Animação no jantar

23dez2008

BaseadoNissoCLUBEDEAUTORESCapa-04a.

Este conto integra o livro Baseado Nisso – Liberando o bom humor da maconha, de Ricardo Kelmer

ANIMAÇÃO NO JANTAR

Os pais de Maria Amélia estão impressionados com o namorado da filha, um profundo conhecedor da psicologia dos super-heróis

.

– PAI, MÃE, esse aqui é o Mingo.

– Boa noite, seo Erandir. Boa noite, dona Gilda.

– Boa noite, Mingo. Sente aí pra jantar.

– Obrigado.

– Gosta de sopa de feijão, Mingo?

– Gosto, dona Gilda.

– Eu sirvo pra você. Maria Amélia, pega mais pão na cozinha.

– Você sempre janta de óculos escuros, Mingo?

– Estou com um probleminha nos olhos.

– Ah.

– Maria Amélia me disse que você está concluindo uma tese de mestrado, Mingo. É verdade?

– É.

– E sobre o que é mesmo?

– Personagens de gibis e desenho animado.

– Interessante.

– O Mingo é um grande estudioso da psicologia dos super-heróis.

– Que bom.

– Quer mais pão, Mingo?

– Aceito.

– No meu tempo os desenhos eram muito bons, educativos, ensinavam coisas boas às crianças. Hoje o que se vê é só porcaria. Muita violência. Muito sangue.

– Concordo com o senhor.

– Na minha opinião, o último desenho que ainda prestava era aquele dos Smurfs. Você assistia?

– Sim.

– O que você acha? Era bom, não era? O Gargamel sempre se dava mal. Isso mostrava às crianças que fazer o mal não compensa. Desenho educativo.

– Quer bolo, Mingo?

– Aceito. Na verdade, seo Erandir, o Gargamel era usuário de LSD.

– Ahn?

– Usuário, sim. O senhor conhece LSD?

– Se eu conheço? Não, mas já li alguma coisa.

– Aquele LSD não era dos melhores, a gente logo via. Atente pro comportamento do Gargamel. Fica a vida inteira perseguindo uns homenzinhos azuis que vestem gorros e fraldinhas. Aprofundando mais, podemos nos perguntar: pra quê ele quer tanto pegar os Smurfs?

– Ahn… Pra comer, né?

– Justamente. O LSD de péssima qualidade potencializa as tendências pedófilas do Gargamel. Isso hoje dá cadeia, o senhor sabe. Sem falar que ele abusava psicologicamente de seu gato, um prato cheio pra sociedade protetora dos animais entrar com um processo contra a produtora do desenho, milhões de dólares.

– Eu nunca tinha pensado nesses termos.

– Tem mais bolo?

– Tem, Mingo, deixa eu servir pra você. Ah, eu gostava mais do Patolino. Ele era muito engraçado, heim, Erandir?

– Eu não gostava, Gilda. Ele era muito agoniado.

– Exato, seo Erandir. O Patolino é o maior cheirador do planeta.

– Cheirador?

– Cocaína, mãe. Cheirador de coca.

BaseadoNissoCLUBEDEAUTORESCapa-04a– O cara é ligadão demais, seo Erandir. Não para de falar um só instante, tem uns papos muito estranhos. E sofre de mania de perseguição. É tão ligadão que consegue ficar gritando, pulando sem parar, arrancando as penas e batendo a cabeça no chão sem sentir dor.

– Gente, cocaína faz isso?

– Faz, dona Gilda. Uma vez ele cheirou tanto que travou geral.

– Travou geral?

– Exato. Foi uma travada tão violenta que o queixo dele foi bater atrás da cabeça, o senhor lembra?

– Ah, eu gostava tanto do Patolino… Gente, mas por que ninguém nunca disse que ele cheirava cocaína?

– Se dissessem, dona Gilda, os pais não deixariam seus filhos assistir.

– Viu, Gilda? Bem que eu não gostava dele.

– Ah, eu gosto. Quer dizer, depois dessa revelação, já não sei…

– E o Popeye? Aqui na rua tinha uma vizinha do outro lado da rua, a Lindalva, lembra da Lindalva, Gilda? Ela era bem magrinha. A gente chamava ela de Olívia Palito. Influência dos desenhos.

– Olívia Palito. É uma personagem inspirada em muitas mulheres que existem por aí, seo Erandir, mulheres de carne e osso.

– No caso da Lindalva, mais osso que carne.

– Exatamente, dona Gilda. Mas a Olívia é uma personagem tremendamente complexa. Foi a primeira heroína da TV a usar descaradamente anfetaminas e moderadores de apetite. Na verdade ela é anoréxica. E ainda é evangélica.

– Evangélica?

– O senhor nunca reparou? Veja o estilo da roupa: saia abaixo do joelho, blusa fechadinha, tudo muito comportado e sem graça.

– Que coincidência! A Lindalva também era evangélica. Não era, Gilda?

– A Olívia é evangélica, seo Erandir, mas é uma evangélica piradaça, pois fica provocando o Popeye o tempo todo. Faz o coitado gastar uma fortuna tomando Viagra misturado com espinafre. Como se não bastasse, engana o cara o tempo todo com falsas promessas de casamento. E tem mais. A safada adora ser raptada e amarrada pelo Brutus. Sexo selvagem. É a famosa magrinha que aguenta o tranco…

– Isso! Exatamente!

– E o Scooby-Doo, Mingo, fala do Scooby.

– Era um cachorro muito doido. Mas mais doido era o dono.

– Como era mesmo o nome dele?

– Salsicha.

– Isso, Salsicha! Eu não gostava muito dele não. Era assim meio, meio sujo…

– O Salsicha, seo Erandir, é o suspeito número um, o maconheiro típico.

– Ele fumava maconha? Nunca reparei.

– É só ver o jeitão dele, as roupas, o cabelo, o cavanhaque… O maluco conversa com um cachorro e está sempre na maior larica, louco pra traçar um sanduba. Isso sem falar naquele furgão psicodélico: eles se trancavam pra fumar um e saíam de lá vendo fantasma pra todo lado… Mas o Salsicha tinha muita moral com os roteiristas porque mesmo com aquela bandeira toda, nunca levou uma geral dos canas. O Scooby não fumava, mas pegava toda a maresia e por isso também vivia na larica.

– Larica?

– Aquela fome que dá depois de fumar, seo Erandir. Esse bolo tá bom mesmo… Vou pegar mais um pouquinho. Mas voltando ao Scooby. Um cachorro que come, em média, cento e vinte biscoitos por episódio só pode estar totalmente laricado.

– Que coisa… Eu nunca tinha visto por esse lado.

– Fala do Homem-Aranha, Mingo, fala.

– Ah, o Homem-Aranha eu gosto! Lembra, Gilda, que eu tinha a coleção completa? Peter Parker. Esse sim era um super-herói educativo, você não concorda? Trabalhava, cuidava da tia doente, você via que ele era muito apegado a ela.

– Apegado ao dinheirinho que ela guardava na poupança, isso sim. A velha tinha quase cem anos. Já pensou o montante da bufunfa? Um nome mais apropriado pro Homem-Aranha seria Homem-Urubu, pois ele tava ali sempre rondando a tia, esperando a velha morrer pra pegar a herança. E ainda vivia em eterno conflito por não assumir sua bissexualidade.

– O Homem-Aranha era gay?

– Claro. O senhor acha que aquele negócio de ficar soltando teinha de aranha pra lá e pra cá é coisa de homem sério? É o primeiro caso de super-herói que começa a carreira por causa de uma picadura. E o cara é azarado pra cacete: a primeira namorada, uma loiraça rica e boazuda, morreu assassinada pelo Duende Verde. O senhor sabia que Duende Verde é o nome de uma boate gay lá em Pelotas?

– Não sabia.

– Pois é. Super-herói gay tem muito por aí. Tem também o…

– Não sei se quero saber de mais algum…

– Batman.

– Ah, não!

– Ah, sim. Essa é a dupla homossexual mais bandeirosa do mundo dos super-heróis. O clássico exemplo do gay titio que curte garotão. O bofinho esperto, que se aproveita do coroa pra pagar a faculdade. Homem-morcego. Morcego faz o quê, seo Erandir? Sai à noite e chupa fruta. Menino-prodígio. Prodígio em quê? Isso é lá apelido que um homem sério bote no outro! E ainda tem o mordomo.

– O Alfred? Que é que tem ele?

– Aquela pouca-vergonha rolando na bat-caverna, todo dia… O senhor acha que o Alfred não ia saber? Claro que sabia. Se é que não participava também. Aquela cara de diretor de seminário não me engana.

– Gente… Eu tô muito surpresa. Como você descobriu isso tudo, Mingo?

– Pesquisando, dona Gilda, pesquisando…

– Acho que vou proibir o Cacá de assistir TV. Batman, Homem-Aranha… Tudo gay!

– Relaxa, Erandir. Nosso filho gosta é do He-Man.

– Hummm… Logo o He-Man?

– Qual o problema com o He-Man?

– Quer saber mesmo, seo Erandir?

‒ Acho que não…

‒ Gay da geração mais nova, ligada em academia, corpo malhado. Consumidor compulsivo de esteróides. Torra a grana toda com vitamina e energético. E aquele cabelinho chanel? Loira poderosa.

– Não posso acreditar…

– Acredite. O He-Man lançou o “barbie life style” na TV. Sucesso total. E aquele grito dele?

– Ah, isso eu lembro. Pelos poderes de Grayskull! Eu tenho a fooorçaaaa!!!

– Isso na tradução final do estúdio brasileiro, seo Erandir.

– Como assim?

– No original é “Pelos poderes de gay que sou! Eu dou a rosca!”

– Você tem certeza, Mingo? Será que você não se enganou?

BaseadoNissoCLUBEDEAUTORESCapa-04a– Pense bem, dona Gilda, é muita bandeira. O cara mora num castelo, fica pra lá e pra cá de sunguinha e botinha, malhando o tempo todo, injetando anabolizante… Tem até um tigre de estimação. Fantasia de bicha louca.

– Mas se ele é gay, quem é o outro?

– Ora, quem mais seria? O Esqueleto.

– Cruz credo!

– Aquela risadinha do Esqueleto é muito aviadada, a senhora não acha não? Os dois têm um caso super-mega-mal-resolvido. O Esqueleto, coitado, não se conforma de jeito nenhum com a separação. Por isso é que fica o tempo todo bolando vingancinha, aprontando o maior barraco em público… Bicha vingativa é um horror.

– Bom, pelo menos tem a turma da Mônica pra salvar os gibis…

– Em termos, seo Erandir, em termos…

– Não vá me dizer que a Mônica e o Cebolinha…

– Os dois? Não, não. A Mônica é sapata, estilo caminhoneira, dá porrada em todo mundo.

– Ai, ai. Pelo menos não tem droga no meio…

– Como não tem? E o Rolo? Autêntico bicho-grilo dos anos 70. Barbudo, andava descalço… E o cabelo? Nunca viu um xampu na vida. O cara não trabalhava, passava o dia inteiro viajando nas ideias e tocando um violão faltando uma corda. Bastava ele acender um baseado e botar um Led na vitrola que a Tina vinha correndo dar pra ele.

– A Tina?

– Claro. Mas hoje é diferente. Ela virou hippie de butique, anda toda arrumadinha, tem namorado mauricinho e trocou o baseado por umas caipirinhas no pagode. E com essa moda aí de juntar os personagens, alguém ainda vai criar a história onde o Rolo e o Salsicha desvendam o estranho caso do sumiço da parada.

– Nossa, Mingo, você deve ter pesquisado bastante. Aceita mais um café?

– Aceito. E se não for abusar, vou pegar só mais pedacinho desse bolo, tá muito gostoso.

– Ô, Mingo. Não escapa ninguém nesse seu estudo? A Alice no País das Maravilhas, por exemplo. Eu não vejo nada ali de maldade…

– Alice, a ninfeta maluquete.

– Ah, não era isso não.

– Comeu sete cogumelos de uma vez só e ficou trilouca, conversando com os bichos mais estranhos do pedaço e fumando haxixe da Turquia num narguilê junto de uma centopeia doidona.

– Cogumelo? Haxixe?

– O haxixe deixou a ninfeta tarada: ela traçou o coelho corredor, o gato listrado, o chapeleiro maluco, e não dispensou nem as cartas de baralho. Só não traçou a rainha porque o efeito passou.

– Estou decepcionada…

– Tem mais, Mingo?

– Ah, não, Erandir! Não quero ouvir mais. Minha infância foi… foi… violentada.

– Desculpe, dona Gilda. Não era minha intenção.

– A gente tem que ir, pai.

– Tá cedo, fiquem mais um pouco.

– Obrigado pelo jantar, dona Gilda. Estava ótimo.

– Apareça mais, Mingo.

– Tchau, pai. Tchau, mãe.

– Juízo, filha.

– Gostei do Mingo, Gilda. Ele deve ser muito estudioso. Só achei estranho aquele óculos escuro. E você viu como ele estava com fome? Quase acabou com o bolo.

– Erandir…

– Sim.

– O que você quis dizer com “exatamente”?

– Como assim?

– Não se faça de desentendido.

– Juro que não estou entendendo.

– Quando ele falou da Olívia Palito, você lembrou da Lindalva, nossa vizinha.

– Ué, você também lembra dela.

– O caso não é esse.

– E qual é o caso?

– Quando ele contou que a Olívia gostava de sexo selvagem com o Brutus e disse que ela era a famosa magrinha que aguentava o tranco, você disse o quê?

– Sei lá.

– Você disse “exatamente”.

– Eu disse isso?

– Disse.

– Tá, eu disse. E qual é o problema?

– Com aquele “exatamente” você quis dizer que sabe que a Lindalva também gosta de sexo selvagem.

– Eu sei disso?

– Erandir, não queira me fazer de boba. Você comeu aquela magricela sem-vergonha?

– Gilda, você está delirando…

– Estou é muito lúcida. Você falou “exatamente” e eu sei o que você quis dizer com isso.

– Danou-se. Agora ninguém mais pode falar “exatamente”…

– Erandir, você comeu ou não comeu?

– Minha filha, você trabalhou muito hoje…

– Não me chame de minha filha!

– Tá bom, tá bom, calma…

– Comeu ou não comeu?

– Quer saber mesmo a verdade?

BaseadoNissoCLUBEDEAUTORESCapa-04a– Quero.

– Quer mesmo?

– Quero!

– Não comi.

– Não acredito.

– Então não acredite.

– Se não comeu, então o que você quis dizer com “exatamente”?

– Pô, Gilda, eu sei lá o que eu quis dizer com “exatamente”! A gente fala essas coisas pra conversa prosseguir e não porque está concordando…

– Sei.

– Gilda, a gente estava falando da Olívia e não da Lindalva.

– Você estava falando da Lindalva.

– Não, era da Olívia.

– Não era.

– Gilda, de uma vez por todas: eu não comi a Olívia.

– A Lindalva.

– A Lindalva sim. A Olívia não.

– Taí! Eu sabia!!!

– Sabia o quê?

– Você comeu!

– Não comi!

– Você acabou de falar!

– Eu falei?!

– Falou sim. “Comi a Lindalva, a Olívia não.”

– Enlouqueceu? Falei o contrário: comi a Olívia, a Lindalva não. Peraí. Eu também não falei isso. O que foi que eu falei mesmo?

– Erandir, você é desprezível!

– E você me confundiu de propósito.

– Como que você teve a coragem de me trair com aquela, aquela evangélica neurótica?! Aquela tarada que dava em cima dos homens todos dessa rua em nome de Jesus Cristo! Heim? Heim?

– Gilda…

– Você pensa que eu não percebia ela olhando pra você quando você regava as plantas? E aquelas visitinhas que ela fazia pra deixar panfletinho do culto? Eu sabia!

– Gilda…

– O que é?

– Eu te amo.

– Heim?

– Eu disse que eu te amo.

– Não vem com essa!

– Amo sim.

– …

– Eu te amo demais, Gilda…

– Não ama.

– Amo e sempre amei. E nunca vou deixar de amar.

– Você está é querendo mudar de assunto.

– Sabe por quê?

– Por que o quê?

– Por que eu nunca vou deixar de te amar?

– Não.

– Porque você é a heroína dos quadrinhos da minha vida.

– Mentira.

– Verdade.

– Eu te conheço, Erandir…

– E sabe o que um homem tem vontade de fazer com a heroína dos quadrinhos da vida dele?

– Não…

– Comê-la. Todinha. Com papel e tudo.

– Besteira.

– Besteira? Olha aqui o tamanho da besteira.

– Erandir, você é louco! Bota isso pra dentro!

– Só se for pra dentro da minha heroína.

– Erandir, o Cacá…

– Cacá já está no quinto sono.

– Ahn… eu não sei…

– Pois eu sei. Senta aqui.

– Aqui não.

– Tira esse vestido.

– Erandir, é melhor…

– Então eu tiro.

– Não. Deixa que eu tiro. Você sempre arranca os botões.

– Isso, agora vira assim, aqui na mesa.

– Erandir, olha a cafeteira da mamãe…

– Isso, assim mesmo.

– Ai, Erandir…

– Tá bom?

– Tá ótimo…

– Quer Popeye ou Brutus?

– Brutus.

– Então toma, sua safada.

– Ai! Me chama de Olívia…
.

Ricardo Kelmer 1998 – blogdokelmer.com

.

BaseadoNissoCLUBEDEAUTORESCapa-04aEste conto integra o livro
Baseado Nisso
– Liberando o bom humor da maconha

Leia mais contos. Adquira seu exemplar personalizado.

.

.

.

.

.

elalivro10Seja Leitor Vip e ganhe:

 Acesso aos Arquivos Secretos
Descontos, promoções e sorteios exclusivos
Basta enviar e-mail pra rkelmer(arroba)gmail.com com seu nome e cidade e dizendo como conheceu o Blog do Kelmer. (saiba mais)

.

.

Comentarios01COMENTÁRIOS
.

01- vc e muito figura mesmo mas devo confessar que adoro “animação no jantar” não da outro Mingo!!!!!!!!!!! lembro que estava em um vôo para o Parana e conheci um rapaz e começamos a falar sobre desenhos e eu falava igualzinho o Mingo e o figura morria de rir assim como eu daí no fim pedi pra ele visitar o blog do Ricardo kelmer que a idéia não era minha kkkkkkkk mas valeu …. Fernanda Vasconcelos, Aracaju-SE – jul2012

Anúncios

4 Responses to Animação no jantar

  1. Ofland disse:

    Ganda panca que tens, ó Helmer!

    Vim eu do Clube dos Parvos para ler isto…

    (brincadeira)

    Fixe!

    Bom 2009

    Curtir

  2. manoel disse:

    falando nisso, o que é aquele mato verde no cachimbo do popeyie?

    Curtir

  3. […] Animação no jantar Os pais de Mária Amélia estão impressionados com o namorado da filha, um profundo conhecedor da psicologia dos super-heróis. […]

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: