Galinha ao molho conjugal

03mai2012

Então fizemos uma aposta. Qual dos três conseguiria resistir mais tempo ao casamento?

GALINHA AO MOLHO CONJUGAL

.
O ano era 1988 e o bar era o Badauê, na Praia de Iracema. Lá estou eu e meus sócios, Paulo Marcio e Nelsinho, dividindo o lucro da noite e brindando ao estrondoso sucesso de nosso negócio.  E rindo à toa, pois realizávamos o velho sonho de ter o próprio bar. O dinheiro era bem vindo, claro, afinal aqueles papeizinhos retangulares facilitavam muita coisa, porém bom mesmo era um tipo de dividendo mais curvilíneo que o Badauê nos proporcionava: mulheres. Muitas, de toda cor e sabor, jeito e qualidade. Mulheres anônimas, famosas, loucas, deliciosas… Não tínhamos dúvida: o Paraíso ficava ali na rua Potiguaras.

Então fizemos uma aposta. Qual dos três conseguiria resistir mais tempo ao casamento? É claro que, legítimos representantes da mais fina galinhagem, entusiasmados em nossos vinte e poucos anos, cada um votou em si. E agora? Resolvemos assim a questão: os dois que casassem primeiro dariam, cada um, um Jack Daniel’s para o vencedor, um justo troféu para o último resistente dos três mosqueteiros, derradeiro baluarte do sagrado cocoricó.

Pausa para reflexão sociológica. A galinhagem é um fenômeno que geralmente se manifesta cedo na vida do homem quando, na volta do recreio, ele descobre escrito em seu caderno que fulana é galinha, sendo fulana a sua digníssima irmã. Nesse momento crucial da vida o peso da verdade desce sem dó sobre os ombros do homem. Não porque a irmã seja realmente galinha, vai ver até é mesmo, mas porque agora ele sabe que existe a galinhagem. É um instante decisivo que norteará o comportamento masculino. Há os que assumem o papel de guardião das virtudes morais da irmã, coitados, mas há quem parta empolgado para saber o que diabo tem de tão bom nesse negócio que a irmã dele pelo jeito já descobriu. Fim da pausa para reflexão.

Eu, particularmente, descobri a galinhagem na pré-adolescência, estudante do colégio militar. Um colega apostou um sabacu como eu não tinha coragem de segui-lo numa aventura com as alunas do colégio Imaculada Conceição, ninfas que povoavam nossas púberes fantasias. Eu apostei, claro, e lá fui eu. Os colegas mais velhos compraram um saquinho de milho na bodega e rumaram para o Imaculada. Algumas salas de aula ficavam abaixo do nível da rua, de modo que suas janelinhas gradeadas surgiam aos passantes à altura da canela. Pois os malvados enchemos a mão de milho e passamos jogando os caroços pelas janelas enquanto emitíamos aquele som de quem alimenta galinha no terreiro: “Ti-tiii-tiiiiiii…” Depois saímos na disparada, excitados e felizes. E meu colega levou um tremendo sabacu, claro, aposta é aposta.

Foi a primeira e última vez que joguei milho para galinhas desse tipo ‒ achei muito perigoso. Mais tarde, já crescidinho, entendi que a verdadeira galinhagem não era nada daquela molecagem de estudante, mas sim um modo eficiente de experimentar todos os salgadinhos e docinhos da festa. E há aqueles que se especializam e se tornam galinhas profissionais. A esses não basta provar de todos os quitutes: é preciso ser discreto, paciente, estratégico e, principalmente, ficar até o fim da festa… para deixar a garçonete em casa.

Depois daquela primeira experiência com as imaculadas, a galinhagem ainda me proporcionaria boas festas por muitos anos, disso jamais poderei me queixar. Mas docinho engorda, sabe como é, e com o tempo não se tem mais estômago para tanto salgadinho. Sem falar que garçonete larga o serviço muito tarde e foi-se o tempo em que dava para dormir até meio-dia.

Por essas e outras é que este ano meu amigo Paulo Marcio jogou a toalha e… casou. Incrível mas verdadeiro. E no fim do ano será a vez do Nelsinho. A cultura galinácea perde dois estupendos profissionais. Em compensação, suas belas mulheres ganham invejáveis maridos.

E eu? Bem, eu ganhei a aposta. Sempre fui bom jogador, pergunte lá no pôquer. Quanto ao Jack Daniel’s, espero que eles honrem a palavra pois é meu uísque preferido. E aproveito para avisar aos amigos que em breve será minha vez. Isso mesmo, já faz um tempo que ando pensando em jogar a toalha. Poderia ter sido um pouco antes, é verdade, mas sabe como é: aposta é aposta
.

Ricardo Kelmer 2002 – blogdokelmer.com

.

Esta crônica integra o livro A Arte Zen de Tanger Caranguejos

.

.

LEIA NESTE BLOG

Ser mulher não é pra qualquer um – É dada a saída, lá se vai o trenzinho. Num vagão as Belas, abalando nos modelitos, no outro as Madrinhas, abalando com o isopor e o estojinho de primeiro-socorro

A celebração da putchéuris – A história fuleragem da Intocáveis Putz Band

Roque Santeiro, o meu bar do coração – Uma homenagem ao bar Roque Santeiro

Breg Brothers com fígado acebolado – Encher a cara, curtir dor de cotovelo e brindar a todas as vezes em que fomos cornos…

A pouca vergonha do escritor peladão – Foi minha vizinha louca de Botafogo, a Brigite, quem me deu a ideia: Por que você não faz um ensaio fotográfico peladão pra comemorar seus 40 anos?

O dia em que morri no Rock in Rio – O primeiro baseado que fumei daria um filme. Um não, vários

.

.

Seja Leitor Vip e ganhe:

– Acesso aos Arquivos Secretos
– Descontos, promoções e sorteios exclusivos
Basta enviar e-mail pra rkelmer@gmail.com com seu nome e cidade e dizendo como conheceu o Blog do Kelmer (saiba mais)

.

.

Comentarios01 COMENTÁRIOS
.

01- Uhuu!!! Como se alguem tivesse tido alguma duvida! Bons tempos andar “encangada! c os três. Todos com cabelo!!!! Andrea Reis, Fortaleza-CE – mai2012

02- Kelmo ganhou !!!! E o bar … BADAUÊ … dispensa comentários … Saudades !!! Isabela Cantal, Fortaleza-CE – mai2012

03- vamos reativar o badauê. Moacir Bedê, Fortaleza-CE – mai2012

04- Tudo certo!mas sem banho na caixa D`água OK Ricardinho! Germana Mourão, Fortaleza-CE – mai2012

05- meu Deus….. Tete Vieira, Fortaleza-CE – mai2012

06- Não tenho nada, não sei de nada, não me lembro de nada…….só ficava trabalhando no caixa a noite toda!! Como vocês tinham coragem?!! Luce Galvão, Fortaleza-CE – mai2012

07- nossa quantas saudades dessa época!!! Karla Zeidan, Fortaleza-CE – mai2012

08- Badauê ??!!! Onde era mesmo ? Crisostomo Frota, Fortaleza-CE – mai2012

09- que pena que não sou dessa época… esse rapaz do lado direito era conhecido como ‘a máquina’? Ihvna Chacon, Fortaleza-CE – mai2012

10- Só bons meninos… Representantes do Movimento Uga! Sandra Freire, Fortaleza-CE – mai2012

11- eu ainda sou frango nessa galinhagem. Israel Salsicha Campos Souza, Fortaleza-CE – mai2012

12- Muito, muito bom o texto. Paolo Rogers Tabosa, Fortaleza-CE – mai2012

13- Querido Ricardo Kelmer, Por que não reabrir o Badauê??? A vida te deu muitas novas experiências que irão contribuir para teu sucesso. Como dizem : o universo está conspirando a teu favor! A Orla de Iracema já está sendo revitalizada, o Aquário já está vindo por aí. A Lupus Beer da Rossicléia é um sucesso, tá sempre lotada de turista de toda parte, foi ela mesma quem disse num programa do Falcão ( um tal de Programa Leruaite). Revitalizar a praia de Iracema é discurso de palanque de todos os candidatos à prefeitura. Sem contar com o vazio que ficou com a morte do dono do Pirata. Tá faltando um novo pirata ou “novo pirado” na praia de Iracema!!! Engravide-se desta idéia.Pense, planeje, rumine…. Mas volta, fazendo favor!!!Volta para a alegria das mulheres ex-frequentadoras da Praia de Iracema!! O que tem de mulher solteira em Fortaleza sem saber para onde ir no fim de semana, dá na canela!! O mulheril agradece!!! bjosss, suas fãs. Mimi desesperada, Fortaleza-CE – mai2012

Anúncios

2 Responses to Galinha ao molho conjugal

  1. Tô com o Bedê: vamos reativar o Badauê!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: