A divertida mente da garotinha triste

23jul2015

Um maravilhoso filme adulto para crianças que é um magistral filme infantil para adultos. Ou vice-versa

ADivertidaMenteDaGarotinhaTriste-02

A DIVERTIDA MENTE DA GAROTINHA TRISTE

.
Como falar de psicologia para crianças? Como expor aos miúdos conceitos como personalidade, inconsciente e depressão? Como ensinar-lhes que, embora indesejada, a tristeza é um sentimento legítimo e importante na saúde psíquica do indivíduo? Impossível, né?

Não para a Pixar. Esta empresa de animação digital, comprada pela Disney em 2006, já ganhou muitos prêmios pela alta qualidade de seus filmes. Você certamente já viu alguns, como Toy Story, Monstros S.A. e Procurando Nemo. Pois com sua nova animação Divertida Mente (Inside Out), a Pixar foi além: ela conseguiu fazer um maravilhoso filme adulto para crianças que é um magistral filme infantil para adultos. Ou vice-versa.

Riley é uma garotinha de 11 anos que muda de cidade e enfrenta dificuldades na adaptação à nova vida. Parece um enredo bem simples, né? E é. Mas ele é só um coadjuvante para a grande atração do filme: a mente da garotinha. Paralelamente à vida cotidiana de Riley, vemos o funcionamento de sua vida psíquica, onde, numa sala de comando, atuam Alegria, Tristeza, Medo, Raiva e Nojinho, as personificações de seus pensamentos, sentimentos e sensações. São eles que monitoram e organizam a evolução da personalidade de Riley, determinando seu comportamento. A mudança de cidade, porém, trará o caos ao trabalho dessa turminha e uma crise para Riley.

Como estudioso da psicologia do inconsciente, fui ver Divertida Mente com um pé atrás na desconfiança. Mas ela se foi logo nas primeiras cenas. As alegorias usadas na tradução dos conceitos psicológicos para a linguagem infantil foi feita, obviamente, de forma caricata, mas ficou ótimo. É um filme encantador, divertidíssimo e cheio de sacadas geniais. É tudo muito singelo e verdadeiro, e de uma profundidade surpreendente. Em nenhum momento o filme apela para o sentimentalismo barato, mas ainda assim é difícil não se emocionar. Eu me segurei bem, sim, mas só até o momento em que Bing Bong é esquecido ‒ aí também tenha paciência, né? A partir dessa cena não mais contive as lágrimas, e quem assumiu minha sala de comando foi a criança que nunca deixei de ser, e que parece estar sempre mudando de cidade.

Pelos relatos dos pais, os pimpolhos gostam e entendem o filme. Como a história foi criada a partir da experiência real vivida por um dos roteiristas com a própria filha pré-adolescente, isso certamente foi fundamental no processo de criação. Deve ser bem interessante ver esse filme sendo uma criança e depois revê-lo adulto. Infelizmente não terei essa chance, mas muitos poderão ter.

Interessante também foi perceber como Alegria, Tristeza, Medo, Raiva e Nojinho se parecem com pessoas reais que conheço (não adianta, não darei nomes), e isso me garantiu boas risadas. Evidentemente, nenhuma pessoa é apenas um tipo único de sentimento ou emoção, mas é natural que uma delas se destaque na personalidade, mesmo que por um tempo. E Nojinho, heim? Como tem Nojinho dando chilique nesse mundo! Elas são irritantemente lindas e fúteis, e odeiam brócolis, mas justamente por isso se parecem com eles, e você sabe que o bicho homem masculino adora um brócolis de vestidinho… Ops, tava demorando. Ricardinho, esta é uma crônica infantil. Corta.

Esse filme fala de autoconhecimento, de como é importante sabermos lidar com nosso mundo interior. É provável que haja uma continuação, mostrando Riley na adolescência. Se os roteiristas conseguirem manter a qualidade na estrutura narrativa, teremos a comprovação de que é possível mostrar a crianças e adolescentes toda a complexidade da vida psíquica de uma maneira lúdica e instigante, motivando-os desde cedo a se conhecerem psicologicamente. Bem, é claro que isso não é função da arte, mas depois de Divertida Mente eu me sinto no dever de descer lá no vale do esquecimento e resgatar meu Bing Bong pessoal. E viajar com ele na esperança de uma humanidade mais consciente de si mesma.

.
Ricardo Kelmer 2015 – blogdokelmer.com

.

.


FILMEDivertidaMente-03aDIVERTIDA MENTE

Divertida Mente (Inside Out) – EUA, 2015
Gênero: Animação
Realização: Walt Disney e Pixar Animation Studios
Direção: Pete Docter, Ronaldo Del Carmen
Argumento: Pete Docter
Roteiro: Josh Cooley, Meg LeFauve, Pete Docter
Vozes na versão original: Amy Poehler, Bill Hader, Bob Bergen, Carlos Alazraqui, Diane Lane, Jess Harnell, Kyle MacLachlan, Laraine Newman, Lewis Black, Lori Alan, Mindy Kaling, Paula Poundstone, Phyllis Smith, Richard Kind, Teresa Ganzel
Vozes na versão brasileira: Kaitlyn Dias (Riley), Miá Mello (Alegria), Katiuscia Canoro (Tristeza), Otaviano Costa (Medo), Dani Calabresa (Nojinho), Leo Jaime (Raiva)
Produção: Jonas Rivera
Trilha Sonora: Michael Giacchino
Duração: 102 min.

 

Trêiler do filme (português, dublado)

.

.

LEIA NESTE BLOG

Jung – a jornada do autodescobrimento – Vídeo com um resumo da vida e das ideias de Carl Jung, o psicólogo e pensador suíço criador da teoria do inconsciente coletivo

Livros: He, She, We – Os rios de nossas vidas na verdade correm por leitos muito, muito antigos – os mesmos leitos que outras águas, ou outras pessoas, também percorreram

Mulheres na jornada do herói – É ainda mais interessante ver o relato das mulheres pois elas sempre foram, mais que os homens, historicamente reprimidas na busca pela essência mais legítima de suas vidas

A ilha – Uma fábula sobre o autoconhecimento

Mariana quer noivar – Você abdicaria das relações amorosas em sua vida em troca de dinheiro ou sucesso na carreira?

Carma de mãe pra filha – Os filhos sempre pagam caro pelos pais que não se realizam em suas vidas

A humanidade, o psicólogo e a esperança – Os acontecimentos mostram que a humanidade está se unificando, unindo seus opostos

Cine Kelmer apresenta – Dicas de filmes

.

DICA DE LIVRO

MatrixEODespertarDoHeroiCapaEdicaoDoAutor-01Matrix e o Despertar do Herói
A jornada mítica de autorrealização em Matrix e em nossas vidas
Ricardo Kelmer

Usando a mitologia e a psicologia do inconsciente numa linguagem descontraída, Kelmer nos revela a estrutura mitológica do enredo do filme Matrix, mostrando-o como uma reedição moderna do antigo mito da jornada do herói, e o compara ao processo individual de autorrealização, do qual fazem parte as crises do despertar, o autoconhecer-se, os conflitos internos, as autossabotagens, a experiência do amor, a morte e o renascer.

.

.

Seja Leitor Vip e ganhe:

Acesso aos Arquivos Secretos
Descontos, promoções e sorteios exclusivos
Basta enviar e-mail pra rkelmer@gmail.com com seu nome e cidade e dizendo como conheceu o Blog do Kelmer (saiba mais)

.

.

Comentarios01 COMENTÁRIOS
.

01- Amei o que escreveu sobre o filme infantil. Fiquei duvidando se havia sido escrito por voce mesmo rsrsrs. Gostei desse lado Kelmer criança mizifio. Deu ate vontade de ver o filme. Ivonesete Rodrigues, Fortaleza-CE – jul2015

02- Mostrar que a tristeza tambem nos ajuda a passar por uma fase dificil foi genial! Debora Morais, Fortaleza-CE – jul2015

03- Ricardo Kelmer, ja tinha me programada para ver, mas depois desse belo artigo seu, se tornou imperdível! Abraço meu amigo! Cristina Balieiro, São Paulo-SP – jul2015

04- Achei o filme genial. ..as ilhas de personalidade da garotinha , o amigo imaginário…a mente dos pais..Vou ver novamente! Telma Parente, Fortaleza-CE – jul2015

05- consegui baixar o filme, louca para ver! Susana X Mota, Leiria-Portugal – jul2015

06- Tinha pensado em assisitr mas acabei deixando para la, agora assistirei com certeza! Ana Claudia Domene Ortiz, Albuquerque-EUA – jul2015

07- Poesia em forma de animação!!! Andeile Airam, Fortaleza-CE – jul2015

08- Que bacana Ricardo! Eu gostei muito do filme.. .impossível não refletir as nossas próprias emoções. .. ! Um filme que toca a alma se qualquer um .adulto ou criança. Adorei o seu texto …! Vou copiar…. bjs.
Compartilho essa analise do Ricardo Kelmer sobre o filme Divertida mente. Assisti e me tocou de forma profunda… é um filme que todos precisamos assistir qie nos leva ao auto conhecimento e melhor entendimento d as nossas emoções.. .mostra que emoções tidas como “negativas” também sao importantes para o nosso crescimento e devemos aceita-las… enfim. Leia e nao deixe de ver o filme! Sandra Macedo, Fortaleza-CE – jul2015

09- Para vc Paula Silvia. Fica a dica. Eliana Torres, Ponta Porã-MS – jul2015

10- Ah!…. MAS EU A-DO-RO BRÓCOLIS!!!! … kkkkkkkk…ainda não vi, mas estou muitíssima curiosa! Risos…mesmo porque Kelmer tem a liberdade de dizer tudo p/comigo, e…”detalhe” , Kelmer comenta ja me chamando (in box ) de ‘ NOJINHO! Bah! Já fui logo perguntando, né? kkkk … adorei o texto. Regina Zamora, São Paulo-SP – jul2015

11- Hehehe! Não podia faltar né mizifio , sua marca registrada! Kkkkkk. foi uma deliciosa dica e esse texto mais ainda! Ameeei! Eu tbém senti aperto no coração quando Big Bong se apagou no vale do esquecimento. Ivonesete Zete, Fortaleza-CE – jul2015

12- incrível! Eu quero assistir esse filme. Renata Regina, São Paulo-SP – jul2015

13- Esse filme realmente, é genial. Muito profundo e importante pra adultos e crianças refletirem, Vlw, Rica. Bjs. Anabela Alcântara, Fortaleza-CE – jul2015

14- Sim!!!Pra adultos e crianças! Isabela Alcântara, Fortaleza-CE – jul2015

15- Grande sacada! Assisti e adorei! Interessantíssimo! Dri Flores, São Paulo-SP – jul2015

16- Eu soh vih o traler e me emocionei!…lindo!Louca pra ver! Isabela Alcântara, Fortaleza-CE – jul2015

18- Sensacional sr kelmer! Jayme Akstein, Sidney-Austrália – jul2015

19- Ricardo eu adorei o filme.comentário de Clarinha:Mamãe a alegria é bom mais a tristeza tb é. Germana Mourão, Fortaleza-CE – jul2015

20- Prof. Jacinta, Achei esse filme a cara da disciplina Motivação e Emoção! Seria ótimo aprender mais assistindo filmes assim… Bjo ‪#‎ficadica‬. Glaina Santos Costa, Fortaleza-CE – jul2015

21- Ricardo Kelmer doooida para assistir. Marilene Neri, Fortaleza-CE – jul2015

22- Sim Ricardo !!!! Com a minha de 5 anos !!! Ela adorou ! Só não gostou na hora que bing bong foi esquecido tbm .. Mas fala dos personagens até hoje rss. Ana Kariny Gomes Rosa, Fortaleza-CE – jul2015

23- Taí, o Ricardo Kelmer disse tudo o que eu queria. Vale demais ler o texto e, sobretudo, assistir o filme. Rosângela Aguiar, Fortaleza-CE – jul2015

24- Ricardo Kelmer, finalmente fui assistir Divertida Mente (Inside Out), uma graca! Nem me fale de Bing Bong, nao posso assistir esses filmes sem dar vexame… rsrs. Obrigada pela dica! Ah, o que seria de nos sem a tristeza? Ana Claudia Domene Ortiz, Albuquerque-EUA – out2015

Anúncios

2 Responses to A divertida mente da garotinha triste

  1. Joia, Kelmer! Excelente análise, como sempre!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: