O segredo da princesa prometida

09nov2015

Ele é um cantor famoso, e ela é uma garota num vestido preto que quer realizar seu sonho secreto

OSegredoDaPrincesaPrometida-01

O SEGREDO DA PRINCESA PROMETIDA

.
Entro no banheiro da suíte, fecho a porta e me olho no espelho. A maquiagem disfarça os meus recém-completados dezoito anos. E espero que disfarce também o meu segredo. Sorrio satisfeita e me concentro no retoque do batom vermelho. Acho que ele adorou meu decote, não parava de olhar. Ajeito a flor no cabelo e confiro mais uma vez meu vestido. Adoro vestido preto, eles me deixam mais… mulher. Então escuto sua voz do outro lado da porta e ela me traz novamente o conflito. Sabendo tudo o que agora sei, ainda faz sentido estar com ele nesta suíte de hotel cinco estrelas? Estou realmente confusa. Será que já fui longe demais para voltar?

Mamãe me criou sozinha após meu pai morrer num acidente. Como na época eu era um bebê de dois anos de idade, não tenho nenhuma lembrança dele. Quando cresci o suficiente para entender que eu era órfã, fiquei muito triste, claro, mas minha mãe, que não casou novamente, me ajudou a assimilar a situação.

A dona da boca vermelha que me olha insinuante do espelho respira fundo e sai do banheiro. Agora vejo-o na porta do quarto recebendo o vinho que o garçom veio deixar. A decoração do quarto é sóbria e a iluminação é suave, e no rádio toca baixinho uma música romântica que eu gosto, ele escolheu bem a estação. Ele serve o vinho e me oferece uma taça, gentil como um homem da sua idade deve ser. À linda princesa que a vida trouxe hoje para mim, ele diz, sorrindo e me olhando nos olhos. Eu não sei o que dizer e as taças tilintam, respondendo por mim. O vinho é gostoso e bebo rapidamente. Ele suspende seu gole e diz, sempre sorridente e compreensivo: Calma, temos a madrugada inteira. Sim, eu respondo, quase engasgando. Sim, sim!, eu grito por dentro, eufórica e nervosa. E bebo o resto da taça.

Tive uma infância normal, sem a presença de um pai mas com toda a atenção de minha mãe, que se desdobrou para que nada faltasse à filha única. Em meu aniversário de treze anos, ela me presenteou com uma decoração nova em meu quarto, no estilo princesa. Gostei. Mas o que eu queria mesmo, não ganhei: meu melhor presente seria que mamãe me levasse para ver o show de um cantor romântico que eu gostava muito. Bastante surpresa com meu pedido, ela justificou a negativa explicando que havia outros artistas mais apropriados para minha idade. Insisti, e pela primeira vez mamãe foi grosseira comigo. Esse presente eu não dou e nunca mais me peça nada desse homem, ela falou, enfática, e saiu batendo a porta. De fato, eu era uma exceção entre minhas amigas, pois enquanto elas gostavam de artistas bem mais novos, eu gostava dele, trinta anos mais velho, cheio de classe ‒ para mim ele era como um rei. E foi embalada por sua voz masculina e sensual que descobri os prazeres deliciosos que uma garotinha pode ter à noite, sozinha em seu quarto de princesa.

Enquanto bebemos o vinho, sentados na cama da suíte, seu celular toca. Ele me pede desculpas, precisa atender, é sua empresária. Enquanto conversa sobre detalhes do show que fará no dia seguinte, observo-o mais atentamente. Veste jeans e camiseta sem mangas, está descalço. Gosto dos seus pés, são bem feitos. Reparo que seu peito é largo e que ele tem uma charmosa barriguinha. Está em ótima forma para os quase cinquenta anos que tem. E o cabelo grisalho que eu acho encantador… Caramba, de pertinho assim ele é ainda mais lindo e majestoso.

De nada adiantou a birra materna: não só continuei gostando como virei fanzona declarada: agora tinha todos os discos e DVDs do meu ídolo, todas as músicas, camisetas, as revistas com as matérias, tudo. Vendo que não tinha mesmo jeito, mamãe acabou aceitando, embora contrariada, mas desde então negou-se a comentar o assunto. Achei exagerado de sua parte, mas se ela preferia assim, por mim tudo bem. E quanto à minha fantasia predileta, melhor que ela jamais soubesse, pois nela o meu cantor amado era o meu primeiríssimo homem, aquele a quem eu daria o privilégio de me iniciar nos prazeres a dois.

Ele finaliza a ligação, pede desculpas mais uma vez e diz: Agora sou todo seu. E desliga o celular, pondo-o dentro da gaveta da mesinha ao lado. Ele percebe a garrafa quase vazia e ri. Vou pedir outro vinho, mas você vai beber devagar, promete? E eu prometo, claro, princesa prometida que dele sou.

Foi na semana passada que aconteceu. Eu olhava uns antigos álbuns de fotos e, mexendo no armário de minha mãe, me chamou a atenção uma bonita caixa de chocolate importado. Dentro encontrei uma foto, na qual mamãe sorria feliz, abraçada a um homem. Pela data no verso da foto, calculei que mamãe estava grávida de mim. Mas… aquele homem não era papai. Então, de repente… eu o reconheci.

Ele pergunta sobre mim e eu digo que sou apenas uma admiradora que, estando ele fazendo show pela primeira vez em minha cidade, não perderia por nada a oportunidade de conhecê-lo pessoalmente. Ele sorri seu sorriso cavalheiro e conta, num tom de confissão, que está acostumado com as abordagens de suas fãs, mas que nessa noite, no restaurante do hotel, ficou realmente interessado na moça bonita de vestido preto e flor no cabelo que lhe oferecia de presente uma caixa de chocolate, parecia uma princesa. Como você sabe que esse sempre foi meu chocolate predileto?, ele me pergunta, e parece bem intrigado. Respondo que é segredo e ele ri, e diz que adora segredos, e que em agradecimento por um presente tão especial, fará tudo que eu quiser essa noite. Ponho a taça sobre a mesinha e, silenciosamente, começo a tirar os sapatos, depois o vestido e, por fim, a calcinha. Ele parece um bobo, sem acreditar no que vê. Agora, vestido ao chão e inteiramente nua, não sei como consegui fazer o que acabo de fazer. Mas sei também que não há mais retorno. Nua, de pé em frente a ele, sinto-me estranha… mas me sinto ótima. É como se nesse momento eu não fosse eu. É como se nesse momento eu finalmente fosse meu verdadeiro eu. Tudo que eu quiser? Sim, tudo que você quiser. Então quero que esta noite o rei cuide muito bem de sua princesa.

Sim, é o seu cantor, mamãe falou, respondendo à minha pergunta, e não sei dizer quem ali estava mais surpresa, se eu ou ela. Então, ainda olhando a foto que eu lhe mostrava, mamãe respirou fundo e pediu desculpas por ter escondido de mim o que agora iria revelar. E contou que o conhecera quando ela já estava casada e ele ainda não era um cantor famoso, que ela se apaixonou perdidamente e eles tiveram um caso secreto, e que quando eu nasci ele já a havia abandonado. Enquanto mamãe enxugava os olhos marejados, eu finalmente entendia o motivo de sua birra com meu cantor: bem antes de mim, ela também o amara. E, o que era pior, talvez ainda o amasse… Não sei dizer o que exatamente senti. No início, não consegui acreditar, mas depois senti raiva misturada com ciúme e outros sentimentos contraditórios. Lembrei do show que na semana seguinte ele, pela primeira vez, faria em nossa cidade, para o qual eu já havia comprado meu ingresso, e tive vontade de lhe contar que eu iria e o veria de pertinho, e até sabia o hotel em que ele ficaria, e tive vontade de contar até mesmo da minha fantasia secretíssima… Porém, nesse instante, intuí que poderia haver algo mais naquela história toda, algo bem mais sério. Mãe, tem mais alguma coisa sobre esse homem que eu ainda não sei?, perguntei, e estremeci ao pensar que aquela podia ser a pergunta que durante dezoito anos ela esperou não ter jamais que responder.

A tensão que me dominava o corpo aos poucos evapora ao toque de suas mãos, tão fortes, tão seguras. Eu fecho os olhos, e no escuro dos meus sentidos já não sei mais quem é o homem que me acaricia, mas sim, eu sei muito bem quem ele é, e ele não sabe quem eu sou, e o meu segredo me faz poderosa… Lembro de mamãe e me divirto imaginando que agora ela me vê… Esses meus pensamentos, porém, eles são tão pesados, não me deixam voar… Então, finalmente me solto do conflito e voo pelo céu de sensações que sua língua atrevida me provoca a explorar os mistérios guardados do meu corpo, e o afasto para que ele pare um pouco, me deixe respirar, senão eu posso morrer e eu não quero morrer ainda. Mas morrer assim é tão bom e eu lhe ordeno, vem, e ele obedece à sua princesa e vem, vem desde lá dos meus pés, vem subindo sobre meu corpo, e minhas pernas o abraçam como num laço de presente, o meu presente. Eu te amo, sussurro em seu ouvido, e ele, olhando em meus olhos, diz que me ama também, e eu choro porque sempre quis ouvir isso, e ele lambe as minhas lágrimas, provando o gosto da minha longa espera, e me beija a boca apaixonado, misturando lágrimas e saliva num beijo doce e verdadeiro. Tão doce e verdadeiro quanto a dor que subitamente sinto quando, num movimento mais forte, ele avança em direção ao meu profundíssimo desejo e me faz, finalmente, sua mulher.

Na fresta da cortina da janela as primeiras luzes do amanhecer se encontram com meu olhar. Meu olhar de quem não conseguiu dormir, pois os prazeres e as dores que vivi ainda formigam pelo meu corpo. Ele dorme ao meu lado, mas é como se ainda estivesse dentro de mim, másculo, gentil e experiente, cuidando para que tudo seja perfeito, e mais perfeito do que foi eu não poderia mesmo imaginar. Mas já passou, e estou aliviada porque tudo que resta do turbilhão de pensamentos conflitantes que me angustiavam a alma é uma mancha vermelha no lençol. Já passou, já foi, e agora preciso voltar para casa. Quando estou saindo, ele desperta e, bocejando, diz que me espera à noite no show. Sorrio satisfeita, mas não respondo, e saio, fechando a porta devagar. No saguão do hotel há uma lixeira. É lá que atiro o ingresso do show, comprado um mês atrás. E é assim que me vou, leve e reluzente como uma mulher amanhecida. Ou como uma princesa malcriada.

.
Ricardo Kelmer 2012  – blogdokelmer.com

.

.

Este conto integra o livro Indecências para o Fim de Tarde

.

IndecenciasParaOFimDeTardeCAPA-01aINDECÊNCIAS PARA O FIM DE TARDE
Ricardo Kelmer – Contos eróticos

Os 23 contos deste livro exploram o erotismo em muitas de suas facetas. Às vezes ele é suave e místico como o luar de um ritual pagão de fertilidade na floresta. Outras vezes é divertido e canalha como a conversa de um homem com seu pênis sobre a fase de seca pela qual está passando. Também pode ser romântico e misterioso como a adolescente que decide ter um encontro muito especial com seu ídolo maior, o próprio pai. Ou pode ser perturbador como uma advogada que descobre que gosta de fazer sexo por dinheiro.

O erotismo de Ricardo Kelmer faz rir e faz refletir, às vezes choca, e, é claro, também instiga nossas fantasias, inclusive as que nem sabíamos possuir. Seja em irresistíveis fetiches de chocolate ou numa selvagem sessão de BDSM, nos encontros clandestinos de uma lolita num quarto de hotel ou no susto de um homem que descobre verdadeiramente como é estar dentro de uma mulher, as indecências destas histórias querem isso mesmo: lambuzar, agredir, provocar e surpreender a sua imaginação. > saiba mais

INDECÊNCIAS PARA VOCÊ TIRAR A ROUPA

IndecenciasParaVoceTirarARoupa-01aMuitas mulheres têm esse fetiche, o de exibirem-se anonimamente para o público. Então criei uma promoção: envio o livro e a leitorinha faz uma foto erótica com ele, sem precisar mostrar o rosto, e a foto será usada em cartazes de divulgação do livro. Você gostaria de participar? Clica aqui.

.

.

.

.

Seja Leitor Vip e ganhe:

– Acesso aos Arquivos Secretos
– Descontos, promoções e sorteios exclusivos
Basta enviar e-mail pra rkelmer@gmail.com com seu nome e cidade e dizendo como conheceu o Blog do Kelmer (saiba mais)

.

.

Comentarios01COMENTÁRIOS
.

01- Adorei essa princesa! Quando comecei a leitura eu tive a impressão de que ela tinha um quê de Anastasia Steele, mas não, ela é muito mais resoluta, e exala uma sensualidade linda a cada movimento que ela descreve. Me identifiquei, viu? Acho superexcitante essa fantasia da fã se entregar ao seu ídolo, acho que nunca perdi isso com vc. 🙂 E nossa, que coisa mais machadiana! Quando ela pergunta pra mãe se tem algo a mais naquela história que ela deveria saber, fica a dúvida se a mãe respondeu algo ou não. E afinal, o rei era mesmo pai da princesa? São tantas emoções… Muito bom seu jeito de deixar isso na cabeça do leitor sem que esteja explícito no texto nem mesmo em forma de dúvida da narradora. E acho que vc soube explorar bem essa rivalidadezinha que existe entre mãe e filha sem cair na competição declarada, que é o que rola na realidade muitas vezes. Os planos de encontrar o tal cantor no hotel parecem anteriores à descoberta do caso antigo da mãe. O que será que a fez desistir de ir ao show e, ao que parece, desistir de continuar encontrando o rei? Acho que esse segredo a princesa vai levar com ela, né? Amei o conto, é adorável, misterioso, surpreendente. Mais uma Lolita kelmérica inesquecível e mal criada. Wanessa, Fortaleza-CE – 2014

02- Porrada. A narrativa me conduziu ansioso até a última linha. Vai revelando aos poucos a surpresa. Tem a sutileza dela ser a princesa e ele o rei… Pra mim, só faltou um detalhe pro gosto final da leitura ganhar um poder literário mais definitivo: antes do “…como uma mulher amanhecida. Ou como uma princesa malcriada” poderia haver alguma informação a mais que nos fizesse realmente cúmplice de algum “pensamento/desejo impronunciável” dela – desculpe o clichê, mas a essa hora minha cabeça não conseguiu pensar nada melhor… – que desse uma pista sobre a motivação que a levou a querer se deitar com seu pai, digo, rei. De resto, o ritmo me parece perfeito, assim como as descrições, como os personagens vão se explicando. Tudo delicado, suave, contrastando com a porrada do tabu que se anuncia. Marcelo Pinto, Rio de Janeiro-RJ – 2014

03- Gostei sim dele, principalmente no final, mulheres vingativas estão sempre presentes em teus contos. A questão de que pode ser o pai dela e tal, apesar de não dizer com todas as palavras, deixa uma pulguinha atrás da orelha. (Lembra os contos de Machado). Geralmente é assim né, garotas se vingam dando o que tem de melhor, pelo menos isso já ocorreu comigo. A história tá ótima, só senti falta dos detalhes mais eróticos da noite de amor deles. Nadine, Fortaleza-CE – 2014

04- Posso te rasgar de elogios? rsrsrs O texto está ótimo, com detalhes importantes para aguçar a imaginação erótica do leitor (eu fiquei hipnotizada, depois surpresa com o desfecho). A priore, parece extenso, mas é de leitura fácil, prendeu minha atenção e, como na maioria dos textos, me fez colocar-se no lugar da “princesa”. Achei que fosse descrever a fantasia da moça, com detalhes de ‘sadomaso’, mas depois vi que eram pensamentos dela e o drama de praticamente dividir o belo cantor de cabelos grisalhos com a mãe. Isso aí dá ‘pano pra manga’, diria mais, dá um bom livro! Samara do Vale, Fortaleza-CE – 2014

05- Texto excelente. Você, como ninguém, sabe fazer essas voltas ao passado como flashes de filme… Os cortes de tensão nos lugares certos deixaram o clima de suspense intacto do início ao fim.  Princesinha complexa essa, né? No início fiquei meio penalizada pela história de vida dela, uma fragilidade imensa, depois ela se transfigurou em um menina diferente, um tanto quanto calculista, sádica até. Há nela uma determinação obsessiva em cumprir seu objetivo e isso foi muito bem descrito por você. A questão chave é a surpresa provocada no leitor com a revelação da mãe, que não chega a ser uma revelação literal. Imaginar a cena sensual e ao mesmo tempo possivelmente incestuosa causa uma confusão de sensações no leitor (pelo menos em mim causou). Os elementos de alguma maneira se completam, mesmo que antagonicamente: as fantasias, sonhos que se tornam realidade, a figura da princesa, tudo tão ingênuo, em seguida se transforma em algo mais ácido, nada infantil. O prazer que ela sente em “afrontar” a mãe parece que é muito maior que o próprio gozo sexual, enfim, personagem freudiana dá nessas nóias. A narração em primeira pessoa, sendo uma personagem feminina, sempre vai me surpreender quando se trata de Ricardo Kelmer. Tu soube transcrever realmente o pensamento de uma jovem cheia de conflitos, curiosa, lacônica, sedutora, fatal, menininha, maquiavélica, mulher. Parabéns, querido. Sou cada vez mais tua fã. Rosa Emília, Fortaleza-CE – 2014 

06- Rapas, muito bom. Eu juro que visualizei o Reginaldo Rossi nesse conto. E bem maluco essa mistério… Será que o hómi é o pai dela? Tô até imaginando uma adaptação… Bora! Publica logo que é muito bom. Marcelo Gavini, São Paulo-SP – 2014

07- Oi! Curti!! Mas fantasiei outras coisas…rs…juraaaava que ele era o pai dela.. Bacana…prende a atenção e desconstrói a expectativa no final 🙂 Flávia L, São Paulo-SP – 2014

08- Conto: Segredo da Princesa. Qualidade literária: eu acho que vc escreve bem. Sexualmente excitante: sim. Prende a atenção: sim. Divertido: não é divertido, mas prende a atenção de outra forma, a iniciação sexual é sempre um marco, é tara para os homens e busca para as mulheres, aliando prazer a isso faz o conto ficar mais interessante. Provoca reflexões: sim, muitas… Muito legal ! Excitante, psicologico rico e interessante, pois lida com o desafio da menina que se torna mulher, é o momento em que ela tem que desafiar a mãe, e a menina faz isso, apesar de ter medo e receio, as mulheres vão se identificar com isso, ao mesmo tempo há o lance do proibido, do primeiro amor/amante ser o pai, isso é algo provocante, que mexe com o inconsciente da mulher, nosso primeiro amor é sempre o pai, ou alguém parecido com ele, mesmo que não tenhamos muita noção disso, e seu conto traz isso a tona, achei bom o tema, o desenvolvimento da historia, só acho que no final poderia colocar algo de disputa com a mãe, isso seria provocar ao máximo rs…talvez uma frase: “minha mãe nem imagina que amei o mesmo homem que ela” assim a menina prova que realmente vivou mulher e ainda de forma safada, um pouco Nelson Rodrigues sabe…rs. Adriana A, São Paulo-SP – 2014

09- O Segredo da Princesa eu não curti tanto, não achei excitante e nem divertido. Nota 2, e na questão prendeu a atenção 3. Cris B, São Paulo-SP – 2014

10- Achei o conto com muita história para ser desenvolvida e sobrou pouco para o erótico, faltou detalhe, um toque machadiano. A carga do mistério do plano de fundo foi grande comparada ao erótico que ficou apagado. Independente dessa opinião, super rigorosa, é um bom conto. Qualidade literária: 4. Sexualmente excitante: 2. Prende a atenção: 3. Divertido: 3. Provoca reflexões: 2. Marcela F, Rio das Ostras-RJ – 2014

> Postagem no Facebook

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: