O desejo da Deusa

12out2015

Um encontro na praia, as forças da Natureza e um deus repressor

ODesejoDaDeusa-02

O DESEJO DA DEUSA

.
– Aí eu fico pensando o que Deus vai pensar de mim! – Zoé respondeu, angustiada. E Monquita balançou a cabeça, sem acreditar, como a amiga podia ser tão reprimida?

O céu de Jericoacoara parecia um manto negro cravejado de lantejoulas, tantas as estrelas, tão brilhantes eram. Zoé olhou para elas e, mesmo sabendo que a noite estava linda, não conseguia ver nenhuma beleza. Ela suspirou, desanimada. Estava em apuros. Uma parte sua ansiava pelo moço, mas a outra parte se aterrorizava diante de tal ânsia…

O moço. Ela o conhecera na noite anterior, no ônibus que os levaria a Jericoacoara: ele sentou na poltrona ao lado, entre eles apenas o vazio do corredor. O moço era jovem, moreno, bonito, tinha uns olhinhos verdes… Parecia tímido, e isso lhe dava um certo charme. E a observava! Discretamente, sim, mas não tanto que ela não pudesse perceber.

– Essa viagem promete, heim…

Era a amiga Monquita, lhe beliscando o braço.

– Sua boba. Ele é bem mais novo que eu.

– Pronto. Já começou a se boicotar…

Ela pensou em retrucar, mas desistiu. Estava cansada, queria aproveitar as próximas horas de estrada para dormir. E foi o que fez.

Acordou somente para a troca de carros, na cidadezinha de Jijoca. E foi enquanto passavam as mochilas para a caminhonete que ela soube que em Jericoacoara o moço se hospedaria na mesma pousada onde elas ficariam, que coincidência…

– Nada de coincidência – a amiga brincou. – Já te falei que em Jeri o mar de repente aparece… e tudo acontece.

– Fala baixo, Monquita! – ela a repreendeu, e tratou de sentar no último banco, bem longe do moço.

– Eu vi como os teus olhos brilhavam quando você olhava pra ele ‒ continuou a amiga, sentando ao lado. ‒ Pareciam dois faróis!

– Tá bom. Agora te aquieta aí e vamos aproveitar a paisagem.

Mas foi inútil. Durante o trajeto pelas dunas, sob o céu estrelado do litoral cearense, teve que escutar mais uma vez a amiga a lembrar-lhe: ela era uma mulher de quarenta anos, separada, bonita, livre e não tinha que prestar satisfação a ninguém das coisas que fazia. Para Zoé, porém, não era assim tão simples. Sim, ela agora era uma mulher separada, mas acontece que sempre que se interessava por um homem, era como se toda a sua educação cristã de repente lhe pesasse sobre os ombros e aí era impossível fugir do olhar implacável de Deus…

– Ele está a dois quartos do nosso, você viu? – perguntou a amiga, enquanto trocavam de roupa, já no quarto da pousada.

– E daí? – respondeu Zoé, séria.

– Ih, relaxa, amiga. Este fim de semana é pra gente se divertir.

– Você sabe que eu fico nervosa com essas coisas, tô destreinada…

– Tá bom. Mas pelo menos põe um sorriso nessa cara, vai.

Zoé sorriu. A amiga tinha razão, precisava relaxar.

Escolheram um bar com música ao vivo. Logo na entrada, porém, Zoé ficou séria novamente. Lá dentro, em frente ao pequeno palco onde tocava uma banda de rock, o motivo de sua seriedade tomava uma cerveja.

– Hummm, acho que a Deusa tá querendo acasalar gente…

– Fala baixo, sua louca!

Monquita a puxou pelo braço e no instante seguinte estavam encostadas no balcão. Enquanto a amiga pedia duas caipiroscas, ela tentava se esconder do moço.

– Zoé, você tá parecendo uma adolescente idiota…

Ela riu de nervosismo e teve que admitir para si mesma: de fato, comportava-se como uma garota boba de quinze anos, e nem sua filha, um ano mais nova, agia assim. Como um desconhecido podia deixá-la tão nervosa daquele jeito?

A amiga havia ido ao banheiro quando, de repente, escutou a voz atrás de si:

– Legal esse bar, né?

Zoé virou-se e lá estava ele, o moço, bem à sua frente, ao alcance de seu braço, sorrindo para ela o sorriso tímido mais doce do mundo. E de repente ela sentiu um tremor em alguma parte não localizada de seu corpo.

– Se incomoda se eu… ahn… ficar aqui… com você?

A primeira coisa que lhe passou pela cabeça foi correr para o banheiro. Depois pensou em fingir que era surda. Por fim, procurando ser o mais natural possível, respondeu:

– Obriga-gada… mas eu… eu… tô aqui guardando a ca-caipirosca da minha amiga.

Hummm, que resposta ridícula, ela mesma reconheceu, já corando de vergonha. Mas agora era tarde, já falara. E ainda havia conseguido gaguejar três vezes numa única frase. Então sorriu, tentando relaxar. Mas o esforço pelo sorriso foi tamanho que no segundo seguinte ela estava séria novamente. Concentrou-se um pouco mais e conseguiu sorrir de novo. Mas imediatamente teve a certeza de que sorria o sorriso mais desajeitado da história da humanidade e desistiu de vez daquele negócio de sorrir. Pegou o copo no balcão e fingiu que dava um gole na bebida, qualquer coisa para não ficar ali olhando para ele, naquele silêncio constrangedor, os olhinhos dele… tão lindos… verdes como o mar de Jeri…

Como se houvesse cansado de esperar, o moço virou-se e saiu. Ela suspirou, aliviada – e ao mesmo tempo arrasada. De repente, a imagem do moço se afastando era a imagem viva de sua incompetência para ser feliz… Que droga! Tudo que precisava era obedecer a seu corpo e dizer sim, apenas isso, ela sabia… Mas por que era tão difícil? Por que a felicidade do corpo tinha de ser pecado?

Na volta para a pousada, a escuridão das ruelas de areia a fazia sentir-se num labirinto. Mas o labirinto na verdade estava dentro dela própria, ela sabia, corredores e curvas a levá-la sempre ao mesmo lugar: aquela maldita sensação de culpa. Onde ficava a saída? Por que se sentia tão suja por desejar um desconhecido?

A voz de Monquita a salvou do labirinto:

– Seu azar, minha filha, é que ele é tímido. Se fosse mais safado, tinha te agarrado ali mesmo no balcão.

– Tenho certeza que ele me acha uma débil mental.

– Acho que não. Ele apenas não entendeu o que uma freira fazia num bar de reggae…

– O que você faria no meu lugar?

– Eu? Eu já tinha arrastado ele pro quarto e lhe mostrado o que a Filha da Deusa tem.

– Ai, Monquita… eu até que tenho vontade, juro… mas aí eu fico pensando…

– Fica pensando o quê, mulher?

– Aí eu fico pensando o que Deus vai pensar de mim! – Zoé respondeu, angustiada.

Monquita balançou a cabeça, sem acreditar, como a amiga podia ser tão reprimida?

– Que deus é esse que é contra você se dar um pouco de prazer?

De volta à pousada, ela trocou de roupa, jogou-se na cama e fechou os olhos, querendo apenas dormir, apagar. Fugir de si mesma. Sumir.

Pelo corredor da igreja cheia de gente ela caminhou, até chegar ao altar, e quando se preparava para receber o anel em seu dedo, das mãos de um noivo mascarado, deu-se conta de que estava nua, inteiramente nua, e correu para trás do altar, tentando se esconder, mas a toalha do altar era curta demais e não cobria sua nudez…

No quintal da pousada, sentada no banquinho sob a goiabeira, enquanto aguardava a amiga sair do banho, Zoé ainda podia sentir vívidas as sensações do sonho que tivera aquela noite, ela nua em seu próprio casamento, morrendo de vergonha…

Aceitara o convite de Monquita para passar o fim de semana em Jericoacoara e esquecer a chatice do processo de divórcio, mas até então tudo que conseguira foi mostrar para si própria o quanto não era nada da mulher livre que imaginava que podia ser. Nem mesmo em sonho.

Nesse momento, ela o viu. O moço saía de seu quarto e, vestido apenas com uma sunga preta, parou à porta ainda sonolento e despenteado, esticou os braços e se espreguiçou, dobrando o corpo para um lado, depois para o outro, girando o tronco, o pescoço… Não era tão forte, mas tinha um corpo bonito. Zoé sentiu o coração disparar enquanto o moço seguia em direção ao lugar onde o café era servido, caminhando descalço e devagar, de um jeito bonito, uma elegância displicente, parecia um felino…

Foi como se o tempo parasse para ela olhar. Olhar e sentir o calor na coxa, aquela antiga sensação… um arrepio a lhe fuçar por dentro, sem pedir licença… Ela levou a mão para o meio das pernas e apertou uma contra a outra, e fechou os olhos, deixando que a sensação guiasse sua mente por aqueles caminhos que ela já esquecera que existiam…

Mas logo abriu os olhos, assustada com a intensidade das sensações. E saiu apressada para o quarto.

– Monquita, eu imaginei tanta coisa naquele tempinho… – ela comentou na praia, enquanto saboreavam peixe frito e cerveja.

– Aposto que ele também já imaginou. Garçom, mais uma, faz favor.

– Ah, tanta menina novinha por aí, o que ele pôde ter visto em mim?

– Ele viu a loba, amiga. Ele viu a loba.

Zoé riu da amiga, ela e seu jeito estranho e divertido de ver a vida daquele jeito pagão, sempre falando em Deusa, em bichos, forças da Natureza…

No meio da tarde as duas subiram para a pousada e Monquita adormeceu logo. Mas Zoé não conseguiu dormir, possuída por um turbilhão de sensações e pensamentos, tudo se misturando, o desejo ardente, o medo, o calor nas coxas, o desejo, a vergonha, a culpa, o desejo… Quando não suportou mais, levantou-se e foi tomar um banho frio. Depois botou um vestido leve de algodão com alcinhas, amarelo para realçar o bronzeado recém-adquirido. Sair, caminhar. Ver o pôr do sol. Talvez fizesse bem.

Quando deixava o quarto, com cuidado para não acordar a amiga, lembrou que estava de cabelo preso. Retirou a presilha e sentiu o cabelo pousar sobre os ombros nus. E reparou que desde que chegaram a Jeri, aquela era a primeira vez que soltava o cabelo.

Na curva da ruazinha de areia… ele surgiu. Ele sempre surgindo assim de repente, seria seu pensamento que o atraía? Quase esbarraram um no outro. Parada à frente dele, não soube o que dizer nem o que fazer. Sentiu o rosto corar e imediatamente se arrependeu de ter saído sozinha. Mas nada fez. Tudo que conseguia fazer era continuar olhando para o moço bonito de sunga que olhava para ela, igualmente desconcertado, o moço dos olhos verdes, o mar nos olhos dele, o murmúrio do mar chamando, convidando…

Quando deu por si, já caminhavam lado a lado, descendo para a praia, sem falar nada. O céu estava um tanto nublado e começava a soprar um ventinho frio.

Finalmente, conseguiu falar alguma coisa: propôs um café. Ele gostou da ideia e pouco depois, já na praia, paravam na barraquinha de uma simpática senhora, que lhes serviu dois cafés em copo descartável. Ela deu o primeiro gole mas o café estava muito quente e pôs o copo sobre o balcão. Enquanto ele fazia o mesmo, ela aproveitou e olhou para ele, e achou lindo seu jeito tímido, e passeou os olhos por sobre seu corpo bonito, a pele morena, os ombros largos, o peito com pouco pelo, os braços, o tórax, as coxas… E por trás dele a imagem do mar, feito uma moldura, o mar de repente aparece e tudo acontece…

Então sentiu. O velho peso. Aquela conhecida e terrível sensação de peso, que subitamente vinha e a tornava incapaz. A velha sensação de culpa e pecado tomando conta de sua alma, feito uma sombra vinda do alto. Ela fechou os olhos, apavorada, como se fugisse dos olhos de Deus.

Mas já era tarde. Aconteceria de novo, mais uma vez, logo agora que estava tão perto…

Dessa vez, porém, foi diferente.

– Não.

Foi apenas um murmúrio a escapulir de sua boca, que nem ela mesma escutou. Um murmúrio feito de uma curta e única palavrinha anasalada, dita mais para dentro que para fora, sem força, sem ênfase, o último fiapo de resistência: não. Mas nessa palavrinha estava expressa toda a sua certeza de que não, ela não queria mais aquilo. Não. Ela agora queria ser livre. Ela agora queria ser ela, a verdadeira Zoé. Não a Zoé que durante todos aqueles anos vivera sufocada, amarrada, presa numa cela escura de sua própria alma, não essa Zoé, e sim a que nascera para ser feliz. Mas não a felicidade que a família e a religião de seus pais reservaram para ela, feito uma linda roupinha de bebê. Não, não essa Zoé. A outra. A outra que nunca pudera ser, mas que sempre se mantivera viva em algum lugar dela mesma, respirando por um canudo no fundo do lago, sobrevivendo das migalhas de sua esperança e matando a sede com as próprias lágrimas. Queria agora a outra Zoé, a que agora recusava a linda roupinha a ela reservada, que rasgava a linda roupinha. A Zoé que agora estava nua, pela primeira vez na vida.

– Não.

A rajada de vento foi repentina. E foi tão forte que virou o copo do balcão, fazendo o café derramar sobre ela, atingindo-lhe a barriga e a cintura. Ela gritou, abrindo os olhos assustada e sentindo o líquido fervente queimar sua pele. A senhora da barraca, preocupada, apontou a torneira ao lado e disse que ela pusesse logo água no local, rápido. O moço, assustado, saiu correndo e voltou no instante seguinte trazendo um balde com água.

Tudo foi muito de repente, tanto que Zoé só se deu conta do que fazia quando já estava fazendo: a mão erguendo o vestido, o moço jogando água sobre a pele avermelhada, a sensação da água fria sobre a pele quente, o vestido amarelo e molhado grudando-se às suas coxas, a transparência da roupa revelando a calcinha branca…

– Pronto, pronto, acho que já tá bom… – ela interrompeu, dando um passo para trás, subitamente envergonhada. – Não queimou tanto.

– Quer ir na pousada trocar de roupa? – o moço perguntou, preocupado.

A senhora da barraca ofereceu uma sombrinha, pode precisar, a noite tá com cara de chuva. E assim saíram, ele tenso e silencioso, e ela disfarçando com a sombrinha o vestido agora transparente, e torcendo para chegarem antes da chuva.

Mas não chegaram. No meio do caminho a água desceu forte e tiveram que abrir a sombrinha. Foi assim, debaixo da sombrinha, os corpos molhados e juntinhos, que os dois percorreram as ruazinhas de terra, enquanto toda a água do mundo desabava sobre eles. Foi assim que, de repente, o mundo ao redor desapareceu e tudo que existia era o corpo quente do moço e o seu, juntinhos, como se fosse um corpo só. E foi assim, sem ter mais qualquer controle sobre si mesma, sem saber o que estava fazendo e muito menos o que devia fazer, sem saber mais de nada, que ela sentiu as pernas fraquejarem e parou, temendo cair, e ele largou a sombrinha e a amparou em seus braços.

Aconteceu ali mesmo, na areia, na parte mais escura do beco. Mais tarde ela não saberia contar com exatidão, mas lembraria que ele a puxou e ambos caíram na areia, em meio a abraços e beijos incontidos. Ou não, talvez tenha sido ela quem o puxou. Depois ele rasgou seu vestido e bebeu a água da chuva diretamente em seus seios, feito um andarilho à beira da morte que encontra a fonte da vida. Ou não, talvez ela é quem rasgou o vestido e lhe ofereceu os seios, mulher bondosa que dá de beber ao viajante sedento. Depois ela o deitou na areia e montou sobre ele. Ou não, isso foi depois dela pôr-se de quatro e ordenar, rangendo os dentes, rosnando feito um bicho, vem logo! E depois, e depois… Bem, depois só lembra de senti-lo lá dentro, bem lá dentro, inteira e maravilhosamente lá dentro de si, enquanto se sentia perfeitamente harmonizada com toda a Natureza, e suas lágrimas se misturavam à água da chuva, e de sua boca se libertavam longos gemidos em forma de uivos, anunciando o prazer mais lindo e mais louco e mais intenso que jamais tivera em toda a vida.

– Não… isso não aconteceu… isso não aconteceu…

Monquita, que fora acordada aos puxões pela amiga e que escutara todo o relato em silêncio, agora tinha os olhos arregalados e estava pasmada, sem acreditar no que ouvia. Sentada ao seu lado na cama, num vestido rasgado e ensopado, os cabelos pingando água sobre a cama, Zoé estava radiante, iluminada, os olhos brilhando…

– Aconteceu sim, Monquita! Olha como eu tô! Olha aqui a queimadura.

Ela virou-se para a amiga ver na coxa a marca deixada pelo café fervente. E a amiga ficou ainda mais impressionada.

– Zoé… A Deusa te batizou com fogo!

Batizada com fogo. Zoé achou engraçada a expressão. E contou do momento em que, em sua angustiada luta contra a sensação de culpa, no segundo final de sua resistência, implorou com todas as forças que lhe restavam para que algo acontecesse…

– E aí a Deusa te acudiu.

– Não sei quem foi. Só sei que algo me ajudou derrubando aquele copo.

– Ela te mandou o Vento. Pra derrubar as defesas.

– Bendito vento.

– Depois mandou o Fogo, pra te batizar. Depois a Água pra te limpar. E, por fim, a Terra pra te acolher. Acolher a oferenda de vocês… o casamento sagrado…

– Quer saber mais? Ele me convidou pra dormir com ele.

– A amiga ainda tem disposição?

– Como você mesma diz, ele despertou a loba, agora que aguente… – brincou Zoé, rindo à solta.

Sentia-se tão leve… Parecia que se libertara de um peso imenso e, ao mesmo tempo, sentia-se preenchida, maravilhosamente preenchida. Tudo que sabia era que acontecera, apesar de todos os seus medos e culpas e resistências, apesar da timidez dele, apesar de Deus, apesar de tudo. Acontecera. E agora ela era outra Zoé. Zoé de Jeri. Renascida pelo Vento. Batizada pelo Fogo. Limpa pela Água. Acolhida pela Terra.

É, talvez Monquita tivesse razão. Só mesmo uma divindade feminina para fazer tudo aquilo com tamanho jeitinho…

.
Ricardo Kelmer 2007 – blogdokelmer.com

.

Este conto integra os livros
Indecências para o Fim de Tarde
Vocês Terráqueas – Seduções e perdições do feminino

MAIS TEXTOS NESSA TEMÁTICA:
Kelmer Para Mulheres – Nesta seção do blog, homem fica de fora

.

.

LEIA NESTE BLOG

AGotaDagua-02aA gota dágua – A força da tempestade, o poder do desejo. Ela deveria resistir, mas…

Dez segundos para ser feliz – Seus olhos continuam sorrindo mesmo quando ela conta, sem pudor, das imensas bobagens que fez em nome de sua busca por felicidade

Mulheres que adoram – Dar prazer a uma mulher, fazê-la dizer adoro mil vezes por dia…

Mulheres na jornada do herói – É ainda mais interessante ver o relato das mulheres pois elas sempre foram, mais que os homens, historicamente reprimidas na busca pela essência mais legítima de suas vidas

Insights e calcinhasUma calcinha rasgada pode mudar a vida de uma mulher? Ruth descobriu que sim

Carma de mãe para filha – Os filhos sempre pagam caro pelos pais que não se realizam em suas vidas

O Reino Encantado de Jericoacoara – Perder-se em Jeri, eu recomendo. Perder-se de paixão. Perder a noção do tempo, a carteira de identidade, o medo de se experimentar…

.

.

Seja Leitor Vip e ganhe:

– Acesso aos Arquivos Secretos
– Descontos, promoções e sorteios exclusivos
Basta enviar e-mail pra rkelmer@gmail.com com seu nome e cidade e dizendo como conheceu o Blog do Kelmer (saiba mais)

.

.

Comentarios01COMENTÁRIOS
.

01- Qualidade literária: 5 Sexualmente excitante:  5 Prende a atenção:  5 Divertido: 3 Provoca reflexões: 4. O conto da Deusa é maravilhoso, voce imagina no começo que vai acontecer algo entre os dois, mas nao da pra imaginar como vai acontecer. E tudo acontece naturalmente, um sentimento forte, um tesao os une, sem pornografia, mas com muito erotismo e sensualidade. Adorei, nota 5. Bruna B, Campina Grande-PB – 2014

02- Maravilha Ricardo. Pra mim foi uma leitura completa. Maravilha. não acrescentaria nada. Está perfeita, sem comentários..puro desfrute….maravilha…. Eu nunca imaginei que um dia estaria tendo essa experiência e confesso que fiquei com medo quando me expus para te ajudar, mas esta sendo fascinante…rsrsrsr… és bem jeitoso e fostes bem cuidadoso com os contos que me enviates. Maravilha! Tu sabes escrever….sem comentários porque estou sem palavras….porque não há palavras mesmo….rsrs….  Anosha Prema, Campinas-SP – 2014

03- O Desejo da Deusa, amei!!  é divertido, excitante, eu li de uma vez só e adorei a personagem Zoé, nota 5 em tudo. Cris B, São Paulo-SP – 2014

04- Demais !!!! Silvia Teresa Polo Jimenez , João Pessoa-PB – nov2015

05- Aiii… adorei… me lembra uma certa pessoa… rsrsrs.. parabéns querido!  Thaís Guida, Rio das Ostras-RJ – nov2015

06- Perfeito, Kelmer! Ana Velasquez, Corumbá-MS – nov2015

07- Às vezes, meu caro Ricardo Kelmer, o olhar mais implacável é o nosso … Obrigada pela partilha, sempre produtiva… Bjs e até breve!!! Lenha Diógenes, Fortaleza-CE – nov2015

08- E ela não sabe se abre ou fecha a porta de vez, depois de tantos desencontros e o medo do sofrimento dos homens que nem acreditam em nada. E ai, vem o olhar implacável. Gostei muito. Jane Arruda de Siqueira, São Paulo-SP – nov2015

> Postagem no Facebook

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: