. Não é só na intenet que se encontra sexo. Há padres pedólifos também. André Rola (Bk), Rio de Janeiro-RJ – jun2006

40- O texto é ótimo, tem humor e muita classe. Ainda bem que incomodou. Não existe escritor que se preze sem uma TFPzinha que o deteste. Portanto, parabéns. Agora vc é odiado por um movimento nacional de pessoas que não peidam de mansinho, não arrotam nem comendo piqui e nem deixam aparecer os cabelos dos suvacos e das orelhas. Que chique! Deixa processar. Um bom processo dá mídia e ajuda a vender livros. Torna vc um processado nacional. No mais a lei de imprensa lhe é favorável e depois dá uma ótima indenização. Precisando dos meus serviços advocatícios pode contar. Até pensei que deveríamos fazer uma contra notificação extrajudicial. Vamos Brigar juntos???? Só de falar já fico animada.KKKKKK bjs. Marcia Sucupira, Fortaleza-CE – jun2006

41- Tem gente que não tem mesmo coisa melhor para fazer que ficar atrapalhando quem faz bem! Conte comigo! Bj e boa semana! Liége Xavier, Fortaleza-CE – jun2006

42- Ri, li o texto, realmente não tem nada a ver” o cú com as calças”rsrsr Mas enfim, talvez tenha incomodado a analogia feita entre a proposta do orkut e sexo feita no texto. kiss. Karine Marques, Fortaleza-CE – jun2006

43- Isso só pode ser mentira da fonte onde você obteve essa informação, ou então pode ser brincadeira de sua parte. Se não for nem uma coisa nem outra, acredito que seja um fenômeno paranormal dentro da liberdade de imprensa, assegurada pela Constituição. Nada como uma paranormalidade desse porte para promover a leitura da boa literatura produzida no Brasil, ampliando o diâmetro de leitores. Valeu, MNBC! Alessandro Lima, São Caetano do Sul-SP – jun2006

44- Sinceramente também fiquei “passé composé” de bolinhas!!!!!!!!! Olha será que esse povo do tal de MNBC não tem mais o que fazer não?? Será que eles ou elas não tem um tanque de roupa prá lavar, um jogo de futebol prá assistir (afinal é Copa)? Será que em nome dos bons costumes eles escreveram também pro Lula?? Escreveram para os políticos envolvidos nesse monte de safazeda que aconteceu/acontece lá no Planalto?? Será?? Será??? Tou que nem o cara da propaganda, mas será?? Esses costumes planaltinos é que tinham de ser questionados, isso sim e não o fato do sujeiro alargar, ou melhor ampliar seu círculo, ou o das outras ou outros (toda a forma de amor vale a pena) seja lá qual círculo seja virtual ou real. Sabe, sinceramente ando muito de saco (virtual) cheio, de gente sem-noção, que não tem o que fazer e se preocupa com besteiras, bobagens, é triste sabia?? Bem tá aí minha opinião, e o que vc deve fazer, sinceramente??? Cavalo da parada de sete de setembro. Saca?? Cagando, andando e sendo aplaudido. Beijos, Teresa P.S. Pode publicar, não quis me extender muito prá não ocupar muito espaço mas dei meu recado. Teresa Gavinho, Rio de Janeiro-RJ – jun2006

45- Ai, Ricardo..rsrsrs…Só você mesmo…Realmente você está certo, tanto que porque você acha que o Brasil é o país que mais tem membros e comunidades no Orkut?? Justamente por causa dessa frase de “abertura….do Orkut”, daí o povo brasileiro que já não gosta de uma sacanagem nem é visto por aí como o país das ‘belas bundas’ se sentiu à vontade para criar perfis e comunidades de apologia ao sexo como se já não bastasse a televisão e a internet por si só!! Porque esse tal de MNBC não faz alguma coisa a respeito disso e proíbe terminantemente qualquer tipo de apologia ao sexo no Orkut ao invés de querer censurar sua crônica?? Fala sério…. Um abraço pra você querido. Wheena Lourinho, Rio de Janeiro-RJ – jun2006

46- Ricardo, querido mano e companheiro de busca, Na atmosfera modornenta e asfixiante deste mundinho de todo dia, você significa o ar puro e benfazejo da liberdade e da criatividade amorosa e gostosa que sacode o torpor e nos convida à vida. Não desanime com estes ruídos dissonantes do farisaísmo provinciano, cujos olhos do coração só vêem porcaria e projetam em você as sujeiras das quais não conseguem libertar-se. Uma pessoa livre e libertadora como você incomoda muito. Conte comigo como testemunha do bem que você faz e do direito que todos têm à beleza e à liberdade que sempre caracterizam todos os seus textos e, tenho certeza, toda a sua vida. Fique firme e tenha certeza de não estar sozinho. Estamos juntos nessa. Um abração do mano Marcelo Barros (monge beneditino, teólogo e autor de 30 livros) Obs: Se precisar de qualquer coisa que eu possa fazer para concretizar esta solidariedade, é só dizer. Marcelo Barros, Goiás Velho-GO – jun2006

47- Acredito que a questão conceitual do problema em foco, talvez passe insignificante aos olhos do tal movimento, pois bem, existem pessoas e pessoas, cada um entende como quer colocar seu diâmetro a mercê do tempo, he, rs, mas apelar, tá ai, uma coisa interessante. Será mesmo que estão preocupados em resolver a questão ou somente encontraram álguem para ter com quem se preocupar? Liberdade de expressão é uma utopia, sinceramente, mas somente corajosos conseguem expor seus verdadeiros sentimentos e cá entre nós, a sua observação acaba por ser uma curiosidade. Será que se você usasse o termo “adentrar no ciclo social” também seria tido como vulgar?! Vamos lá, tá na hora deste pessoal rever seus conceitos. Continue com suas observações… Abraços. Caroline C. B., Cuiabá-MT – jun2006

48- Ricardo, seu texto está ótimo, inteligente, como sempre, e isto incomoda. O povo do MNBC precisa é aumentar o diametro deles! Beijao, Ana Wizauer, Michigan-EUA – jun2006

49- Ricardo, não acredito q esse lance de processo é verdade. surreal…. abs. Patrícia Rabelo, Fortaleza-CE – jun2006

50- Já li você, antes que censurassem… Ridículos esses obscurantistas! Era só uqui faltava a essa altura do século 21… Waldemar Falcão, Rio de Janeiro-RJ – jun2006

51- Oi meu querido,li a crônica,e tô tão passada quanto a ti.Li no dia que saiu,pois costumo ler todos os dias,axo uma grade injustiça que por sinal adorei, o texto. Axo que esse pessoal além de ter que ampliar seu senso de humor,deveriam se ocupar com coisas mais construtivas ao invéz de tentar atrapalhar pessoas que gastam seu precioso tempo a tentar alargar suas mentes imundas,pois só perceberam o que quiseram perceber.Não te preocupes,tu te sais dessa na BOA!!!!Muitos bejinhos de saudades tua amiga de sempre. PS: Te adimiro muito profissionalmente,e gosto imenso de ti como amigo,sinto orgulho de quem és e do que fazes,deveria existir milhões de RICARDO KELMER infelizmente só temos a ti,obrigado porque existes. Silvana Reis, Lisboa-Portugal – jun2006

52- to em amsterdam e adorei o texto concordo plenamente que esses gringos nao sacam nada com nada. E e um absurdo esse negocio de processo esse povo ta doido. Paula Costa, Amsterdan-Holanda – jun2006

53- Bicho, dukaralho seu texto, e bem sacada a coisa da expressao… Acho que você está de parabens. Nao pense em processar esse pessoal, pq eles nao sabem, mas estão te projetando pro estrelato. Em breve, se vc continuar nao sendo um bom moço, donzelo, quem sabe você ja pode ser visto ao lado daquela gostosinha da Luiza Mel no TV Fama, ou fazendo parte daquela rodinha do quadro do Marcio Garcia “Bonitas e perigosas”, onde vc vai ficar rodeado de mulheres lindas te perguntando um monte de coisas que elas mesmas nao compreendem bem. Eugênio Hertz, Campina Grande-PB – jun2006

54- Apesar de se ouvir muita besteira por aí e nem por isso jah ouvi falar dessa porcaria de movimento nao sei das quantas de “bons costumes” que para mim é gente doida para quebrar regras, mas nao podem e assim infernizam a vida dos outros…devo adimitir que só depois de ler sua cronica é que maldei a frase do Orkut. Mesmo assim nao há motivo nenhum para um processo. Que tal processar o jah infelizmente morto ( Bussunda), por dizer um rede nacional e em horário nobre que o seringueiro vive no mato ” tirando leite do pau”, que logicamente a frase é altamente maldosa. Por que eles nao experimentam processar a Globo por isso tb?” Abraço. Beto Ferreira, Fortaleza-CE – jun2006

55- adorei sua crônica “Ampliando o diâmetro”. Só não sei o que os membros dessa tal de MNBC têem na cabeça. Com tanta gente prá processar, pq foram invocar com vc? Pq não processam os políticos e advogados corruptos que atentam contra o pudor da Nação inteira sempre que resolvem abrir a boca? Creio que devem estar equivocados com o sentido dessa frase: atentar ao pudor. Somos agredidos todos os dias e ninguém faz nada, mas foram com vc, que resolveram mexer…rs Adorei a crônica, ok? Beijos. Vanessa de Assis, Uberlândia-MG – jun2006

56- Ah, Kara, falassério…!!! Cê tá de sacanagem com a gente??!!! Será mesmo verdade que o tal Comitê (ou Diretório, Movimento ou o que diabos seja!) tá empombando com você por causa dessa crônica??!!!? Deve ser realmente muita falta do que fazer… Aqui do Recife, pelo meu lado, continuo louvando e celebrando (e invejando, confesso) o seu jeito fluido de escrever, a sua criatividade e sua lucidez. Sem ser ácido ou cáustico você faz excelentes críticas a um bando de coisas que precisam mesmo ser criticadas. Fica firme aí! E não dá bola pros desocupados. Paz e Luz! E que os astros lhe sejam favoráveis! Haroldo Barros, Recife-PE – jun2006

57- mas por quê censurar um texto tão pedagogico? as pessoas tem que se atualizar !alias , mesmo que se tratasse daquele outro diametro…qual é o problema? alias , quem ainda não tentou alarga-lo? mas como vc disse…cada um com o seu. Michele Diamanti, Taranto-Itália – jun2006

58- ainda estou sem saber se rio ou choro diante da hipótese de censura.Por favor, me diga que é brincadeira! Bem , por via das dúvidas, talvez vc devesse escrever um texto para as gentis senhoras que se sentiram tão ofendidas.Algo que falasse sobre a dificuldade que elas estão encontrando em ampliar os diametros dos próprios círculos. Sim, pois como psicóloga , posso dizer que essa dificuldade em aceitar que os outros ampliem seus círculos pode vir de um desejo inconsciente que seus próprios círculos sejam ampliados…Resumindo, se elas ampliassem seus círculos com mais frequencia, com certeza descobririam que a idéia é ótima, e teriam menos tempo para se preocupar com o círculo dos outros. Enfim,enquanto isso não acontece, só podemos seguir com nossas vidas…rs…rs… Adrei seu texto! Abraço. Daniela Bernardes da Silva, SP – jun2006

59- ESSAS PESSOAS NÃO CONHECE O SEU TRABALHO E TAMBÉM NÃO TEM O QUE FAZER. LEMBRE-SE, TODOS QUE SÃO ILUMINADOS PASSAM POR PROVAÇÕES, TALVEZ VOCÊ TERÁ QUE PASSAR POR ESSA. ADORO SEU TRABALHO E O ADMIRO MUITO, MAS UM DIA ESCREVI PRA VOCÊ FALANDO QUE TINHA TIDO PROBLEMAS COM O ORKUT. QUE DEUS TE ABENÇOE! MUITA PAZ! Cacilda Luna, Fortaleza-CE – jun2006

60- Ricardo,meu Kelmer… São 4 da madrugada.Fui dormir às 18:30 e ainda estou q nem zumbi, no horário europeu.Será q li certo? Alguém realmente se ofendeu com esse texto? Ou ainda estou abestada demais pra enteder a “profundidade” do círculo? Só me resta rir,né? Que é o q geralmente faço qd leio vc (por outros motivos, claro). E eles não têm idéia do q vc é capaz!!!!!!!!Se ofenderam com ISSO?????? Que o Todo Poderoso os proteja se VC se irritar com eles!!!!!! Hehehe.Confesso q quero mais é ver esse circo pegar fogo, e ficar aqui, às gargalhadas. Beijos na madrugada. Mônica BurkleWard, Alemanha – jun2006

61- Muito engraçada!!! Sério, não paro de rir…todo mundo aqui em casa deve achar que eu fiquei (ainda mais) maluca! Mari, Porto Alegre-RS – jun2006

62- Diga aí Kelmer? Li o texto. Tem o duplo sentido óbvio, mas com muito bom humor, além, é claro, de reclamar dos termos usados no Orkut, que não tem a ver com a nossa brasilidade. No mais, a sacanagem que tem ali não é maior do que aparece no Casseta e Planeta, todas as terças feiras em ampla rede nacional de televisão. Se é pelo humor, alguns são mal-humorados, outros não acham graça nenhuma, mas não querer que a piada, o chiste, circule, isso é trágico. Abraço. Ronald de Paula, Fortaleza-CE – jun2006

63- Esplêndida! Só podia ser o Ricardo… Mariana Melo, Maceió-AL – jun2006

64- Kelmer! Que brincadeira gostosa o teu texto! Divertido, sem grandes pretensões, mas atingindo em cheio, as mil pretensões! Parabéns! Que o círculo se abra, os raios e diâmetros! Jayme Akstein, Rio de Janeiro-RJ – jun2006

65- Ô, querido, não se preocupe se dizem que você é um corruptor da juventude… Até os meigos Monteiro Lobato e Mark Twain também foram assim rotulados e proibidos. Pra não falar em Sócrates, que teve que beber cicuta. Não se preocupe, você está em ótima companhia. Só não aceite nada que te dêem para beber, ok? Um grande beijo, e por favor, continue escrevendo e ampliando nossos horizontes. Quanto ao diâmetro do cérebro dos respeitáveis senhores e senhoras que te processam, não tente ampliar. A não ser que você já tenha aprendido a fazer milagres… Bandruir, Rio de Janeiro-RJ – jun2006

66- Oi, Ricardo. Fala sério!!! Esses caras não tem mais o que fazer do que se preocupar com o diâmetro social dos outros? O texto é leve, engraçado, bem a tua cara. Bjks. Sandra Ribella, Limeira-SP – jul2006

67- Acbo de ler duas crônicas suas.A tal do Ampliando o diâmetro e outra que vc sai pelo mundo com Jessi. Adorei. Apenas isso,porque vc tem um senso de humor gostoso e que ainda sim nos faz pensar um pouco mais no que está escrito ali. Eu tenho horror a qualquer dimensão da “moral e bons costumes”…são fanáticos e viram assassinos por qualquer motivo.Quero a vida mais leve e mais solta.Quero levar dela o que ela puder me dar e de forma tranquila,com humor e muito amor.Ah…e sexo tb…óbvio! Qto ao orkut…eu sou das primeiras,lá em fevereiro de 2002 ,qdo o Tio Sam ainda era a grande maioria daquele círculo que tem seu diametro aumentado diariamente.E várias teorias da conspiração depois,ainda estou lá,fazendo contatos com amigos,novos,antigos,especiais,comuns,que sinto falta,ou que lembro vagamente…E gosto muito disso. Quisera eu viver em um mundo onde as pessoas não precisassem cuidar das consciências umas das outras e cada uma soubesse exatamente o que fazer de sua vida,das coisas que escreve,das coisas que lê e ,com toda propriedade,do diâmetro de seu círculo… beijos e boa cruzada anti moralismo pelas estradas do mundo… Simone Santos, Rio de Janeiro-RJ – jul2006

68- Caro Ricardo, Não sei se estou ficando velho, ou talvez, mais exigente (puritano never).Entretanto não ví a menor graça nos seus últimos textos.Muita divagação acerca de uma inutilidade (o diametro sei lá de que…), palavras chulas…Situações me pessoais.Meu caro amigo, escreva para todos, seja leve, espotâneo e divertido.Você tem potencial!Nossas crenças e bandeiras interessam mais na mesa de um bar. Acredito em você. Do amigo. Eduardo Macedo, Recife-PE – jul2006

69- Ampliando seu diâmetro….rsrsrsrs.. Eu já li milhões de vezes no orkut na apresntação… e nada e nada e nem ninguém prá nos dizer algo…e lá está: amplie seu diâmetro!!!…seu círculo!!!…eheheheh precisou o Kelmer…nos mostrar essência profunda em como definitivamente podemos ampliar nossos diâmetros… Morri de rir… Inêz Dias, São Paulo-SP – out2006

70- olha só, seus comentarios sobre a apresentação do orkut, teve resultados: “O Orkut é uma comunidade on-line que conecta pessoas através de uma rede de amigos confiáveis. Proporcionamos um ponto de encontro on-line com um ambiente de confraternização, onde é possível fazer novos amigos e conhecer pessoas que têm os mesmos interesses. Participe do orkut para estabelecer seu círculo social e se conectar a ele.” kkkkkk graças a vc não corremos mais o risco de ampliar nosso diâmetro … social gde bj. Angélica Santos, Osasco-SP – abr2007


As vantagens de ter um amante

31/01/2009

31jan2009

O marido cuida da parte financeira, paga as contas dos filhos, da esposa e da casa. O outro cuida de você

AsVantagensDeTerUmAmante-01

AS VANTAGENS DE TER UM AMANTE

.
“É pura lenda que a mulher trai menos. São vários amantes. A diferença é que a mulher sabe fazer bem feito”.

A frase é da atriz Priscila Fantin, li numa revista de nov2008. Se eu já achava Priscila encantadora, aiai, ela agora ficou ainda mais bonita pra mim. Sua frase tem o frescor da franqueza e também uma pitadinha de pimenta: será que Priscila fala por experiência própria? Será que Priscila é um ser do meu planeta, onde as pessoas não acreditam no amor-posse?

Aí, no dia seguinte recebo um texto de uma leitora. Entendi então que estava na hora de escrever sobre infidelidade feminina. Vou reproduzir o texto aqui junto com meus comentários (em itálico).

.
Foi provado, após acompanhamento de vários casos, que toda mulher precisa de dois homens: um em casa e outro fora de casa. Para entender, é muito simples:

1. O marido cuida da parte financeira, paga as contas dos filhos, da esposa e da casa. O outro cuida de você.
> Vida difícil a de amante…

2. O marido fala dos problemas, das contas a pagar, das dificuldades do dia. O outro fala da saudade que sentiu de você durante a sua ausência.
> Pudera… Como que seu marido vai sentir saudade se ele te vê todo dia?

3. O marido compra uma roupa nova para ir a um compromisso de trabalho. O outro tira essa mesma roupa só pra você.
> Já tá tirando a roupa pra transar? Ih, tá virando casamento.

4. O marido dorme com aquela camiseta velha e de cueca, às vezes até de meia. O outro dorme completamente nu, abraçadinho a você.
> Sério? Me passa o número do bofe já!

5. O marido reclama das coisas que tem que consertar em casa. O outro te recebe no apartamento onde tudo funciona perfeitamente.
> Lógico. Tudo que precisa estar funcionando é a cama…

6. O marido telefona pra casa e fica perguntando o que tem que comprar no supermercado, padaria etc.. O outro telefona só pra dizer que comprou um champanhe que você vai adorar.
> Um champanhe por mês. Dois, que seja. Pra comer um mulherão como você? Esse cara tá no lucro, viu?

7. O marido reclama do chefe, do trabalho, do cansaço de acordar cedo. O outro reclama a sua ausência e os dias que fica sem te ver.
> Mantenha assim, nega, pra coisa durar. Sem falar que ele deve ter outras pra dar assistência também, né? Ou você acha que um prato desse você comeria sozinha?

8. Ah… esqueci o imprescindível. O outro nunca vai tomar cerveja com os amigos numa sexta-feira!! – ele estará com você enquanto o corno esta enchendo a cara com um monte de macho do lado.
> Ôxe! Se teu marido não fosse beber com os amigos, como é que você iria encontrar com o outro? Bendito bar, benditos amigos! Mas não abuse, amiga, pois amante grudenta faz a gente sentir saudade dos amigos no bar. E se o gostosão for pro bar, periga ficar amigão do teu marido. Aí fudeu.

Bem, agora você pode perguntar: Por que não trocar o marido pelo amante? Pelo simples fato de que se o amante for viver com você, passará para o papel de marido e logo, logo, você precisará arrumar outro.
> Entendeu agora por que amante é pra amar e não pra casar?
.

Ricardo Kelmer 2008 – blogdokelmer.com

.

.

LEIA NESTE BLOG

elacaminho50Amor em liberdade – O que você ama no outro? A pessoa em si? Ou o fato dela ser sua propriedade? E como pode sabe que ela é só sua?

A mulher livre e euÉ esta a mulher que dança pela vida comigo, duas individualidades que se harmonizam mas não se anulam em estúpidas noções de controle: amamos o outro e não a posse do outro

Menu de homem – Na onda da mulher-melancia, mulher-jaca, mulher-filé e outras classificações femininas hortifrutigranjeiras, nada mais justo que nós, homens do sexo masculino, sermos também classificados

Amar duas mulheres – Não se preocupe, eu te entendo, bode velho, eu também sempre tive essa fantasia de comer a Hello Kitty

.

IndecenciasParaOFimDeTardeCAPA-01aIndecências para o fim de tarde
Ricardo Kelmer – contos eróticos

Os 23 contos deste livro exploram o erotismo em muitas de suas facetas. Às vezes ele é suave e místico como o luar de um ritual pagão de fertilidade na floresta. Outras vezes ele é divertido e canalha como a conversa de um homem com seu pênis sobre a fase de seca pela qual está passando. Também pode ser romântico e proibido como a adolescente que decide ter um encontro muito especial com seu grande ídolo. Ou pode ser perturbador como uma advogada que descobre que gosta de fazer sexo por dinheiro.

O erotismo de Ricardo Kelmer faz rir e faz refletir, às vezes choca, e, é claro, também instiga nossas fantasias, inclusive as que nem sabíamos possuir. Seja em irresistíveis fetiches de chocolate ou numa selvagem sessão de BDSM, nos encontros clandestinos de uma lolita num quarto de hotel ou no susto de um homem que descobre verdadeiramente como é estar dentro de uma mulher, as indecências destas histórias querem isso mesmo: lambuzar, agredir, provocar e surpreender a sua imaginação. > Saiba mais – Onde comprar

.

.

Seja Leitor Vip e ganhe:

Acesso aos Arquivos Secretos
Descontos, promoções e sorteios exclusivos
Basta enviar e-mail pra rkelmer@gmail.com com seu nome e cidade e dizendo como conheceu o Blog do Kelmer (saiba mais)

.

.

Comentarios01COMENTÁRIOS
.

01- “PERFEITO, MUITO BEM EXPLICADINHO. SÓ UMA RESALVA, DÁ UM TRABALHO DANADO. UM HOMEM DÁ UM TRABALHÃO, DOIS ENTÃO…PORQUE HOMEM É BICHO FOLGADO. SE A MULHER NÃO LEVAR MUITO A SÉRIO ATÉ QUE OS HOMENS DÃO ALGUM PRAZER, MAS ISSO SE A GENTE SAIR NO MÁXIMO UMAS DUAS VEZES.” Ligia Eloy, Lisboa-Portugal – out2010

02- legal! Gisela Symanski, Porto Alegre-RS – out2010

03- Falou o expert em alma feminina.da ate medo(^.^) Izabel Castro, São Paulo-SP – jun2013

04- Essa de “amor-posse” é mesmo um problemão, na verdade é a morte, a morte de qualquer relacionamento. Mas não é o único amor (parceiro) que fará sentir-se presa ou preso. E nem mesmo uma traição (um amante) que fará sentir-se livre. A liberdade, bem como a felicidade, vem de dentro, da relação “VOCÊ COM VOCÊ”, se essa relação não está bem não há amor ou amante que te fará sentir-se bem ou livre, a prisão sempre será você mesmo(a). Renata Kelly, Fortaleza-CE – jun2013


Amor em liberdade

06/11/2008

06nov2008

Os modelos tradicionais de relacionamento associam o amor à posse do outro e, por isso, ser livre ou deixar o outro livre é algo que soa logo como brincadeira, descompromisso, desrespeito…

AMOR EM LIBERDADE

.
Tânia tem 47 anos, é pedagoga e recentemente separou-se do marido, com quem teve um filho. É uma mulher ligada à espiritualidade, gosta de ler sobre filosofia e psicologia e desde a separação vem mudando sua compreensão das relações humanas. Tânia não mais crê no tradicional modelo de relacionamentos que a sociedade impõe a homens e mulheres e busca encontrar alguém que entenda algo que para ela é fundamental: amar não significa querer a posse do outro.

Raissa tem 22 anos, é estudante de publicidade. Solteira e bonita, ela adora sair à noite para beber, dançar e se divertir com os amigos. Gosta de homens e também de mulheres. Apesar de não faltar pretendente, Raissa atualmente está solteira. Para ela, namoro é bom, sim, mas só se a outra pessoa não quiser prendê-la com ideias limitadas sobre sexualidade e relacionamentos. Ela quer alguém que a aceite como ela é: livre para viver e amar, sem enquadramentos comportamentais e ciúmes doentios. Se não for assim, prefere seguir solteira.

Duas mulheres, duas gerações, experiências diferentes de vida. Ambas, porém, estão insatisfeitas com as opções que a sociedade lhes oferece quando o assunto é relacionamento. Ambas querem liberdade para serem o que são e viverem o amor como acham que devem vivê-lo. Mas não tem sido fácil encontrar outras pessoas como elas. Onde estarão?

Tânia, nossa pedagoga, rompeu com o velho modelão quando entendeu que exigir fidelidade do outro pode até ser prova de amor, mas de amor possessivo, que não ama o outro mas a sua posse e controle. Ela sabe que fidelidade é uma invenção cultural e como não quer mais alimentar hipocrisia em suas relações, não mais exigirá fidelidade sexual de seu homem – ela apenas não quer saber caso aconteça e que ele tenha cuidado com doenças. Ela deseja um homem que seja atraído pela liberdade que ela oferece à relação, no entanto os homens que encontra não conseguem lidar bem com a ideia de uma relação franca e honesta assim. Eles parecem preferir o velho modelo, em que um engana o outro e ambos fingem não perceber. Tânia quer compromisso, sim, mas sem mentiras veladas. O amor e a liberdade não são excludentes – ela diz, do alto da sabedoria de sua maturidade.

Nossa publicitária, apesar da pouca idade, parece também já ter intuído que o amor com liberdade deve ser o verdadeiro guia de seus relacionamentos. Mas Raissa sabe também que sua liberdade pessoal assusta muita gente. Ela não disfarça a irritação quando fala das pessoas “tão normais”, essa gente que aceita para si os moldes de relações impostos, sem sequer considerar que tais moldes podem jamais lhes servir. Raissa quer se doar ao amor mas não quer se dar a regras que não foram feitas para ela. Ela quer voar a dois pelos céus do amor e não dividir a dois a prisão do amor. Ela quer amar mas não quer aprisionar o amor por medo de perdê-lo. Para Raissa, entre amor que controla e amor que liberta, ela prefere o segundo, mesmo com seus riscos. Mas o primeiro tem os seus riscos também, porra! – ela exclama, do alto de seu jeito rebelde.

Tânia e Raissa não se conhecem mas fazem parte da mesma tribo, o das pessoas que não aceitam velhos modelos de relacionamento baseados na propriedade e procuram viver de acordo com seu próprio entendimento de amor. Elas estão fartas de preconceitos e hipocrisias que levam as pessoas a mentir para quem amam e para si mesmas, a viver relacionamentos falsos, a prender e se prender em regras estúpidas e a deixar de viver a vida verdadeira em troca de aprovação social. Pessoas como Tânia e Raissa também desejam compromisso – mas com o outro e não com a posse do outro. Não tem sido fácil para elas encontrar parceiros mas, aos poucos, como sempre ocorre, os revolucionários acabam se atraindo.

Não é fácil mudar velhos conceitos. Porque as pessoas sempre esquecem que a verdade em que creem não é necessariamente verdade para todos. Os modelos tradicionais de relacionamento associam o amor à posse do outro e, por isso, ser livre ou deixar o outro livre é algo que soa logo como brincadeira, descompromisso, desrespeito… Esse velho modelo não entende que um casal é feito de duas individualidades, que casais podem ser harmoniosos e felizes vivendo separados e que as pessoas podem ter outras relações e continuar se amando. Esse modelo só aceita o amor se no pacote vier junto posse e exclusividade. Até mesmo mulheres que desejam relacionamentos mais verdadeiros sentem dificuldade em considerar outros modelos de viver o amor. Elas deveriam parar um pouquinho e pensar: como podemos viver relações verdadeiras se queremos antes ser donos do outro?

É esse velho e intransigente modelo que não serve para pessoas como Tânia e Raissa, que querem amar e ser amadas, como qualquer um de nós, mas querem ser amadas por serem livres e querem amar pessoas livres. Os outros, que vivam eles o seu amor de posse, esse que exige antes de tudo possuir o outro. O que elas querem é outro amor, aquele que exige antes de tudo… amar.
.

Ricardo Kelmer 2008 – blogdokelmer.com

.

.

Mais sobre liberdade e o feminino selvagem:

AMulherSelvagem-11aA mulher selvagem – Ela anda enjaulada, é verdade. Mas continua viva na alma das mulheres

A mulher livre e eu – É esta a mulher que dança pela vida comigo, duas individualidades que se harmonizam mas não se anulam em estúpidas noções de controle: amamos o outro e não a posse do outro

Em busca da mulher selvagem – Era por ela que eu sempre me apaixonava, essa mulher que era quem ela mesma desejava ser e não a mulher que a família, religião e sociedade impunham que ela fosse

As fogueiras de Beltane – As fogueiras estão acesas, a filha da Deusa está pronta. O casamento sagrado vai começar

Medo de mulher – A mulher é um imenso mistério, que o homem jamais alcançará

Alma una – Eu faço amor com a Terra / Sou a amante eterna / Do fogo, da água e do ar / Sou irmã de tudo que vive / Ninfa que brinca com a vida / Alma una com tudo que há

Quem tem medo do desejo feminino? (1) – A maternidade, a castidade e a mansidão de Nossa Senhora como bom exemplo, e a força, a independência e a liberdade sexual da puta como exemplo contrário, a ser jamais seguido

.
LIVROS

Vocês Terráqueas – Seduções e perdições do feminino – Livro de contos e crônicas sobre a mulher

Mulheres que Correm com os Lobos – Mitos e histórias do arquétipo da mulher selvagem (Clarissa Pinkola Estés –  Editora Rocco, 1994)

A Prostituta Sagrada – A face eterna do feminino (Nancy Qualls-Corbert – Editora Paulus, 1990)

As Brumas de Avalon (Marion Zimmer Bradley – Editora Imago, 1979)

.
ENTREVISTA

Regina Navarro Lins (revista TPM, set2012) – A psicanalista e sexóloga fala sobre relacionamentos, sexo e liberdade

.

.

Seja Leitor Vip e ganhe:

Acesso aos Arquivos Secretos
Descontos, promoções e sorteios exclusivos
Basta enviar e-mail pra rkelmer@gmail.com com seu nome e cidade e dizendo como conheceu o Blog do Kelmer (saiba mais)

.

.

Comentarios01COMENTÁRIOS
.

01 – Queridíssimo Ricardo, você parece que lê a alma das pessoas! Obrigada, muito obrigada pelo trecho do seu texto sobre Raísa (“AMOR EM LIBERDADE”), que você postou em meu scrapbook. Falou direto ao meu coração. Obrigada mesmo, foi um presentão de aniversário! Beijos, que você continue sempre tão abençoado. Branduir, Rio de Janeiro-RJ – dez2008

Os modelos tradicionais de relacionamento associam o amor à posse do outro e, por isso, ser livre ou deixar o outro livre é algo que soa logo como brincadeira, descompromisso, promiscuidade…


Amar duas mulheres

15/09/2008

15set2008

Não se preocupe, eu te entendo, bode velho, eu também sempre tive essa fantasia de comer a Hello Kitty

AMAR DUAS MULHERES

.
05/08/2008 –
Viciado em sexo, guitarrista dos Rolling Stones é internadoRonnie Wood, 61, guitarrista dos Rolling Stones, está atualmente internado em uma clínica de reabilitação no sul da Inglaterra, informou hoje (5) o tablóide britânico “The Sun”. Ronnie Wood, guitarrista dos Rolling Stones, deixou mulher por uma russa de 18 anos. Wood está internado por uma tripla dependência: ao álcool, às drogas e, segundo o jornal, também ao sexo.

Fazer sucesso, perder o prumo, enfiar o pé na jaca, queimar o filme e se internar em clínica de reabilitação. Esse roteiro das celebridades tá ficando tão previsível… Quem será a próxima?

Mas agora inventaram também esse negócio de dependência de sexo. O cara é pego pulando a cerca e, sem ter mais como justificar, explica pra mulher: Ok, querida, eu assumo, eu assumo. Assume o quê, seo calhorda, que gosta dela, que tem um filho com a ordinária? Não, querida, assumo que preciso me tratar, sou um sexo-dependente.

Muito bem bolado, como diria Silvio Santos. De bandido passa a ser vítima, muito bem bolado. O chato é se a mulher perguntar: E por que você só não é sexo-dependente comigo, seo fuleragem?

Mas eu tô do seu lado, viu, Ronnie? Melhor você se tratar numa clínica do que numa dessas igrejas especialistas em lavagem cerebral que ficam catando famosos na lama pra botar em suas vitrines da salvação. Você não precisa de lavagem cerebral, Ronnie. Até porque você talvez nem tenha mais cérebro – sabe lá o que é passar quarenta anos tocando Satisfaction… E essa camisetinha da russinha, heim, Ronnie, heim, heim, falaí. Eheheheh… Não se preocupe, eu te entendo, bode velho, eu também sempre tive essa fantasia de comer a Hello Kitty. A diferença é que te pegaram e eu continuo solto…

“Sua mulher há 23 anos, Jo se nega a visitá-lo no centro onde está internado, na localidade de Old Woking, no condado de Surrey, por causa de um relacionamento extraconjugal do músico. Segundo o jornal, Ronnie Wood iniciou um relacionamento com a jovem russa Ekaterina Ivanova, 18, com a qual esteve no mês passado na Irlanda e que agora está hospedada em um hotel próximo à clínica. No fim de julho, Wood disse em entrevista que ama ‘duas mulheres’, referindo-se a sua mulher Jo e à garçonete russa Ivanova. O guitarrista afirmou pretender salvar o seu casamento, mas que, ao mesmo tempo, gostaria de continuar a ver a jovem russa.”

Você amar duas mulheres não me surpreende, meu chapa. Eu também faço parte dessa gente evoluída que sabe que é perfeitamente possível e viável e honroso amar mais de uma pessoa ao mesmo tempo. O que me surpreende é você afirmar isso assim em público, pro mundo inteiro ouvir, inclusive suas duas mulheres. Putz! Você ganhou 10 pontos por sua franqueza. A russinha talvez até tope te dividir com outra mulher, sacomué, desse povo que bebe vodca no gargalo a gente espera tudo. Mas a Jo, humm, sei não. Ela não quer nem te visitar na clínica! Seja compreensivo com a Jo, cumpade Ronnie. Imagine se fosse você quem tivesse de dividi-la com um surfista de 18 anos… argentino. Já pensou?

Hummm… Sei que isso não é hora de te confundir a cuca, coitado, você aí internado. Mas e se isso rolasse mesmo, a Jo te propor direitos iguais: Tudo bem, Ron, você fica com nós duas mas eu também fico com você e outro cara, combinado? E aí, parceiro, você toparia? Calma, eu já disse que tô do teu lado. É que as leitoras do Kelmer Para Mulheres são muito, como dizer, opinativas, e elas certamente devem estar doidinhas pra te fazer essa pergunta. Então eu fiz por elas. Mas não precisa responder agora, meu chapa. Primeiro toma teus remédios e volta pra casa. Pra casa da russinha, claro, pois a Jo é capaz de te mandar imediatamente de volta, não pra clínica mas pro pronto-socorro.

“O The Sun também flagrou Ekaterina concentrada na leitura de uma carta enviada por Wood, que escreveu frases como ‘Sabe que eu sempre penso em você com carinho’. O guitarrista também desenhou, na mesma carta, um rosto sorridente na forma de coração. ‘A garota sorria, como todas as jovens quando estão com as cartas de amor dos seus namorados. É estranho pensar que tenha sido escrita por um homem 40 anos mais velho que ela’, disse o jornal, citando uma fonte.”

Quarenta anos de diferença… Ronnie, e quando você tiver 90 e ela 50, já pensou nisso? Ela estará com a idade aproximada da Jo. Como? Ah, tá, você vai trocá-la por outra garçonete Hello Kitty. Entendi. Sim, claro que sei que com o Viagra a coisa agora é diferente (ler O primeiro Viagra a gente não esquece). Mas será algo interessante de se ver: você aos 120 trocando de mulher e elas trocando tua fralda.

Ronnie, meu chapa, eu sou um gozador, você sabe. Não posso perder a oportunidade de chafurdar encima dessa história. Mas, brincadeiras à parte, sabe o que eu acho de verdade dessa coisa toda, cara? Eu acho que você, assim como todos os outros Stones, já fizeram tanto pela música, pelo roquenrôu e por nós todos, que vocês estão noutro patamar, vocês são semideuses, é sério, e nem sempre devem ser julgados pela mesma lógica dos simples mortais. Você merece tudibom, meu cumpade, até mesmo duas mulheres. Aliás, duas é pouco, a Jo que me perdoe, você merece quantas puder aguentar.

Mas manera na birita, véi. Senão as mulheres que você ama não terão satisfaction e, você sabe, não tem quem aguente uma mulher sem satisfaction, argh!

.
Ricardo Kelmer 2008 – blogdokelmer.com

.

.

O Blog do Kelmer concorre ao Prêmio BlogBooks 2009!

categoria Universo Masculino

BlogBooksBanner01

.

LEIA NESTE BLOG

Menu de homem – Na onda da mulher-melancia, mulher-jaca, mulher-filé e outras classificações femininas hortifrutigranjeiras, nada mais justo que nós, homens do sexo masculino, sermos também classificados

As vantagens de ter um amante – O marido cuida da parte financeira, paga as contas dos filhos, da esposa e da casa. O outro cuida de você

Amor em liberdade – O que você ama no outro? A pessoa em si? Ou o fato dela ser sua propriedade? E como pode saber que ela é só sua?

Homens perfeitos também alopram – Até tu Richard Gere?

Homens infiéis, mulheres inconformadas – Há quem negue esse papo de biologia, afirmando que é desculpa fajuta, que os machos se aproveitam da cultura machista pra mijarem fora do seu peniquinho caseiro

.

.

Seja Leitor Vip e ganhe:

Acesso aos Arquivos Secretos
Descontos, promoções e sorteios exclusivos
Basta enviar e-mail pra rkelmer@gmail.com com seu nome e cidade e dizendo como conheceu o Blog do Kelmer (saiba mais)

.

.

COMENTÁRIOS
.


<span>%d</span> blogueiros gostam disto: