Para meus donos, com amor

28/01/2021

28jan2021

PARA MEUS DONOS COM AMOR

.
Em pé, diante do espelho da parede, Cachorrinha vê sua imagem refletida. Seu corpo magro nu, a alvura da pele, o cabelo chanel negro, os seios pequenos… Em seu pescoço, a coleira de couro vermelha com as iniciais em amarelo: BB. E a corrente de ferro, prendendo-a pelo pescoço ao pé da cama. Ela gosta do que vê.

Quando a porta se abre, Cachorrinha imediatamente ajoelha-se, senta sobre os calcanhares e encosta as palmas das mãos no chão, à frente dos joelhos, a posição um, da docilidade. Uma mulher entra, trajando vestido e sapato de salto alto.

‒ Está pronta, Cachorrinha?

Ela percebe a mudança no tom de voz de Brenda. Já não é mais a moça que meia hora antes a recebera, entre abraços e saudações descontraídas. Agora é sua dona. Dez anos mais nova que ela, mas naquele vestido e naquele salto alto parece ser mais velha.

‒ Nossos convidados logo chegarão.

Cachorrinha sorri. Adora quando seus donos convidam amigos para brincar com ela. Sua dona solta a corrente do pé da cama e Cachorrinha agradece esfregando-se em suas pernas. De pé, é observada por alguns instantes, tem seu corpo verificado, os dentes e as axilas, os seios apalpados, a pele cheirada. Sua dona aponta para a cama e Cachorrinha vai para lá, e fica de quatro sobre o colchão, a posição dois, da disponibilidade. As bordas de sua buceta são afastadas, o interior vistoriado, sua dona introduz um dedo, cheira e lambe. Cachorrinha geme. Depois sua bunda é aberta e um plugue é enfiado em seu cu, e a parte externa possui uma argola à qual é preso um rabo peludo de cachorro, de cor castanha.

‒ Não é bonito? Comprei ontem pra minha Cachorrinha… ‒ sua dona diz, passando carinhosamente a mão em sua cabeça. Cachorrinha olha-se no espelho e exulta com a imagem, sua bunda adornada pelo novo e belo rabo peludo. Tem sorte de ser a cadela de donos tão generosos.

Obrigado, Senhora, obrigado…, ela responde por meio de ganidos, agradecida.

Sua dona a leva pelo corredor do apartamento, puxando-a pela corrente, e Cachorrinha a segue engatinhando, como uma fiel cadelinha deve fazer, e o contato do rabo no interior das coxas lhe provoca arrepios. Na sala, próximo à porta, seu dono as espera. Cachorrinha segue sua dona até lá e para, mantendo-se na posição de docilidade, semiajoelhada, aos mãos no chão.

‒ Beto, olha como nossa Cachorrinha ficou linda com o rabo novo.

‒ Lindíssima ‒ ele responde, entusiasmado. ‒ Posição dois, agora, pra tirar foto.

Cachorrinha obedece, ficando de quatro e empinando a bunda para as fotos, sua dona ao seu lado, segurando-a pela corrente.

‒ Está feliz, Cachorrinha?

Muito feliz, Senhor, ela responde latindo, sacudindo a bunda e balançando o rabo.

‒ Nossos convidados merecem toda nossa hospitalidade. Sirva-os como se servisse a nós, entendido? ‒ Cachorrinha responde sim com a cabeça. ‒ Boa cadela… ‒ ele diz, dando dois tapinhas em seu rosto. Os tapas não doeram, mas ela pode sentir o rosto latejando levemente, o suficiente para fazer-lhe brotar um tremor de excitação.

O casal convidado entra, seus donos dão-lhe as boas-vindas, abraços e beijos.

‒ Esta é Cachorrinha, que está aqui hoje para todo o nosso dispor, não é, Cachorrinha? ‒ diz sua dona, e ela responde sim com a cabeça, alegremente.

Cachorrinha sorri para o casal, que sorri de volta para ela com indisfarçável interesse. São jovens como seus donos, não tão bonitos, é verdade, mas imediatamente se tornam lindos e especiais, pois são os convidados daquela noite, e servi-los será o mesmo que servir a seus amados donos, e só por isso ela já os ama também.

‒ Cumprimente-os como nós a ensinamos.

Cachorrinha engatinha até o casal convidado e lambe delicadamente a mão da mulher, e depois a do homem. Que luxo de cadela, diz a mulher. É um belo espécime, parabéns, emenda o homem. E Cachorrinha se derrete de felicidade, vendo que seus donos sorriem orgulhosos dela.

Todos vão acomodar-se nos sofás e Cachorrinha engatinha atrás de sua dona, que a deixa sentada próximo à mesinha de centro. Posição um, Cachorrinha, e ela imediatamente obedece, assumindo a posição de docilidade. Depois de beberem um pouco e conversarem divertidamente, as atenções se voltam para ela.

‒ Sua cadela é realmente muito bonita, Brenda ‒ diz a convidada. ‒ Desde quando a possuem?

‒ Seis meses, somos seus segundos donos. Quer dar biscoito pra ela? Ela adora.

Biscoito de carne, hummm… Os prediletos de Cachorrinha. Ela lambe os lábios, olhando fixo para os biscoitos num pote de vidro sobre a mesinha. A convidada pega um biscoito e o atira próximo dela. Cachorrinha hesita, olha para sua dona.

‒ Pode pegar, Cachorrinha.

E só então ela avança e abocanha o biscoito, e o come com prazer. Depois sua dona a chama, para que os convidados possam vistoriá-la. E eles a examinam, tocando seu rosto, mexendo em seu cabelo, olhando seus dentes. Ela vira-se, para que possam examinar detalhadamente seu novo rabo. Enquanto o tocam, Cachorrinha sente calafrios correrem por seu corpo e ela precisa se concentrar para manter-se quieta. Ser vistoriada é sempre um grande prazer…

‒ Cachorrinha agora vai nos servir o camarão empanado ‒ anuncia sua dona.

Sobre a mesa, há uma concha com um pequeno gancho na borda. Cachorrinha a apanha com a boca, entrega à sua dona e vira-se de costas. O rabo é retirado e a concha é presa ao plugue anal, ficando pendurada na entrada da buceta. Cachorrinha sente o frio do alumínio nos lábios de sua buceta e geme em ganidos baixinhos. Sua dona põe alguns camarões na concha e ordena que ela sirva os convidados. Cachorrinha engatinha até eles, com cuidado para que os camarões não caiam, e para de costas para que se sirvam. E eles se servem, e seus donos também. Ela silenciosamente implora para que todos se sirvam bastante, pois mesmo o mais leve toque de seus dedos mexe a concha e faz vibrar o plugue dentro de seu cu, criando deliciosas ondas de vibrações… Sua bunda agora é uma bandeja, uma dócil bandeja branquinha de camarões empanados.

‒ Quer camarão, Cachorrinha? ‒ pergunta seu dono. Ela faz que sim com a cabeça. ‒ Então vá pegar seu pratinho.

Cachorrinha engatinha até a cozinha e volta trazendo na boca seu pratinho de plástico. Seus donos pegam alguns camarões, mastigam e os põem no pratinho, e ela os come diretamente com a boca, fechando os olhos para assimilar bem o sabor. Ah, o melhor molho do melhor chefe do mundo não é nada diante do gosto de saliva fresquinha de seus donos…

Após terminar o último pedaço, ela engatinha até sua dona e lambe-lhe a mão, agradecida. E gane baixinho, olhando para ela de um jeito especial.

‒ O que você quer, Cachorrinha?

Cachorrinha gane novamente.

‒ Quer fazer cocô?

Ela responde que sim com a cabeça.

‒ Como é educada… Ah, Brenda, quando você pode emprestá-la? ‒ pergunta a convidada, encantada.

‒ Que tal na próxima quinta?

‒ Está ótimo! Cuidaremos muito bem dela.

Cachorrinha vibra por dentro com o que ouve. Adora ser emprestada. Ela vira a bunda para sua dona, que retira a concha e depois puxa o plugue de seu cu. Depois engatinha até um canto da sala, para e acocora-se de costas para os dois casais que, dos sofás, a observam em silenciosa atenção. Cachorrinha apoia as mãos no chão, suspende a bunda e se concentra. E, durante o minuto seguinte, defeca calmamente, sentindo a merda sair de seu cu devagar, numa longa peça de cor marrom que desce até o pratinho de plástico e pousa enrolando-se sobre si mesma, enquanto ela sutilmente observa pelo espelho da parede os quatro nos sofás, todos extasiados pela sua atuação. Quando termina, seu semblante não nega o prazer e o imenso orgulho que sente. Defecar para os convidados de seus donos, que prova maior de amor uma cadela pode oferecer?

Ela vira-se, abocanha a borda do pratinho e sai engatinhando para deixá-lo na área de serviço, boa cadela que é. Lá, aproveita para limpar-se e retorna para receber a recompensa de seus donos, quem sabe mais um biscoitinho de carne. Porém… eles não parecem satisfeitos. O que pode ter acontecido? Somente neste instante é que percebe que defecara um pouco fora do pratinho. Ela olha para seus donos, com um olhar de desculpas, foi sem querer, só um segundinho de desatenção… Mas já é tarde.

‒ Muito feio o que você fez, Cachorrinha ‒ diz sua dona em seu ouvido, e Cachorrinha conhece bem aquele tom de voz ameaçador. ‒ Você quer que nossos convidados pensem que não soubemos educar você?

Cachorrinha abaixa a cabeça, triste e envergonhada por sua falha grotesca. Para os donos de animais, nada mais desabonador que serem conhecidos no meio como péssimos educadores. Defecar num pratinho, até a cadela mais simplória sabe fazer isso, que vergonha… Se pudesse, voltaria o tempo para que seus donos não tivessem que passar por tal desonra.

Brenda aponta para um ponto na estante. Cachorrinha gane, pedindo novamente para ser perdoada. Mas sua dona está resoluta e mantém o braço apontado para a estante. Ela engatinha para lá, pega com a boca um saco de veludo vermelho e o leva para sua dona. Apreensiva, Cachorrinha a observa abrir o saco e puxar de dentro um chicote preto de tiras de couro. A visão daquele objeto lhe dá um calafrio. Sua dona a puxa pela coleira e a faz deitar-se de bruços sobre uma almofada, deixando sua bunda bem elevada e inteiramente à disposição.

‒ Por favor, ensine-lhe um pouco de boas maneiras ‒ diz sua dona, entregando o chicote ao convidado.

Cachorrinha sente o coração acelerar. Seu dono ajoelha-se em frente a ela e a segura pelos punhos, para que não se movimente. Sua dona a venda com uma tira de pano, para que nunca saiba o momento certo em que o golpe a atingirá e, assim, não tenha como se preparar.

Os primeiros golpes são leves, provocando-lhe curtos ganidos de satisfação, e Cachorrinha aos poucos sente a tristeza e a vergonha darem lugar ao prazer de ouvir novamente o doce som do estalo do couro em sua pele. Os golpes se tornam mais fortes, e o prazer se mistura à dor, até que a dor se sobrepõe e as lágrimas escapam de seus olhos, molhando a venda, e a cada chicotada ela morde os lábios, resistindo à dor, a dor que aumenta, e aumenta mais, até que fica insuportável e ela late, pedindo para parar, um latido sofrido misturado com choro.

‒ Promete que nunca mais vai nos envergonhar como fez hoje? ‒ pergunta seu dono.

Sim, sim, ela responde latindo, ainda chorando. Ele solta seus punhos e lhe tira a venda.

‒ Ótimo. Agora ponha seu rabo e venha nos satisfazer.

Cachorrinha apanha o rabo e o leva à sua dona. Por alguns instantes ela aguarda, enquanto sente os olhares de todos sobre si, ela de quatro, o rabo na boca, as lágrimas a escorrerem de seu rosto. Finalmente, sua dona pega o rabo, prende-o ao plugue e o enfia novamente em seu cu. Cachorrinha ainda sente a bunda dolorida mas o plugue alivia a dor e os pelos do rabo entre suas coxas a fazem sentir-se melhor. Sua dona aponta para a convidada e ela engatinha até o sofá, onde o casal está sentado lado a lado, e põe-se entre as pernas da mulher, na posição de docilidade. A mulher suspende o vestido e tira a calcinha. Cachorrinha vê surgir a buceta da mulher, entreaberta e molhada. Ela sabe que seus donos a observam e que não pode mais falhar em nenhum detalhe. Então aproxima o rosto e começa a lamber a buceta da mulher, que segura sua cabeça com as duas mãos e a puxa contra si, enquanto geme cada vez mais forte, vai, Cachorrinha, me chupa, vai… Com o rosto afundado entre as coxas da convidada, a língua de Cachorrinha passeia pelo interior de sua buceta, no início devagar e depois mais rápido, seguindo os movimentos do corpo da mulher, harmonizando-se com sua respiração, e ela sente quando as coxas se contraem, os gemidos se intensificam, as mãos lhe puxam a cabeça como se quisessem enfiá-la toda… e a mulher goza em sua boca, um gozo longo e ruidoso, e ela prova o gosto daquele gozo feminino, bebendo tudo que pode.

O convidado a aguarda com o pau para fora da calça, totalmente ereto. Cachorrinha abana o rabo, ansiosa. Ele a chama, vem, Cachorrinha, vem, e ela posta-se entre suas pernas, observando-o masturbar-se. Não é tão grande como ela gosta, mas é bonito. E cheiroso também, ela constata, enquanto o beija na cabeça e começa a lambê-lo. Sua boca o envolve em idas e vindas contínuas, chupando-o com presteza, e o homem goza logo, jorrando sêmen em seu rosto, e ela lambe e lambuza-se e bebe com vontade, enquanto ele geme seu prazer de ser chupado por uma cadela tão dadivosa.

Em seguida, Cachorrinha satisfaz sua dona, ela deitada no carpete e Cachorrinha entre suas pernas, e depois satisfaz seu dono, ele de pé mesmo, com ela ajoelhada no chão e tendo que dividir o gozo dele com sua dona, que exige que ela não beba tudo e que, diretamente de sua boca, passe uma parte para a boca dela, o que Cachorrinha faz, num longo e saboroso beijo que a deixa tão excitada que ela quase implora para também ser chupada pelos dois. Mas isso é algo que não lhe é dado fazer. Sua obrigação é servir.

Após satisfazer aos quatro, e feliz de sentir-se inundada por tantos gozos, Cachorrinha engatinha para um canto e posta-se na posição de docilidade. Está cansada, mas sabe que deve permanecer ali, aguardando que a chamem a qualquer momento.

E, após alguns minutos, seus donos a chamam, ordenando dessa vez que fique debruçada no sofá, com os joelhos no chão e afastados. É quando o terceiro convidado surge na sala: Yago. Cachorrinha não o conhece, mas sabe que foi trazido pelo casal convidado. Seu dono levanta seu rabo, deixando sua bunda totalmente descoberta, e lambuza sua buceta com sorvete de morango, não esquecendo de despejar uma boa porção lá dentro. Yago se aproxima lentamente, em seu passo firme. É um grande labrador negro, e sorvete de morango é o seu preferido. Cachorrinha fecha os olhos, para que a visão não lhe desvie a atenção das sensações que terá. Enquanto seu dono mantém seu rabo erguido, ela sente que Yago fareja sua buceta e começa a lambê-la. Cachorrinha arrepia-se, sentindo a grande língua varrer toda a extensão da buceta, meter-se dentro dela feito uma cobra inquieta e vasculhar seu interior em busca do sorvete. A língua de Yago não para, é como um dispositivo automático. Cachorrinha gane de prazer, e gane mais ainda quando Yago monta sobre ela e ela sente seu peso sobre suas costas, o bafo quente em sua nuca, os pingos da saliva caindo em seu pescoço. As tentativas do animal são bruscas e desajeitadas, mas as patas estão cobertas por luvas especiais para que as unhas não arranhem sua pele. Então o pau do labrador força entrada em sua buceta e ela empina mais a bunda, procurando encaixar-se melhor ao corpo dele, até que, com a ajuda de seus donos, Yago finalmente consegue e ela sente o membro dentro de si, um membro grosso e quente a entrar e sair do espaço onde pouco antes se remexia sua língua, e Cachorrinha late, e late mais alto, tomada pelo frenesi luxurioso, e então Yago arfa mais forte sobre suas costas e ela sente o líquido quente dentro de si e, nesse momento, uma gigantesca onda de prazer desaba sobre ela, arrastando-a sem rumo, e Cachorrinha uiva o mais alto que pode, transtornada e feliz, gozando o indizível êxtase de ser a cadela amada de seus donos.

*     *     *

O alarme do celular toca a melodia familiar e Silvana desperta. Sexta-feira, sete da manhã. Ela abre os olhos, reconhece seu quarto e se espreguiça. Dormiu pouco, mas sente-se bem e disposta. Duas horas depois ela sai do táxi e chega ao prédio da empresa. Sobe até o décimo segundo andar, cumprimenta algumas pessoas no corredor e entra em sua sala, onde a aguarda sua secretária.

‒ Bom dia, dona Silvana.

‒ Bom dia, Lia. Os gerentes já chegaram para a reunião?

‒ Sim, os quatro já estão aí. Posso chamá-los?

‒ Por favor.

A secretária sai, e um minuto depois retorna, e com ela os quatro gerentes, que ocupam as cadeiras em frente à mesa da diretora.

‒ Bom dia, senhoras e senhores ‒ diz Silvana. ‒ Trouxeram os relatórios? Ótimo.

Um após outro, os gerentes leem seus relatórios e Silvana faz suas observações. Vinte minutos depois, ela encerra a reunião e todos levantam-se para sair.

‒ A senhora fica ‒ ela fala para uma das gerentes. ‒ Pode nos deixar a sós, Lia.

Os demais gerentes saem com a secretária, que fecha a porta. Silvana, ao lado de sua mesa, agora observa a moça, em pé à sua frente.

‒ Nossa empresa está muito satisfeita com seu trabalho, dona Brenda.

‒ Obrigado, dona Silvana.

‒ Indicarei seu nome para a subdiretoria, o que acha?

‒ Puxa… eu…

‒ Não precisa agradecer.

Por alguns instantes, Silvana olha sério para a funcionária. Depois mexe em alguns papéis na mesa e sorri.

‒ Foi uma noite maravilhosa. Você estava linda.

‒ Sim, e você estava magnífica ‒ Brenda sorri também, e agora o semblante de ambas está bem descontraído. ‒ Os convidados ficaram encantados.

Silvana aproxima-se e beija a moça suavemente na boca.

‒ Eu te amo tanto, Brenda.

‒ Nós também te amamos muito.

‒ Você e Beto são os melhores donos do mundo.

Elas se beijam mais uma vez, dessa vez um beijo intenso e demorado, enquanto se abraçam e as mãos apalpam seus corpos. Quando terminam, Silvana recompõe-se, respira fundo e abre a porta.

‒ Até logo, dona Brenda. Mais uma vez parabéns pelos bons resultados.

‒ Obrigado, dona Silvana.

A funcionária sai e Silvana fecha a porta. Senta-se relaxadamente em sua poltrona, fecha os olhos e suspira, lembrando da noite. Depois pega uma caneta e circunda, no calendário, a quinta-feira seguinte, anotando ao lado: emprestada. Adora ser emprestada.

.
Ricardo Kelmer 2016 – blogdokelmer.com

.

.

Este conto integra os livros

Indecências para o Fim de Tarde
Ricardo Kelmer – contos

Uma advogada que adora fazer sexo por dinheiro… Um ser misterioso e sensual que invade o sono das mulheres… Os fetiches de um casal e sua devotada e canina escrava sexual… Uma sacerdotisa pagã e seu cavaleiro num ritual de fertilidade na floresta… A adolescente que consegue um encontro especial com seu ídolo maior, o próprio pai… Seja provocando risos e reflexões, chocando nossa moralidade ou instigando nossas fantasias, inclusive as que nem sabíamos possuir, as indecências destes 23 contos querem isso mesmo: lambuzar, agredir, provocar e surpreender a sua imaginação. > saiba mais

.

Quarentena Erótica
Ricardo Kelmer – contos

Nos contos de Ricardo Kelmer, o erótico pode vir com variados temperos: romantismo, humor, misticismo, bizarro, horror… Às vezes, vem doce e sutil, ou estranho e avassalador, e às vezes brinca com nossas próprias expectativas sobre o que seja erótico. Explorando fetiches, fantasias, delírios e tabus, e até mesmo experiências reais do autor e de seus leitores, as estórias deste livro acabam de chegar até você para apimentar seus dias, e suas noites, de quarentena. > saiba mais

.

.

Seja Leitor Vip e ganhe:

– Acesso aos Arquivos Secretos
– Descontos, promoções e sorteios exclusivos
Basta enviar e-mail pra rkelmer@gmail.com com seu nome e cidade e dizendo como conheceu o Blog do Kelmer (saiba mais)

.

.

Comentarios01COMENTÁRIOS

01-


Dona de mim

08/05/2019

08mai2019

DONA DE MIM

.
Dona de mim já não sou mais
Quando aos teus pés me ajoelho assim
E em teu olho a chama do desejo atiça
A mulher louca e submissa que há em mim

De bom grado já não me pertenço
Docilmente me submeto à vontade tua
Se me queres agora toda nua, eu obedeço
E de quatro te ofereço minha carne crua

Bate, meu senhor, faz-me o rabo em brasa
Marca em mim o juramento da servidão
Serei sempre a escrava grata e obediente
E amarei o peso ardente da tua mão

Bate, meu senhor, é minha pele que implora
Do bom chicote o estalo por toda a noite
Hoje eu sou a mulher mais livre e gloriosa
Plena da dor gozosa do teu açoite

> música de Ricardo Kelmer e Fernando Neri

.
Ricardo Kelmer 2013 – blogdokelmer.com

.

.

Fernando Neri – Dona de mim
registro experimental, 2019

.

> Mais poemas e músicas

.

.

Seja Leitor Vip e ganhe:

Acesso aos Arquivos Secretos
Descontos, promoções e sorteios exclusivos
Basta enviar e-mail pra rkelmer@gmail.com com seu nome e cidade e dizendo como conheceu o Blog do Kelmer (saiba mais)

.

.

Comentarios01 COMENTÁRIOS
.

.

 


Desculpem o atraso

08/03/2015

08mar2015

Em alguns minutos ela começaria a palestra, quando a mensagem chegou…

DesculpemOAtraso-01

DESCULPEM O ATRASO

.
O salão do hotel estava lotado para sua palestra Feminismo no Século 21. Antes de começar, o celular fez o bip que ela tão bem conhecia. Leu a mensagem e suspirou… E correu para o elevador. Na suíte do nono andar, ele a recebeu, repreendeu-a pela demora e a estapeou. E ordenou que ficasse nua. De coleira e acorrentada, ela docilmente lambeu seus pés. Quando ele a pôs de quatro e a segurou forte pela cintura, ela tremeu de expectativa, antevendo o instante seguinte: ele montado sobre ela, o pau inteiro enfiado em sua bunda, e ela agradecida pela honra de servi-lo… Meia hora depois, ela agradeceu os aplausos, desculpou-se pelo atraso e iniciou a palestra. No rosto, a expressão compenetrada. No cu, a lembrança do gozo de seu senhor.
.

Ricardo Kelmer 2014 – blogdokelmer.com

.

.

> BDSM na Wikipedia – BDSM é a sigla de Bondage, Disciplina, Dominação, Submissão e Sadomasoquismo. Na Wikipedia há informações básicas bem organizadas.

> Submissas na cama, mas não na vida – elas são feministas e adeptas do BDSM – Matéria do UOL, 18.12.17

.

MAIS MINICONTOS

PrazerProibido-07aPrazer proibido – Essas mães e suas filhas…

A metamorfose – Pai, filho e o fundo do poço

Desculpem o atraso – Ela, o feminismo e o BDSM

A última mensagem – Aprendendo sobre amor e perdão

Literalmente – O sentido dos textos e da vida

Cem vezes mais – Deus é fiel, tá sabendo?

.

LEIA NESTE BLOG

MarchandoComAsVadias-1Marchando com as vadias – Se ser vadia é ser livre para exercer a própria sexualidade, então todas as mulheres precisam urgentemente assumir sua vadiagem, para o seu próprio bem e o de suas filhas

Os apuros do homem feminista – Minha busca por relações igualitárias foi dificultada também porque muitas mulheres, mesmo oprimidas, preferiam relações baseadas no velho modelo machista

Me estupra, meu amor – Fantasiar ser estuprada é uma coisa – querer ser estuprada é outra coisa totalmente diferente

Dona de mim – Dona de mim já não sou mais / Quando aos teus pés me ajoelho assim / E em teu olho a chama do desejo atiça / A mulher louca e submissa que há em mim

A entrega – Memórias eróticas (Toni Bentley, Editora Objetiva/2005) – A bailarina filosofa sobre sua profunda experiência de amor e submissão através do sexo anal

Vocês Terráqueas – Seduções e perdições do feminino – Livro de contos e crônicas sobre a mulher

.

.

Seja Leitor Vip e ganhe:

– Acesso aos Arquivos Secretos
Promoções e sorteios exclusivos
Basta enviar e-mail pra rkelmer@gmail.com com seu nome e cidade e dizendo como conheceu o Blog do Kelmer (saiba mais)

.

.

Comentarios01COMENTÁRIOS
.

,

.

.
.

DesculpemOAtraso-01b.

 


Dona de mim

21/10/2013

21out2013

DonaDeMim-02

DONA DE MIM

.
Dona de mim já não sou mais
Quando aos teus pés me ajoelho assim
E em teu olho a chama do desejo atiça
A mulher louca e submissa que há em mim

De bom grado já não me pertenço
Docilmente me submeto à vontade tua
Se me queres agora toda nua, eu obedeço
E de quatro te ofereço minha carne crua

Bate, meu senhor, faz-me o rabo em brasa
Marca em mim o juramento da servidão
Ser sempre a escrava grata e obediente
E amar o peso ardente da tua mão

Bate, meu senhor, é minha pele que implora
O estalo do bom chicote nesta noite
Hoje sou eu a mulher mais livre e poderosa
Plena da dor gozosa do teu açoite

.
Ricardo Kelmer 2013 – blogdokelmer.com

.

.

.

DonaDeMim-02aCartaz com poema. Pra copiar.

.

> Postagem no Facebook

> Mais poemas e músicas

.

REPRODUZIRAM POR AÍ

A Submissão de Camine – A escrava Camine adaptou o poema, e também o título.

.

LEIA MAIS NESTE BLOG

ATortaDeChocolate-02A torta de chocolate – Sexo e chocolate. Para muita gente as duas coisas têm tudo a ver. Para Celina era bem mais que isso…

O íncubo – Íncubos eram demônios que invadiam o sono das mulheres para copular com elas, uma difundida crença medieval. Mas… e se ainda existirem?

Bettie Page, nós te amamos – Ela é um ícone da moda, da arte erótica e também do universo BDSM, inspirando artistas e fetichistas

A entrega – memórias eróticas (Toni Bentley, Editora Objetiva/2005) – Num relato autobiográfico, a bailarina filosofa sobre sua profunda experiência de amor e salvação pela submissão no sexo anal

.

SÉRIES ERÓTICAS DESTE BLOG

diametralninfajessi05bAs aventuras de Diametral e Ninfa Jessi – A mais bela e safada história de amor jamais contada

As taras de Lara – Desde pequena que Lara só pensa naquilo. E ai do homem que não a satisfaz

Um ano na seca – O que pode acontecer a um homem após doze meses sem sexo?

O último homem do mundo – O sonho de Agenor é que todas as mulheres do mundo o desejem. Para isso ele está disposto a fazer um pacto com o diabo. Mas há um velho ditado que diz: cuidado com o que deseja pois você pode conseguir…

Por trás do sexo anal (1) – Se esotérico significa a parte mais oculta de uma tradição ou ensinamento, aquilo que somente iniciados alcançam após muito estudo e dedicação, então o sexo anal é o lado esotérico do sexo

.

Seja Leitor Vip e ganhe:

 Acesso aos Arquivos Secretos
Descontos, promoções e sorteios exclusivos
Basta enviar e-mail pra rkelmer@gmail.com com seu nome e cidade e dizendo como conheceu o Blog do Kelmer (saiba mais)

.

.

Comentarios01COMENTÁRIOS
.

01- Posso divulgar? rs! Adorei! Rosana Marinho, Recife-PE – jul2013

02- Versos deliciosos, como sempre. Samara do Vale, Fortaleza-CE – jul2013

03- Ui. Marcos Felix, Ceilândia-DF – jul2013

04- Hot!! hot!! HOOOOOt! adoroooo! Débora Araújo, Fortaleza-CE – jul2013

05- Muito obrigada, Ricardo Kelmer Do Fim Dos Tempos!!! Ilana Dubiela, Fortaleza-CE – jul2013

06- Ai ai ai que loucura… Marialucia da Silveira, Campinas-SP – jul2013

07- Lindo! Adorei! Tatiane Sá, Cajamar-SP – jul2013

08- Perfeito,simples,quente e profundo.Parabens Ricardo Kelmer …como sempre neh… Raissa Santiago, Fortaleza-CE – jul2013

09- homem com dono!!! Shirlene Holanda, São Paulo-SP – jul2013

10- À toda! Daniel Perroni Ratto, São Paulo-SP – jul2013

11- Vte apresentar umas amiga faixa preta do Jiujitsu. Alberto Marsicano Rodrigues, São Paulo-SP – jul2013

12- adoreiiiiiiiiiii!!!!!!!!!!!!muito bom!!!!! Marijane Sampaio, Fortaleza-CE – out2013

13- Genial! Mariana Cunha, Fortaleza-CE – out2013

14- Por essas e outras, muitas outras, rsrsrsr, que esse cara é especial…rrsrsrsr. Regia Alves, Fortaleza-CE – out2013

15- Você é foda, amigo. “Sou seu ídolo”, hahaha. Abração! Marcelo Pinto, Rio de Janeiro-RJ – out2013

> Versão desta postagem no Facebook


Me estupra, meu amor

20/03/2013

20mar2013

Fantasiar ser estuprada é uma coisa – querer ser estuprada é outra coisa totalmente diferente

MeEstupraMeuAmor-4

ME ESTUPRA, MEU AMOR

.
Muitas mulheres têm a fantasia de ser estuprada. Eu, particularmente, conheço várias, de espevitadas adolescentes a respeitáveis senhoras. Obviamente, elas não desejam sofrer estupro real, e na fantasia a lógica é invertida, com a história se desenrolando conforme a vontade e o prazer de quem fantasia, mas isso não deixa de ser muito curioso. Numa época em que a cultura machista, que incentiva os crimes de estupro, está em xeque, e as mulheres a cada dia avançam mais na conquista dos direitos que o patriarcado sempre lhes negou, assumir ou mesmo falar desse tipo de fantasia é mexer num vespeiro e arriscar ser mal interpretado. Mas vamos lá.

Um dos perigos que ronda esse tema é o fato de que algumas pessoas não conseguem distinguir fantasia de realidade. Fantasiar ser estuprada é uma coisa – querer ser estuprada é outra coisa totalmente diferente. Usar o argumento “as mulheres fantasiam ser estupradas” para justificar estupros é típico de quem não distingue fantasia de realidade, ou de quem é canalha mesmo. Talvez, para a mulher, por trás da fantasia de ser estuprada esteja a ideia de ser tão irresistível a ponto do outro não conseguir se controlar e, assim sendo, ser dominada e forçada ao sexo seria a comprovação de seus poderes de sedução. Talvez. Não é novidade que a violência consentida, comum nos jogos sexuais entre parceiros, tem um forte atrativo afrodisíaco. Muitas mulheres assumem que adoram uma dose de dor no sexo. E outras muitas não dispensam puxão de cabelo, tapa, chicote, submissão e outros fetiches masoquistas.

Porém, há mulheres que brincam em público de serem desejadas sexualmente, e agem e se vestem com essa deliberada intenção – mas é tudo brincadeirinha, pois elas não estão realmente dispostas a fazer sexo. Bem, até aí tudo bem, pois atiçar o tesão alheio, ainda que de brincadeira, não é crime. Porém… isso não seria algo discutível do ponto de vista da ética? Ou não?

As mulheres, pelo menos em nossa cultura, gostam de brincar de provocar sexualmente, sabemos disso. Desde cedo elas parecem ter boa noção do poder sexual que possuem. Seria um fator cultural ou algo inerente à psique feminina? Talvez as duas coisas. Se elas sabem do poder sexual que têm, seria justo culpá-las, ainda que em grau menor, por provocar deliberadamente o desejo alheio? Ou não tem nada a ver? E como poderíamos definir exatamente o que é provocação?

Acho que nem a mulher nem ninguém deve ser culpado por provocar, ainda que deliberadamente, o desejo sexual alheio, pois todos devem ter o direito de expressar sua sexualidade livremente. Se o homem concorda que a mulher é livre para brincar com seu poder sexual, deve aprender a relaxar com as brincadeiras delas. Se discorda, é um sério candidato a ter problemas com as mulheres e até com a polícia.

Não neguemos à mulher o prazer de sentir-se desejada, e compreendamos suas brincadeirinhas sádicas de nos provocar – elas são lindas também por isso. E quando elas quiserem, participemos de bom grado de suas fantasias, por estranhas que sejam. O prazer da mulher sempre faz as manhãs mais bonitas.
.

Ricardo Kelmer 2013 – blogdokelmer.com

.

.

MAIS SOBRE ESTUPRO

MeEstupraMeuAmor-4O que desperta o desejo sexual feminino? (por Ivan Martins e Francine Lima) – Boa matéria da revista Época (2009) sobre o desejo sexual feminino.
Trecho da matéria: O desejo feminino parece depender diretamente da urgência demonstrada pelo homem em copular. Como ocorre com muitos elementos da vasta e contraditória psique humana, há consequências perversas na opção sexual das mulheres pelo prazer do outro. Uma delas é a divergência entre o que o corpo diz e o que a mente ouve, capturada no estudo de Meredith. A outra, perturbadora, é a fantasia do estupro. Os especialistas pisam em ovos ao falar sobre isso, mas o fato é que as mulheres têm fantasias recorrentes de serem submetidas pela força. Por trás disso, encontra-se, aparentemente, a ilusão narcisista (e excitante) de ser tão atraente, tão irresistível, que os homens seriam incapazes de conter sua luxúria. “As fantasias de estupro são muito mais recorrentes do que as pessoas imaginam”, diz o terapeuta Finotelli. Isso quer dizer que essas mulheres gostariam de ser estupradas? Não. Não. E, mais uma vez, não. Trata-se de uma fantasia íntima que dispara desejos sexuais. Ela não esconde a vontade oculta de sofrer a violência sórdida de um estupro. “As mulheres querem ser encostadas no muro, mas não colocadas em perigo”, diz Marta Meana. “Elas querem um homem das cavernas atencioso”. Quem seria capaz de cumprir tal papel?

O estupro de mulheres é prazeroso pra quem? (por Lola Aronovich) – Em Quando os Adams Saíram de Férias, romance de Mendal W. Johnson sobre um grupo de jovens de 10 a 17 anos que torturam e matam sua babá de 19, o narrador, embora critique a crueldade infantil, acaba culpando a vítima. Um livro como este pode ser considerado misógino apenas pelo material. É quase um manual de instruções de como se torturar alguém. Aliás, alguém assim, sem gênero, não. Uma mulher. As torturas inflingidas a Barbara são basicamente dedicadas a todas as mulheres.

Estupro leva Índia a exame de consciência em busca de respostas (Por Andrew North, da BBC News em Nova Déli) – O estupro e morte de uma estudante de 23 anos em Nova Déli espalhou uma onda de indignação pela Índia. Mas será que uma visita a uma área da cidade central nessa história oferece alguma pista sobre a direção para a qual se encaminha o país?

Guru diz que indiana que sofreu estupro coletivo foi culpada – Um guru espiritual provocou revolta na Índia por um causa de um comentário bizarro: segundo Asaram Bapu, a estudante de 23 anos que sofreu estupro coletivo em um ônibus e depois morreu em um hospital foi tão culpada pelo crime quanto os seus agressores.

Fetiches sórdidos que as mulheres não têm coragem de pedir – Entre as fantasias sexuais femininas, é muito comum a fantasia de ser pega à força. Há outras fantasias comuns mas muitas mulheres não as assumem perante seus parceiros, com medo de serem incompreendidas e rejeitadas. No site papodehomem.com.br há um texto bastante interessante, escrito por uma mulher.

Garota é presa após fazer falsa denúncia de estupro contra amante – Poizé, os homens correm esse risco.

Com medo da mãe, jovem tenta registrar falsa denúnica de estupro – Se o sexo houver sido violento (com consentimento), o denunciado fatalmente será considerado culpado e preso.

SexoEstuproIrreversivel-310 filmes com estupro – Irreversível, Laranja Mecânica, Sob o Domínio do Medo, Pixote, a Lei do Mais Fraco, Saló ou Os 120 Dias de Gomorra, Acusados, Amargo Pesadelo, Preciosa, O Enigma do Mal, Meninos Não Choram, Ensaio Sobre a Cegueira.

Monica Belucci fala sobre cena de estupro em “irreversível” – A atriz italiana comenta a perturbadora cena do filme do diretor Gaspar Noé.

.

CAMILA
Rock da banda Nenhum de Nós (1988) que fala sobre abuso sexual

Entrevista com Teddy Corrêa, autor da letra de Camila

.

MAIS SOBRE SEXUALIDADE FEMININA

incubo009aO íncubo – Íncubos eram demônios que invadiam o sono das mulheres para copular com elas  uma difundida crença medieval. Mas… e se ainda existirem?

Medo de mulher – Como não temer algo que tem o poder de gerar e nutrir a vida? E, caramba, como não temer um bicho que sangra durante dias e não morre?

Marchando com as vadias – Se ser vadia é ser livre para exercer a própria sexualidade, então todas as mulheres precisam urgentemente assumir sua vadiagem, para o seu próprio bem e o de suas filhas

Lolita, Lolita – Ela é uma garotinha encantadora. E eu poderia ser seu pai. Mas não sou

A gota dágua – A tarde chuvosa e a força urgente do desejo. Ela deveria resistir mas…

A torta de chocolate – Sexo e chocolate. Para muita gente as duas coisas têm tudo a ver. Para Celina era bem mais que isso…

O mistério da cearense pornô da California – Uma artista linda e gostosa, intelectual e transgressora, que adora perversões e, entre uma e outra orgia, luta pela liberação feminina

Pimbando e discutindo a relação em 50 tons – Um romance pornográfico, fenômeno de vendas, escrito por uma mulher, milhões de mulheres no mundo inteiro lendo e comentando… É, eu teria mesmo que ler

.

DICAS DE LIVROS

IFTCapa-04aIndecências para o fim de tarde
Ricardo Kelmer, contos eróticos

Uma advogada que adora fazer sexo por dinheiro… Um ser misterioso e sensual que invade o sono das mulheres… Os fetiches de um casal e sua devotada e canina escrava sexual… Uma sacerdotisa pagã e seu cavaleiro num ritual de fertilidade na floresta… A adolescente que consegue um encontro especial com seu ídolo maior, o próprio pai… Seja provocando risos e reflexões, chocando nossa moralidade ou instigando nossas fantasias, inclusive as que nem sabíamos possuir, as indecências destes 23 contos querem isso mesmo: lambuzar, agredir, provocar e surpreender a sua imaginação.

A Entrega – Memórias eróticas (Toni Bentley, Editora Objetiva/2005) – A ex-bailarina filosofa sobre sua profunda experiência de amor e salvação por meio da submissão no sexo anal

.

.

Seja Leitor Vip e ganhe:

– Acesso aos Arquivos Secretos
– Descontos, promoções e sorteios exclusivos
Basta enviar e-mail pra rkelmer@gmail.com com seu nome e cidade e dizendo como conheceu o Blog do Kelmer (saiba mais)

.

.

Comentarios01COMENTÁRIOS
.

01– Estupro como fantasia não é estupro de verdade, porque não há perigo real de morte e principalmente, a mulher provavelmente sentirá prazer e não medo. Nas fantasias, nós controlamos o que acontece, e num estupro de verdade o agressor não vai parar se a mulher pedir, só para dar um exemplo superficial. É importante que isso fique claro. A descrição da menina, pelo menos esse trecho destacado acima, deixa isso claro, na minha opinião. O problema é quando a sociedade acha que o estupro é justificável porque no fundo a vítima queria ou provocou a situação. Sheryda Lopes, Fortaleza-CE – jan2013

02- Arrasou, tio prof! Não tenho essa fantasia, mas acho até natural. Deve ser como brincar de polícia e ladrão na infância. Há pouco tempo pesquisei sobre p a conclusão de um livro, é totalmente comum essa fantasia. Pesquisem sobre GOR e encontrarão fantasias mais chocantes. Paula Izabela, Juazeiro do Norte-CE – jan2013

03- Estupro é violência. Onde está a tão apregoada violência contra a mulher? Reclamar de uns tapas e desejar ser violentada?! Te estuprem. Meu querido Ricardo Kelmer Do Fim Dos Tempos não te interpreto mal. Não interpreto esse desejo feminino. José Alberto Simonetti, Fortaleza-CE – mar2013

04- A maioria da mulheres no Brasil passa por momentos sufocantes. Um deles é ser ou não virgem. E essa situação é tão esmagadora e tirânica que muitas até desejam o estupro para poder se livrar da virgindade sem culpa. Acontece que às vezes o pensamento fica, mas é só uma fantasia. Como a maioria dos homens, que tem a fantasia de dá o furico a outro homem, mas não querem fazer isso realmente, é só fantasia. (ou querem?) Luciana Queiroz, Campina Grande-PB – mar2013

05- ter “fantasias” de um estupro é algo de DANTESCO para uma maioria puritana e suprimida. Particularmente passei anos tendo cá as minhas…kkkkkkkkkkkk e tenho sorte realizei todas. Inclusive a do moreno alto de olhos verdes na rua escura…aiaiaiaia. Ira de Guadalupe, Campina Grande-PB – mar2013

06- NAO PRECISAVA NEM SER NUMA RUA ESCURA, SO UM MORENO DE OLHOS VERDES JA ESTARIA OTIMO PRA MIM. Bruna Barros, Campina Grande-PB – mar2013

07- kkkkkkkkkkkkkkkkkk as ASSUMIDAS da rua escura e do moremo aiaiaia°/ Bruna Barros, vamos ser execradas pelas feministas marronmenuamadas. Ira de Guadalupe, Campina Grande-PB – mar2013

08- ahhh então és a favor do fio terra Ricardo Kelmer Do fim dos Tempos??? Zona erógena masculina… o que você acha de alguém sem você esperar, sem estar no teu jogo de sedução enfiar algo no teu cu, educadamente Anus…??? Aline Souza, Campina Grande-PB – mar2013

09- boa, Ricardo! Julia Caputi, Mirassol-SP – mar2014

10- Gio Conda leia! Vanessa Andion, Macieó-AL – mar2014

11- mto bom viu. Gio Conda, Fortaleza-CE – mar2014

12- esse é o Rica que aprendemos a amar…rs. Magna Mastroianni, São Paulo-SP – mar2014

13- Texto ambíguo. Não consegui definir a sua opinião acerca do tema da moda. Russana Melo, Fortaleza-CE – mar2014

14- É verdade, estupro só “de mentirinha”, uma brincadeirinha a dois, só pra variar, nada a ver com ser obrigada fazer sexo, inclusive com o maridão, será que é tão difícil de entender isso?????? Marialucia da Silveira, Campinas-SP – mar2014

15- Nem sempre uma mulher de roupa curta está querendo ser sexy, assim como um homem sem camisa também não. Esse é outro mito que há muito já devia ter caído por terra. A avassaladora 24h é muito mais uma fantasia ( via de regra masculina) que qualquer outra coisa… Ciça Andrade, Fortaleza-CE – mar2014

16- Porque vc náo fala também do estupro masculino ou da violéncia sexual praticada contra os meninos ???!!! Seria um tema interessante pra se discutir….. Katia Mota, Beberibe-CE – mar2014

17- Também achei a opinião ambígua. Estamos falando a respeito do estupro como sendo uma forma de violência, poder e opressão masculina e não de desejo sexual. Fetiche feminino como brincadeirinhas de casal, mas, e muito mais, atrelamos a cultura machista e a forma consciente de manter sob as mulheres o prazer do poder e da dominação. Vamos “levar a sério” o trato do tema, despir esteriótipos e levar ao ápice do prazer desta “causa” o RESPEITO! Marília Cláudia, Campina Grande-PB – mar2014

18- Estupro entra nos primeiros lugares em todas as listas de fantasias femininas, só fica atrás de fantasias ligadas a exibicionismo! Estudos indicam que mais da metade das mulheres tem fantasias desse tipo. Quem não percebe isso deve estar engatinhando na caliginosa “arte do sexo” ou na misteriosa mente das mulheres. Alexandre Domene Ortiz, Fortaleza-CE – abr2014

19- Ouço opiniões de respaldo ou da cultura do “lepo-lepo”? kkkkkkk… lamentável! Marília Cláudia, Campina Grande-PB – abr2014

20- Marilia Claudia, seria bom termos acessos a essas pesquisas e listas de fantasias em q aparecem essas fantasias q são atribuídas às mulheres… Inclusive eu gostaria de saber se a arte do sexo envolve forçar brutalmente e violentamente pessoas que não querem fazer sexo, pois me parece que é um estupro. Se algumas mulheres têm essa fantasia de “estupro de mentirinha”, sendo forçadas brutalmente e violentamente pelos parceiros, então que se pronunciem… ou especifiquem o que elas estão chamando de “fantasia de estupro”… Miguel Leocádio Araújo, Fortaleza-CE – abr2014

21- Isso mesmo…e a credibilidade de tais pesquisas. Para ser sincera, li uma revista (tipo aquelas de “fofoca”) com uns resultados de “pesquisas” em que seria mesmo uma fantasia feminina. Lendo em detalhes, vê-se que estão falando do sadomasoquismo e do prazer da dominação masculina. Configura-se isto estupro? Marília Cláudia, Campina Grande-PB – abr2014

22- Pois é, eu tb já vi exatamente essa pesquisa, q não dá as fontes. Se é tudo de comum acordo entre os apreciadores do sado-masoquismo e da estilização do sexo violento, como pode ser estupro, se neste último a pessoa a pessoa é forçada a fazer o que ela não quer com querm ela não quer de forma violenta?? Sinceramente, creio que a fantasia se distancia e muito da realidade, nestes casos… Miguel Leocádio Araújo, Fortaleza-CE – abr2014

23- Não nego aqui a intencionalidade de algumas mulheres em gostar/gozar da submissão, entrega, sadomasoquismo e outras taras: vale qualquer coisa para pôr para escanteio os sentimentos que atrapalham o prazer sexual. Mas, enquanto a FANTASIA cria ambientes SEGUROS para deixarmos aflorar a excitação… o ESTUPRO, é perverso, violenta, fere… Marília Cláudia, Campina Grande-PB – abr2014

24- Os céticos precisam de dados? OK, posso começar com esses mas tem muito material na rede e não estou falando de revistas de fofocas e sim de sites de psicologia e medicina, as próprias pesquisas estão disponíveis. http://www.psychologytoday.com/blog/all-about-sex/201001/womens-rape-fantasies-how-common-what-do-they-mean Alexandre Domene Ortiz, Fortaleza-CE – abr2014

25- O subjugar a mulher na hora do sexo é muito mais fantasia do homem, do que da mulher. Daniele Bezerra, Fortaleza-CE – mar2014

26- Não confundam fantasias de dominação e sadomasoquismo com fantasias de estupro, que é sexo não consentido. As primeiras são mais comuns entre os homens, ( vc tem toda razão cara Daniele), mas fantasias com estupro é muitíssimo mais comum entre as mulheres. E não se envergonhem por isso moças e senhoras , no mundo da fantasia tudo é permitido. Alexandre Domene Ortiz, Fortaleza-CE – abr2014

27- Miguel Leocádio Araújo, VOCE É MUITO CHATO criatura! Der asas a sua imaginação e deixe de s e reter na palavra estupro rapaz! Ela pode ser enquadrada na categoria de muitas interpretações e não apenas no ato sexual entre a vitima e o criminoso. Coisa chata! Isso é uma crônica e não uma tese de doutorado. Você está sendo violentado pelo seu próprio EGO, com tanta defesa a seu favor e desejando se promover neste tópico e na sua página. Um olhar rápido foi suficiente para perceber. Que homem chato! Conheço pessoas maravilhosas do nordeste brasileiro, mas você é uma das exceções. Chatice em vastidão.
O Ricardo na sua educação respondendo os comentários e você o afrontando com esse ar de “VOCÊ DEVERIA”. Quem é você para impor para um escritor o que ele deve ou não fazer? O escritor é livre… Dizia a Lispector que escrever é uma maldição que salva e outros escritores afirmam que é a maldição da entrega completa.
O Ricardo escreve o que pensa… O que sente… O que vive… ou NÃO e compete ao leitor entender, aceitar ou não o texto sem que use de afronta. Está evidente que você estava no rastro (inclusive do tempo… rsrsrrsr) dos comentários do Ricardo. Nesta crônica a interpretação vai de acordo com a visão de cada pessoa. A sua está truncada pelos padrões de uma sociedade machista usando a mascara do bom samaritano em defesa do seu próprio ego. Nada ficou ambíguo Ricardo. Você deixou bem CLARO no inicio da sua crônica a diferença entre estupro criminoso e o desenrolar da sua cônica. Ambígua é a mente de quem não sabe entender as entrelinhas do seu texto e não leva a vida leve sem esses paradigmas que o mundo lhes impõe. Parabéns Ricardo Kelmer. Um brinde as fantasias e a palavra estupro sem criminalidade. Tim Tim! Amanda Pontes, Florianópolis-SC – abr2014

28- …a palavra estupro sem criminalidade… hahaha Miguel Leocádio Araújo, Fortaleza-CE – abr2014

29- Olha aí, Ricardo Kelmer, a sua amiga mandou eu me calar, rapaz!!! Que atitude bacana, vinda de uma mulher. Sinaliza que nem todas têm essas tendências à submissão. hahaha Pois então, vou fazer o seguinte, vou obedecê-la e vou me calar, embora eu ache que estava começando a entender um pouco do que quis dizer na sua crônica… Miguel Leocádio Araújo, Fortaleza-CE – abr2014

30- Miguel Leocadio Araujo, prefiro um milhão de vezes a tua suposta “chatice” a essa história de dizer, seja em tese de doutorado ou em ficção, mesmo com base em pesquisas, que mulheres têm a fantasia de serem estupradas. Cadu Bezerra, Fortaleza-CE – abr2014

31- Eu sinceramente não tive dificuldade em entender a proposta da crônica. Vamos a minha experiência, suponhamos que eu esteja sem o desejo sexual para com meu parceiro naquele momento. E ele vem até mim de forma brusca dizendo que me quer agora e que naquele momento eu não tenho escolha, já começo a desenvolver uma excitação discreta. Que tende a crescer quando eu permito em minha mente, a medida que mantenho o jogo dizendo que não quero (kkkkk) simulando a situação de vítima. Durante o ”jogo” existe situações que machucam, que deixam hematomas…esses detalhes deixam a brincadeira parecendo um estupro e isso me proporciona prazer. Para esse prazer acontecer os limites de dor tem que existir, bem como a comunicação minha com o parceiro. É nesse aspecto que o estupro deixa de ser violência e passa a ser fantasia. Vê bem, isso não quer dizer que se um maníaco fizer o mesmo eu vá me excitar. É preciso da atração sexual pela pessoa antes da vontade propriamente dita de fazer sexo. Maria Rosa Dorand, Campina Grande-PB – abr2014

32- Miguel Leocádio Araújo eu acredito que não são todas as mulheres que sentem prazer numa fantasia desse tipo. Ao comentar com amigas pude ver que a mesma situação causava frigidez a elas, mas essa fantasia existe e não diz respeito a andar na rua e ser pega, mas de descontrolar aquele que busco conquistar diariamente. Maria Rosa Dorand, Campina Grande-PB – abr2014

MeEstupraMeuAmor-4a


Pimbando e discutindo a relação em 50 tons

26/12/2012

26dez2012

Talvez seja exatamente esse o pulo do gato da trilogia: sexo e DR, sexo e DR, e nos intervalos o glamour de uma vida bilionária

PimbandoEDiscutindoARelacaoEm50Tons-1

PIMBANDO E DISCUTINDO A RELAÇÃO EM 50 TONS
.

Uma jovem e virgem estudante de literatura, que vive uma história de amor com um bilionário lindo que curte fantasias sexuais de dominação e submissão. Ao saber da trilogia 50 Tons de Cinza, eu, pervertido que sou, fiquei curioso. Um romance pornográfico, fenômeno de vendas, escrito por uma mulher, milhões de mulheres no mundo inteiro lendo e comentando… É, eu teria mesmo que ler.

E li. E não gostei. De fato, é literatura ruim. A linguagem, simplória e açucarada, lembra romance barato de banca de revista. Por sua autora não ser escritora profissional, a história tem falhas estruturais básicas e não finaliza bem as expectativas criadas, típico de quando não se tem um roteiro com o arco narrativo bem definido a guiar a história. Em 50 Tons, percebe-se uma espontaneidade ingênua e meio adolescente, o que confirma o que autora diz sobre ter escrito apenas com o intuito de extravasar suas próprias fantasias eróticas.

No começo, até que a história me capturou a atenção, pois, além da promessa de cenas BDSM, o suspense estava bem dosado pelos capítulos. As trepadas do casal Anastasia e Christian, no entanto, mesmo sendo detalhistas, não me empolgaram. No segundo livro, o sexo se tornou repetitivo, e cada vez mais baunilha e melodramático, e no terceiro eu bocejava enquanto os dois faziam amorzinho. E terminei a leitura entediado pelo amor possessivo e ciumento do casal, e lamentando que as perversões BDSM não tenham sido melhor exploradas.

A autora Erika Leonard James criou um conto de fadas moderninho, onde a heroína luta bravamente por seu príncipe encantado, corre mil perigos e, no fim, é recompensada com um belo casamento e uma prole maravilhosa – com a diferença que rola muito sexo e situações que representam bem certos fetiches femininos. Então, temos a cinderela a escovar os dentes com a escova do príncipe, usando sua cueca, fazendo sua barba… Ela chega a ser disputada pelos homens num leilão de dança e quase é estuprada pelo chefe malvado. Ela brilha em roupas de grife, degusta vinho em restaurantes chiques, abala em festas glamourosas, passeia de iate e helicóptero e é presenteada com joias e automóveis de luxo. E não faltam clichês de filmes de ação, como perseguição de carros, espionagem e vilões que querem a infelicidade da mocinha. E tome orgasmos incrivelmente sincronizados, entre litros de lágrimas e toneladas de declarações de amor eterno.

Em 50 Tons, porém, há algo que tem tão ou mais poder de sedução sobre o público feminino que o sexo: a DR. Putz, como Anastasia e Christian discutem a relação! Metade da história se passa com a mocinha a pensar, ponderar, refletir, analisar e conjecturar sobre seu lance com o mocinho. Bem, talvez seja exatamente esse o pulo do gato da trilogia: sexo e DR, sexo e DR, e nos intervalos o glamour de uma vida bilionária.

Não me passou despercebido que o texto, ao menos na versão brasileira, não cita o nome do órgão sexual feminino. Temos pau, bunda, cu e até clitóris, mas não temos buceta, xoxota, nem sequer vagina. No máximo, temos “sexo” ou “ali”. Por que essa desfeita para com a perseguida? De todo modo, espero que 50 Tons contribua para que mais mulheres se interessem por literatura erótica e também, é claro, por mais sacanagem em suas vidas. Nós, pervertidos, agradecemos.

.
Ricardo Kelmer 2012 – blogdokelmer.com

.

.

SAIBA MAIS

Entrevista com E.L. James, Revista Veja, 08.08.12

 Sexo, sexo, sexo, do começo ao fim, no livro mais falado do momento – e o mais vendido no mundo, blog do Ricardo Setti, 24.06.12

BDSM – Os fetiches sexuais que envolvem bondage, dominação, submissão e sadomasoquismo.

A História de O – Um clássico da literatura erótica sobre uma jovem parisiense que se deixa escravizar por seu amante

.

FILME (legendado)

.

.

LEIA MAIS NESTE BLOG

A entrega – memórias eróticas (Toni Bentley, Editora Objetiva/2005) – A bailarina filosofa sobre sua profunda experiência de amor, submissão e salvação por meio do sexo anal

O diário de Marise – A vida real de uma garota de programa (Vanessa de Oliveira, Matrix Editora/2006) – Em casa, uma mãe dedicada. Na faculdade de enfermagem, uma aluna esforçada. Nos hotéis e motéis onde atende, uma garota de programa muito requisitada

A prostituta sagrada – A face eterna do feminino (Nancy Qualls-Corbett, Editora Paulus/1990) – Este livro mostra como nossa vitalidade e alegria de viver dependem de restaurarmos a alma da prostituta sagrada, a fim de nos proporcionar uma nova compreensão da vida

.

SÉRIES ERÓTICAS DESTE BLOG

As aventuras de Diametral e Ninfa Jessi – A mais bela e safada história de amor jamais contada

As taras de Lara – Desde pequena que Lara só pensa naquilo. E ai do homem que não a satisfaz

Um ano na seca – O que pode acontecer a um homem após doze meses sem sexo?

O último homem do mundoO sonho de Agenor é que todas as mulheres do mundo o desejem. Para isso ele está disposto a fazer um pacto com o diabo. Mas há um velho ditado que diz: cuidado com o que deseja pois você pode conseguir…

Por trás do sexo anal (1) – Se esotérico significa a parte mais oculta de uma tradição ou ensinamento, aquilo que somente iniciados alcançam após muito estudo e dedicação, então o sexo anal é o lado esotérico do sexo

.

MAIS SOBRE SEXUALIDADE FEMININA

OIncubo-06O íncubo – Íncubos eram demônios que invadiam o sono das mulheres para copular com elas – uma difundida crença medieval. Mas… e se ainda existirem?

Lolita, Lolita – Ela é uma garotinha encantadora. E eu poderia ser seu pai. Mas não sou

A gota dágua – A tarde chuvosa e a força urgente do desejo. Ela deveria resistir, mas…

A torta de chocolate – Sexo e chocolate. Para muita gente as duas coisas têm tudo a ver. Para Celina era bem mais que isso…

Lola Benventutti e a coragem de viver – A única salvação possível é sermos quem verdadeiramente somos. Parabéns, Lola, por sua coragem e autenticidade

Vocês Terráqueas – Seduções e perdições do feminino – Livro de contos e crônicas sobre a mulher

.

DICA DE LIVRO

IFTCapa-04aIndecências para o fim de tarde
Ricardo Kelmer – contos eróticos

Uma advogada que adora fazer sexo por dinheiro… Um ser misterioso e sensual que invade o sono das mulheres… Os fetiches de um casal e sua devotada e canina escrava sexual… Uma sacerdotisa pagã e seu cavaleiro num ritual de fertilidade na floresta… A adolescente que consegue um encontro especial com seu ídolo maior, o próprio pai… Seja provocando risos e reflexões, chocando nossa moralidade ou instigando nossas fantasias, inclusive as que nem sabíamos possuir, as indecências destes 23 contos querem isso mesmo: lambuzar, agredir, provocar e surpreender a sua imaginação.

.

.

Seja Leitor Vip e ganhe:

– Acesso aos Arquivos Secretos
– Descontos, promoções e sorteios exclusivos
Basta enviar e-mail pra rkelmer@gmail.com com seu nome e cidade e dizendo como conheceu o Blog do Kelmer (saiba mais)

.

.

COMENTÁRIOS
.

01- Adorei a crítica sobre os 50 tons de putaria! Não li na íntegra, mas o pouco que li achei logo a cara de Bianca! Não entendo tanto frisson em cima deste livro…aaarrghhh. Kathia Albuquerque, Porto Seguro-BA – dez2012

02- Pra mim funciona tão diferente…quando vejo muita gente em cima, falando, discutindo demais, acaba não me interessando. Não li e dificilmente vou ler. Dri Flores, São Paulo-SP – dez2012

03- mais açúcar senhor? muito meloso argh. Elaine Christina, Campina Grande-PB – dez2012

04- Tem uma linguagem adolescente e poderia ter umas 100 paginas a menos. Eh bonzinho, distrai, mas nem de longe faz jus ao disse-me-disse que a midia fez… Marta Lima, Rio de Janeiro-RJ – dez2012

05- li e descobri q o meu love sabe mais coisas…. se aquilo e sadismo nao acho…. livrinho bobo… tao bobo quanto a garota da estoria…. Dhara Bastos, Fortaleza-CE – dez2012


Bettie Page, nós te amamos

14/01/2011

14jan2011

Ela é um ícone da moda, da arte erótica e também do universo BDSM, inspirando artistas e fetichistas

BettiePageNosTeAmamos-01

BETTIE PAGE, NÓS TE AMAMOS

.
Você a conhece. E gosta dela que eu sei. Já a viu muito por aí, em cartazes, revistas, bottons e camisetas. Já topou com ela em sites e até em tatuagens. Talvez você apenas não saiba seu nome. Pois bem, ela se chama Bettie. É a mais famosa de todas as pin-ups. Não, ela é mais que isso: ela é “a” pin-up. Na verdade, a moça é um incrível fenômeno cultural. Ela é Bettie Page.

Nascida em Nashville, no Tennessee, EUA, em 1923, Bettie teve infância pobre. Sua família era religiosa e ela sofreu abusos sexuais por parte do pai. Estudou moda, formou-se em Artes, atuou em teatro e trabalhou como secretária. A partir de 1950, morando em Nova York, ficou famosa posando para fotos sensuais onde exibia seu lindo rosto, seu corpo perfeito e o cabelão negro de franjinha, que se tornaria marca registrada.

Mas Bettie não era só beleza. Além de ser graciosa e encantadora, ela possuía um imenso talento para posar, conseguindo transmitir ao mesmo tempo malícia e inocência, ousadia e espontaneidade. Para Bettie, exibir seu corpo nu era algo tão natural que o trabalho se tornava brincadeira, e esse clima de naturalidade e alegria é visível em suas fotos.

Foi com o fotógrafo Irving Klaw, porém, que a carreira de Bettie seguiu um rumo mais ousado. Vendo que o mercado queria novidades, ele apostou na pornografia, inserindo nas fotos elementos de fetiche sadomasoquista, e Bettie achou aquilo ainda mais divertido. Roupas de couro preto, chicotes, mulheres amordaçadas, simulação de dominação – as novas fotos fizeram tanto sucesso que ajudaram a criar uma tendência artística, o que incomodou a mentalidade careta da época que, visando combater a pornografia, forçou a criação de uma comissão de investigação no Senado. A paranoia puritana felizmente esbarrou no direito constitucional à liberdade de expressão, porém, não obstante a arte pornográfica ter seguido livremente seu caminho, a carreira de Bettie infelizmente minguou a partir daí.

Em 1958, Bettie sumiu da cena artística. Casou-se novamente e separou-se. Tentou, sem sucesso, a carreira de atriz, tornou-se religiosa fervorosa e decidiu envelhecer longe da mídia, sendo raras fotos e entrevistas suas desse período posterior. Acometida de depressão e surtos esquizofrênicos, envolveu-se em episódios de violência e internou-se em hospitais psiquiátricos. E morreu em 2008, aos 85 anos.

Hoje, meio século após o fim de sua carreira e mesmo com a popularização da pornografia, que faz as fotos daquela época parecerem coisa de criança, a imagem da rainha das pin-ups continua a se espalhar pelo mundo e seu estilo é insistentemente copiado. Ela é um ícone da moda, da arte erótica e também do universo BDSM (bondage, dominação e sadomasoquismo), inspirando artistas e fetichistas. Quadrinhos, documentários e biografias não autorizadas foram feitos sobre ela. O filme Bettie Page (The Notorius Bettie Page, 2005) mostra sua vida da infância ao fim da carreira de modelo, e um dos atrativos é a perfeita caracterização da atriz Gretchen Mol, que interpreta Bettie.

Da próxima vez, fique atento: é Bettie quem te sorri na fila da boate, no ímã de geladeira, naquele quadro no motel. Porque somos todos pornográficos. E é por isso que amamos Bettie Page.

 

.
Ricardo Kelmer 2011 – blogdokelmer.com

.

.

BettiePage-07O FILME

Bettie Page/The Notorious Bettie Page
Direção: Mary Harron, EUA/2005
Elenco: Gretchen Mol, Chris Bauer, David Straithairn, Jared Harris, Lili Taylor e Sarah Paulson
Roteiro: Mary Harron e Guinevere Turner
Produção: HBO Films, Killer Films, John Wells Productions
P&B e Cor, 91 min.

.

Na Wikipedia – Saiba mais sobre Bettie Page

Vídeos – Uma seleção de vídeos com Bettie Page no Vimeo

.

FILME (legendado em português)

.

.

FOTOS
clique para ampliar

.

Graciosa

.

Não lembra as fotos amadoras que fazemos
com a namorada no motel?

.

Bons tempos aqueles em que as mulheres não
queriam ser esqueletos…

.

Queremos mulher carnuda!

..

Escrava sexual. Quem nunca sonhou ter uma?

.

BettiePage-09aMusa dos naturistas

.

Bettie, o anjo pornográfico

.

Bettie aos 81 anos, com Anna Nicole Smith e
Pamela Anderson em festa da Playboy (2003)

.

Cena do filme Bettie Page (2005)

.

.

DICA DE LIVROS

A entrega – memórias eróticas (Toni Bentley, Editora Objetiva/2005) – A bailarina filosofa sobre sua profunda experiência de amor, submissão e salvação pelo sexo anal

O diário de Marise – A vida real de uma garota de programa (Vanessa de Oliveira, Matrix Editora/2006) – Em casa, uma mãe dedicada. Na faculdade de enfermagem, uma aluna esforçada. Nos hotéis e motéis onde atende, uma garota de programa muito requisitada

A prostituta sagrada – A face eterna do feminino (Nancy Qualls-Corbett, Editora Paulus/1990) – Este livro mostra como nossa vitalidade e alegria de viver dependem de restaurarmos a alma da prostituta sagrada, a fim de nos proporcionar uma nova compreensão da vida

.

MAIS SOBRE SEXUALIDADE FEMININA

OIncubo-06O íncubo – Íncubos eram demônios que invadiam o sono das mulheres para copular com elas – uma difundida crença medieval. Mas… e se ainda existirem?

Lolita, Lolita – Ela é uma garotinha encantadora. E eu poderia ser seu pai. Mas não sou

A gota dágua – A tarde chuvosa e a força urgente do desejo. Ela deveria resistir, mas…

A torta de chocolate – Sexo e chocolate. Para muita gente as duas coisas têm tudo a ver. Para Celina era bem mais que isso…

Vocês Terráqueas – Seduções e perdições do feminino – Livro de contos e crônicas sobre a mulher

A noiva lésbica de Cristo – Se hoje a sexualidade feminina ainda apavora a mentalidade cristã, no século 17 ela era algo absolutamente demoníaco

.

SÉRIES ERÓTICAS DESTE BLOG

As aventuras de Diametral e Ninfa Jessi – A mais bela e safada história de amor jamais contada

As taras de Lara – Desde pequena que Lara só pensa naquilo. E ai do homem que não a satisfaz

Um ano na seca – O que pode acontecer a um homem após doze meses sem sexo?

O último homem do mundo – O sonho de Agenor é que todas as mulheres do mundo o desejem. Para isso ele está disposto a fazer um pacto com o diabo. Mas há um velho ditado que diz: cuidado com o que deseja pois você pode conseguir…

Por trás do sexo anal (1) – Se esotérico significa a parte mais oculta de uma tradição ou ensinamento, aquilo que somente iniciados alcançam após muito estudo e dedicação, então o sexo anal é o lado esotérico do sexo

.

.

Seja Leitor Vip e ganhe:

– Acesso aos Arquivos Secretos
– Promoções e sorteios exclusivos
Basta enviar e-mail pra rkelmer@gmail.com com seu nome e cidade e dizendo como conheceu o Blog do Kelmer (saiba mais)

.

.

 COMENTÁRIOS
.

.

.

.

.

BettiePageNosTeAmamos-01a


<span>%d</span> blogueiros gostam disto: