As Preciosas do Kelmer – jul2015

31jul2015

AsPreciosasDoKelmer201507

.
As Preciosas do Kelmer é uma revista que criei no Facebook. Ela é feita de dicas e comentários sobre variados assuntos. A periodicidade é mensal, funciona por meio de uma única postagem que abasteço com subpostagens e os leitores podem comentar a qualquer momento e até sugerir assuntos. Por seu caráter dinâmico e interativo e por construir-se a cada dia, eu diria que é uma revista orgânica. A capa da revista é a própria imagem da postagem, que sempre trará imagens femininas.

Meu objetivo com As Preciosas é dar vazão à minha necessidade de comentar fatos do cotidiano. Pra mim o Facebook é ideal pra isso. Aqui no blog postarei a edição do mês e a atualizarei a partir das atualizações no Facebook, sempre com imagens. Espero que você goste.

> No Facebook (todas as edições)

> No Blog do Kelmer

.


AsPreciosasDoKelmer201507AS PRECIOSAS DO KELMER

Dicas e pitacos para o mês
#34, jul2015
> Esta edição no Facebook

Capa do mês: Marion Zimmer Bradley (1930-1999), escritora estadunidense, autora da série As Brumas de Avalon

.

*** A FEMINISTA, A PROSTITUTA E A MULHER LIVRE

“A pior ofensa para uma mulher é ter uma vida sexual, e uma vida sexual ativa, mudar de parceiros. Esse é o estigma da puta. Não tem a ver com cobrar por sexo. Tem a ver com regular o sexo das mulheres. Nós vigiamos a sexualidade uma da outra, nós mesmas reprimimos. Não entendo como nos convenceram disso”.

Quem diz isso é Monique Prada, uma feminista famosa por seu ativismo nas redes sociais. Monique é prostituta, mora em Porto Alegre e tem se destacado por mobilizar discussões públicas sobre a questão da prostituição, chamando a atenção para a importância da regulamentação do trabalho sexual, como prevê o Projeto de Lei (PL) Gabriela Leite, de Jean Wyllys (PSOL-RJ), que deverá ser votado em breve.

Monique tem razão. As mulheres, elas próprias, reprimem a sexualidade feminina. A liberdade sexual de uma mulher ainda amedronta a muitos homens, é verdade, mas incomoda a maioria das outras mulheres. Por quê? Será inveja? Será medo de ser trocada por uma mulher “mais fácil”? Ou será que é porque suas mães, suas próprias mães, as ensinaram a, desde criancinhas, temer e apedrejar as mulheres livres? Se a culpa é da educação, isso automaticamente não absolveria os homens, pelo menos em certa medida, que também são ensinados pelos pais a serem machistas? > Mais

.

*** UMA FAÍSCA PARA TUDO PEGAR FOGO

O recente caso do grotesco adesivo da presidenta Dilma Rousseff de pernas abertas, sendo penetrada pela bomba de gasolina, nos revela algumas coisas sobre as quais vale a pena pensar:

1- Nas redes sociais, a maior parte das pessoas posicionou-se publicamente contra o adesivo, até mesmo as que não gostam do PT ou de Dilma. Isso mostra que, independente de ideologias políticas, ainda há pessoas EQUILIBRADAS o bastante para saber diferenciar o protesto legítimo e coerente do fanatismo político.

2- Muitas pessoas, inclusive mulheres e alguns sites, como o Mercado Livre, aplaudiram e até ajudaram a vender e espalhar o criminoso adesivo. Isso mostra que muitas pessoas, se for para atingir o PT, são capazes de QUALQUER COISA.

3- Muitas pessoas não apoiaram o adesivo, mas ficaram caladas (mesmo sendo mulheres, mães e avós, como Dilma), pois não gostam do PT. Isso mostra que há muitas pessoas que preferem ser CONIVENTES com as lamentáveis e crescentes atitudes de ódio político no país. A propósito, infelizmente ainda não vi líderes da oposição e veículos da grande mídia condenarem o adesivo, ao contrário do que aconteceu com a jornalista Maria Júlia Coutinho, da Rede Globo, que sofreu violência racista.

4- Se o presidente fosse homem, teriam feito um adesivo no mesmo modelo, mostrando um presidente da República de quatro, a receber uma bomba de gasolina? Certamente não. Fizeram isso com Dilma porque ELA É MULHER. É um triste caso de misoginia e que banaliza a violência sexual. Isso mostra muito sobre o que a direita fanática brasileira pensa sobre a mulher.

5- O ódio dos fanáticos antipetistas se manifesta em atitudes fascistas e cada vez mais violentas, como no caso do estudante brasileiro (admirador de Jair Bolsonaro), nos Estados Unidos, que driblou a segurança da comitiva e ameaçou a presidenta Dilma gritando: “Terrorista! Vai cair, hein! Terrorista que rouba a população tem mais é que ser morto. Comunista de merda!”. Ainda que o PT tenha suas culpas e ainda que o governo seja péssimo, isso não justifica ataques e ofensas pessoais. Manifestações de ódio como essas devem ser imediatamente combatidas, pois são um perigo para a LEGALIDADE DEMOCRÁTICA, e sabemos que é assim que começam muitos golpes de Estado. Sim, o massacre político faz parte do jogo na democracia, mas este caso do adesivo é um crime, e ele nos mostra claramente que, se é necessário protestar sempre que nossos políticos cometerem erros, é igualmente necessário manter o equilíbrio nos momentos de crise. Porque é justamente nesses momentos que basta uma faísca para provocar um terrível acidente. Um acidente que beneficia tão somente a quem quer ver tudo pegar fogo. > Mais

.

***  MARION ZIMMER BRADLEY

Nossa homenageada do mês nasceu em Albany, capital do estado de Nova Iorque, em 1930. No auge da grande depressão econômica, seus pais eram muito pobres e não puderam lhe oferecer uma educação esmerada. Começou a trabalhar cedo, como garçonete e faxineira. Ao completar 16 anos, ganhou uma máquina de escrever da mãe e começou a escrever histórias. No início, para sobreviver, sujeitou-se a produzir uma série de romances sensacionalistas.

Nos anos 1950 era aquilo a que se chama uma “escritora de sucesso fácil”, vendia histórias de sexo e de mistério a revistas de grande tiragem, para sustentar marido e filhos. Por essa altura juntou-se ao grupo de ativistas lésbicas Daughters of Bilitis, considerada a primeira organização de direitos lésbicos dos Estados Unidos. Nos anos 1960 dedicou-se à produção de romances góticos.

As suas histórias de ficção científica do ciclo Darkover (um planeta onde os seres humanos, ao contato com os alienígenas, adquirem poderes extrapsíquicos) continuam a ter numerosos admiradores. Nos anos 1980, com a série As Brumas de Avalon, Marion tornou-se uma escritora de prestígio e uma das mais lidas no mundo inteiro. Prosseguiu no romance histórico de fantasia com O Incêndio de Troia, onde reescreve a guerra de Troia de uma perspectiva feminista. Com A Casa da Floresta (1983), regressou ao universo mítico da Bretanha druídica, desta vez em confronto com o Império Romano. Em 1985 lançou um livro especialmente destinado ao público infantil (A Filha da Noite, baseado na ópera A Flauta Mágica, de Mozart), mas muitos o consideraram uma obra adulta, e possivelmente imprópria para crianças: Deixou mais de meia centena de livros.

Marion Zimmer Bradley foi casada duas vezes e teve dois filhos. Morava em Berkeley, na Califórnia. Muito de sua notoriedade também se deve ao apoio que deu à comunidade de ficção científica americana. Morreu em 1999. (fonte: Wikipedia) > Mais

.

*** LÁGRIMAS NA CHUVA

É uma espécie de ritual. Quando anoitece, faço uma pausa no trabalho, ponho para tocar a trilha sonora do filme Blade Runner (Caçador de Androides) e preparo um chazinho de hortelã. Vou tomá-lo sentado no banco de madeira, à janela, observando a paisagem cinzamente caótica de São Paulo. Enquanto bebo o chá quentinho, as canções se sucedem, misturando-se ao som da cidade lá fora e emprestando sua suave beleza melancólica ao movimento das ruas lotadas, todos apressados, um bando de autômatos correndo de um lado para outro…

Mas para mim tudo está em câmera lenta. Talvez porque nesse momento eu sou Rick Deckhard no alto daquele prédio, salvo da morte pelo replicante Roy Batty, totalmente rendido diante do grande mistério que é estar vivo e não saber até quando.

Acho que as pessoas correm tanto porque não sabem se amanhã estarão vivas. Mas será que correr tanto assim não faz apenas acelerar a paisagem que passa, deixando para o presente um mero cantinho desprezado, quase imperceptível, entre o que já foi e o que talvez não virá? Correndo tanto assim e vivendo no modo automático, em que momento essas pessoas poderão lembrar que estão vivas? E quando finalmente chegarem ao lugar para onde tanto correm, estarão em paz com as lembranças da vida que viveram? Do alto do prédio, em sua resignada lucidez de quem está morrendo, o replicante Roy tem mais uma pergunta: De que valerá tanta pressa se no fim a vida se perdeu no tempo como lágrimas na chuva?

Penso nisso enquanto tomo o último gole do chá. E renovo minha falta de fé no roteiro que criamos para esta nossa época frenética de humanos autômatos. Corram por mim, amigos, que eu prefiro curtir a paisagem do agora. Até a derradeira faixa do disco.

.

*** VOLTE OUTRO DIA, BEIBE

Era 1965 e os Rolling Stones faziam uma turnê pelos Estados Unidos. Keith Richards acordou no meio da noite possuído por uma ideia musical. Ele ligou o gravador, gravou uns acordes e voltou a dormir. Depois ele e Mick Jagger finalizaram a música, inspirados pela frustração de estarem confinados em seus quartos de hotel e não poderem tocar. A música foi batizada de Satisfaction e rapidamente virou um grande sucesso no mundo inteiro, tornando-se uma das canções mais emblemáticas da história. Ainda hoje, 50 anos depois, ela é bastante executada, e mesmo quem não gosta nem conhece rock muito provavelmente reconhecerá aqueles três acordes básicos, o riff, que iniciam a música e voltam a cada retomada do refrão.

Além do riff, a letra também encontrou imediata receptividade entre o público jovem. Talvez essa não tenha sido a principal motivação para os versos, mas eles soam perfeitamente como contestação à cultura de consumo, que persegue insistentemente o personagem no rádio e na TV. Na estrofe final, a frustração do personagem e a fala da garota (volte semana que vem, pois tô numa fase difícil) deslocam o foco para o terreno sexual, e aí a “satisfação” ganha novos significados, ampliando os horizontes interpretativos e seduzindo de vez os ouvintes jovens, que naqueles dias viviam a revolução sexual dos anos 1960. Some-se a isso tudo o jeitinho de Jagger de cantá-la e… buuummmm!!!, a música explodiu.

No início, várias rádios se recusaram a tocá-la por seu suposto apelo sexual. Mas não havia como deter a onda. E hoje, 50 anos depois, Satisfaction parece não ter envelhecido nadinha, pelo contrário, pois a cultura do consumismo se intensificou a níveis impensáveis. Hoje, buscamos sedentos a satisfação nas novidades que a cada dia surgem nos anúncios publicitários, mas quando as alcançamos, a novidade seguinte já nos acena à frente, para nossa frustração.

O consumismo do nosso tempo é uma garota linda e sorridente a nos seduzir o tempo todo com maravilhosas promessas de satisfação. Mas que repete sempre: volte outro dia, beibe, volte outro dia… > Mais

.

*** RELIGIÃO E POLÍTICA JUNTOS: PERIGO SEMPRE

Eu nada tenho contra religioso. Mas tenho tudo contra o fanatismo religioso e as mentiras e enganações da religião, e a interferência da religião no Estado laico. E parece que o padre Marcelo Rossi concorda comigo. Veja o que ele falou em 2014, a respeito da mistura de política com religião:

“Eu sou totalmente contra, seja padre ou pastor. Está errado. Ou você é um líder religioso, ou você é um líder político. Pode colocar minhas palavras: ´Nunca vote em nenhuma pessoa religiosa´. A Igreja Católica viveu isso, a união de Estado, política e religião. Foi a pior fase. Pode ver que a Igreja Católica é a única que não tem candidato. Ela pode até dizer que gosta, mas nunca indica. Eu tenho medo. A pior coisa é fanático. Fuja dessas pessoas, que são as mais perigosas e as que se corrompem mais facilmente.”

Aplausos, aplausos. > Mais

.

***  EROTISMO SEGUE EM ALTA

Na relação atualizada dos livros mais vendidos de 2015, categoria ficção, do Publishnews, a série 50 Tons de Cinza, da inglesa E.L. James, continua fazendo bonito. Os três livros da trilogia estão entre os 10 primeiros lugares. E na relação há mais um erótico, o “Somente sua”, da série erótica Crossfire, de Sylvia Day.

As mulheres compõem a esmagadora maioria dos leitores das duas séries. Como a série de E.L. James foi lançada no Brasil em 2012, já se vão três anos de sucesso, com presença constante nos mais vendidos. Ô maravirilha! Bom demais saber que as mulheres começam a assumir publicamente que também apreciam uma sacanagem. Bem, a qualidade literária desses livros é outro papo, mas é sempre bom ver a literatura erótica fazendo sucesso. > Mais

.

*** AH, ESSES DEUSES MACHÕES…

Nas tirinhas de humor de Carlos Ruas, os deuses de diversas religiões do planeta enchem a cara na taberna. E, como todo bebedor machão, não perdem uma oportunidade de enaltecer sua sagrada virilidade…

ReligiaoHumorCarlosRuas-06

.

*** RELAÇÕES POLIAFETIVAS: A FUTURA POLÊMICA

Até pouco tempo atrás, boa parte das sociedades ocidentais entendia que a mulher era propriedade do homem. Ainda hoje, muitos acreditam que a homossexualidade é uma doença ou obra do Diabo. O racismo, que antes era algo considerado normal e aceitável, hoje é crime. O casamento entre pessoas do mesmo sexo é o tema polêmico da vez, e a tendência aponta para uma crescente aceitação da sociedade. Isso mostra que os valores morais e éticos de uma sociedade são mutantes.

E no futuro, que temas polêmicos ocuparão as discussões? Um forte candidato surge no horizonte: a poliafetividade. Esse conceito defende que as relações não monogâmicas consensuais também devem ser legitimadas pela sociedade, tanto quanto as monogâmicas. Isso nos leva, naturalmente, a discutir a questão da definição de casamento, ampliando seu conceito para a união de duas OU MAIS pessoas.

Se, de fato, nós podemos gostar ou amar a mais de uma pessoa ao mesmo tempo, por que então somos obrigados a namorar ou casar com apenas uma pessoa? Por que seria imoral ou errada uma relação em que os participantes concordam em não serem exclusivos um do outro? Por que as mentiras e as traições das relações fechadas são geralmente mais aceitas que a franqueza dos que preferem relações abertas? > Mais

.

*** OS NINGUÉNS DE GERALDO ALCKMIN

É verdade que a chuva abaixo da média contribuiu para a crise hídrica do estado de São Paulo. Mas a culpa maior é da própria Sabesp, que durante anos falhou na administração dos recursos naturais e financeiros. E esse papo de que ninguém ficou sem água em São Paulo não cola. Os bares, restaurantes e teatros da Praça Roosevelt, no centro, por exemplo, há meses convivem com a falta dágua diária. > Mais

.

*** O EXEMPLO DE MALALA

“Hoje, no meu primeiro dia como adulta, em nome das crianças do mundo, eu peço aos líderes que devemos investir em livros ao invés de balas.”

Quem falou isso foi Malala Yousafzai, a paquistanesa que ganhou o Prêmio Nobel da Paz devido ao seu trabalho em pró do direito à educação para meninas. Ela vive na Inglaterra desde 2012, quando recebeu cuidados médicos após ser baleada na cabeça por militantes talibãs. Sua história será contada num documentário que deve estrear em outubro deste ano.

Putz. Se ainda precisamos lutar tanto assim para que mulheres tenham o direito de estudar, então temos poucos motivos para nos orgulhar de sermos humanos. Apesar disso, ou justamente por isso, o exemplo de Malala é inspirador. Parabéns, Malala. > Mais

.

*** DAR OU NÃO DAR NA PRIMEIRA NOITE

elarua11Ainda hoje, século 21, às portas do Armagedom, tem mulher que se atormenta com esse dilema. Transar logo ou se fazer de difícil? Para muitas mulheres, a lógica ainda é aquela: se a gente transar logo, ele vai perder o interesse. Lógica estranha…

Mas vamos considerar as possibilidades. Se o cara perdeu o interesse após o sexo, certamente é porque ele não gostou, afinal quem gosta, quer de novo. Ou então, se ele é desses que perde imediatamente o interesse por mulheres que dão na primeira noite, nesse caso a mulher não tem nenhum motivo para se chatear, pois livrou-se de um babaca.

Tem mulher que jura que mantém o cara preso a ela enquanto o sexo tá difícil. Lógica doida… Prender alguém não me parece algo bom de se fazer, não importa em nome de quê. > Mais

.

*** ATEUS SAINDO DO ARMÁRIO (16)

BETINHO – sociólogo

Herbert José de Sousa, conhecido como Betinho (1935-1997) foi um sociólogo e ativista dos direitos humanos. Concebeu e dedicou-se ao projeto Ação da Cidadania contra a Fome, a Miséria e pela Vida.

O jovem Betinho foi católico praticante, de comunhão diária. Alguns de seus amigos eram sacerdotes. Teve professores jesuítas. Ele fazia parte da ala mais à esquerda da Igreja. Foi da Juventude Estudantil Católica, onde começou a sua militância política. Depois, atuou na Juventude Universitária Católica, na Universidade Federal de Minas. Participou da criação da AP (Ação Popular), da qual foi o primeiro coordenador. Aos 27 anos de idade, tornou-se ateu.

Em 1986 Betinho descobriu ter contraído o vírus da AIDS em uma das transfusões de sangue a que era obrigado a se submeter periodicamente devido à hemofilia. Em sua vida pública esse fato repercutiu na criação de movimentos de defesa dos direitos dos portadores do vírus. Junto com outros membros da sociedade civil, fundou e presidiu até a sua morte a Associação Brasileira Interdisciplinar de AIDS. Dois dos seus irmãos, o cartunista Henfil e o músico Chico Mário, morreram em 1988 por consequência da mesma doença. Mesmo assim, não deixou de ser ativo até o fim de sua vida, dizendo que a sua condição de soropositivo o forçava a “comemorar a vida todas as manhãs”.

Betinho morreu em 1997, já bastante debilitado pela AIDS. Deixou dois filhos: Daniel, filho do seu primeiro casamento com Irles Carvalho, e Henrique, filho do segundo casamento com Maria Nakano, com quem viveu por 27 anos. Duas décadas após sua morte, a imagem de Betinho mantém-se no imaginário da população com uma aura positiva, de quem dedicou a vida a lutar pelos direitos básicos do cidadão. > Mais

.

*** A CONTINÊNCIA NO PAN É, SIM, UM GESTO POLÍTICO

Nesta edição dos Jogos Pan-Americanos, em Toronto, Canadá, alguns atletas brasileiros, ao subirem ao pódio, fizeram o gesto militar de continência. Todos eles eram patrocinados pelas Forças Armadas. Isso provocou discussão.

O Comitê Olímpico Internacional não permite manifestações políticas, religiosas ou raciais, sejam elas organizadas ou espontâneas. E também não permite publicidade comercial. A continência dos atletas pode ser interpretada tanto como manifestação política como publicidade para seu patrocinador. Por isso, foi criticada. > Mais

.

*** PORTUNHOL QUER SER RECONHECIDO COMO DIALETO

Portunhol (ou portuñol) é uma palavra que designa a interlíngua, ou língua de confluência, originada a partir da mistura de palavras da língua portuguesa e da espanhola. Ocorre sobretudo em cidades de fronteira entre países de língua portuguesa e espanhola.

Devido à semelhança entre a língua portuguesa e a espanhola derivada do fato de possuírem como língua materna o latim, é muito comum as pessoas que dominam uma dessas línguas sentirem-se confortáveis para falar a outra imaginando que basta trocar uma palavra de português para a sua correspondente em espanhol ou vice-versa, sem levar em conta a gramática e a concordância.

Com o intercâmbio cultural cada vez mais crescente promovido pelas viagens e pelas facilidades tecnológicas, falantes do português e do espanhol cada vez mais se arriscam na outra língua. Talvez, num futuro não tão distante, as duas línguas estejam tão misturadas que o portunhol acabe sendo considerado a segunda língua oficial de vários países da América do Sul.

Um grupo de intelectuais quer que a Unesco declare o dialeto Patrimônio Imaterial. Olhaí o portunhol botando as asinhas de fora… > Mais

.

***  GREGÓRIO DUVIVIER SOFRE PEGADINHA E FICA PELADO

Gregório Duvivier é um exemplo de multitalento. Escritor, roteirista, ator e humorista, ele é um dos criadores do Porta dos Fundos, grupo que produz esquetes de humor na internet com grande sucesso de público. Gregório é um crítico contundente dos excessos da religião no Estado laico. Confira sua entrevista para a revista Serafina. > Mais

.


AsPreciosasDoKelmer201507AS PRECIOSAS DO KELMER

> Esta edição no Facebook
> Todas as edições no Facebook
> No Blog do Kelmer

.

.

.

Seja Leitor Vip e ganhe:

– Acesso aos Arquivos Secretos
– Descontos, promoções e sorteios exclusivos
Basta enviar e-mail pra rkelmer@gmail.com com seu nome e cidade e dizendo como conheceu o Blog do Kelmer (saiba mais)

.

.

Comentarios01COMENTÁRIOS
.

 


Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: