Dez segundos para ser feliz

14mar2012

Seus olhos continuam sorrindo mesmo quando ela conta, sem pudor, das imensas bobagens que fez em nome de sua busca por felicidade

DEZ SEGUNDOS PARA SER FELIZ

.
Ele puxa a cadeira e ela senta de frente para ele, na mesa da cantina. Ela está atrasada para a aula, mas diz que faz questão de deixar seu depoimento. Ele agradece, observando-a enquanto ela põe a mochila sobre a cadeira. Está linda e radiante, a roupa descontraída, um brinco meia-lua que é a inicial de seu nome. Ele percebe rugas no rosto dela, mas elas simplesmente somem à presença de seus olhos, dois lindos e grandes sorrisos castanhos. Depois dela pedir um café ele explica que a pesquisa preserva o anonimato dos entrevistados e liga o gravador.

Ela então conta do tempo em que andou perdida, vagando pelo caos de desentendimentos de sua vida confusa. Sabe quando você está tão perdida que nem isso percebe?, ela lhe pergunta e ele faz que sim com a cabeça sem saber se sabe mesmo. Seus olhos continuam sorrindo mesmo quando ela conta, sem pudor, das imensas bobagens que fez em nome de sua busca por felicidade. Onde estava essa tal de felicidade? Em algum bar, certamente, ou na festa de sábado. Ou no homem seguinte que cruzaria seu caminho. Mas não estava, nunca esteve. Em certas mulheres não estaria?, não custava tentar. Tentou, mas lá também não estava. Quem sabe então o curso no exterior, o apartamento com varanda, o crediário de dez vezes para renovar o guarda-roupa, a igreja que a prima frequentava…

Os anos se passaram e a angústia, que antes batia ponto na ressaca do dia seguinte, agora chegava sem hora marcada, qualquer lugar, feito uma entidade mal vinda que quando a gente vê, já sentou à mesa. Ela recorreu às drogas, legais e ilegais. Não faziam bem, ela sabia, mas eram eficientes e era isso que importava: impedir seus olhares de se encontrarem, os dela e os da angústia, cada vez mais insistente.

Até que um dia a levaram às pressas ao hospital. No auge do desespero ela se ferira seriamente e precisou ser internada. No hospital ainda tentou se livrar daquele sofrimento de uma vez por todas, mas o enfermeiro chegou a tempo e impediu. Foram meses de muita luta, dela para querer voltar a viver e dos familiares e amigos para não desanimar.

Hoje está recuperada. Ainda luta contra algumas tendências perigosas, mas sua força de viver agora está no comando e os belos olhos não mentem sobre seu maravilhoso estado de espírito. Ela conta que, de onde está agora, vê tudo com mais clareza. Olha para o passado e vê que enquanto buscava a felicidade, tanto mais a felicidade lhe fugia, feito dois ímãs que se repelem.

– Lamento pelas pessoas que procuram a felicidade – ela diz, e pela primeira vez ele percebe uma nuvenzinha de tristeza sobre seus olhos. – Jamais vão encontrar. Porque felicidade não é algo que se encontra como um objeto que estava perdido. Felicidade é uma questão de percepção. Um dia você se dá conta que é feliz, que sempre foi, apenas não sabia.

Ele pensa em pedir outro café, mas desiste, não quer perder nenhuma palavra do que ela diz.

– Não precisa droga nem religião. Um dia algo acontece e você entende a vida de outra forma. É como despertar de um sono profundo. É só uma questão de mudar o ponto de vista, entende?

Mudar o ponto de vista, ele repete mentalmente. Não tem certeza se captou o sentido exato. Talvez se não houvesse aqueles olhos a lhe ofuscar o raciocínio… Mas não, ele sente que algum detalhe importante lhe escapa. Ela pega um guardanapo e somente então é que percebe as cicatrizes no pulso, camufladas sob os braceletes coloridos. Desvia o olhar, constrangido. Mudar o ponto de vista…, ele sussurra.

– Não, não pense! Pensar é um ímã que repele a felicidade. A gente não pensa, a gente vive a felicidade.

Ela termina seu café e levanta, diz que precisa ir, está adorando a faculdade. Ela o abraça carinhosamente e ele tem vontade de pedir que fique só mais um minutinho, sente que está bem próximo de uma revelação, algo muito importante… Ela sai e ele senta novamente, seguindo-a com o olhar. Ok, não é para pensar… mas como se faz para não pensar? Ele pede outro café. As outras entrevistas foram tranquilas, nada de especial, mas aquela… Será por isso que não era feliz, porque não parava de pensar nisso?, ele se pergunta. Não devia ter aceitado aquele tema, felicidade era um assunto perigoso. E nos últimos tempos deu para pensar demais nos rumos que tomou sua vida, quando se dava conta já estava pensando novamente, parecia um maldito soluço que não passava.

– Só não somos felizes, de fato, porque não sabemos que somos – falou para si mesmo, os olhos fechados, que nem criança que pensa num desejo. – Então muito bem: eu sei que sou feliz. Sou feliz. Sempre fui. Pronto.

Em dez segundos abriria os olhos. E tudo de repente estaria mudado, estaria fora da Matrix. Uma outra realidade, um outro eu. Feliz. Só precisava ficar dez segundos sem pensar em nada. Vamos lá, dez segundos. Não devia ser tão difícil. Era só não pensar. Mais oito segundos. Principalmente nela, na felicidade, não pensar. Apenas mais sete segundos e puff!, despertaria em outro lugar, outro tempo, outra pessoa. Cinco segundos. Uma pessoa feliz. Porque na verdade sempre foi feliz. Quatro. Apenas não sabia. Três. Deixar de pensar, só isso. Dois. Dois ímãs… Um… que repele o outro.
.

Ricardo Kelmer 2004 – blogdokelmer.com

.

Esta crônica integra o livro Vocês Terráqueas – Seduções e perdições do feminino

Kelmer Para Mulheres – Nesta seção do blog, homem fica de fora

.

.

LEIA NESTE BLOG

Mulheres que adoramDar prazer a uma mulher, fazê-la dizer adoro mil vezes por dia…

Insights e calcinhas – Uma calcinha rasgada pode mudar a vida de uma mulher? Ruth descobriu que sim

Mulheres na jornada do herói – É ainda mais interessante ver o relato das mulheres pois elas sempre foram, mais que os homens, historicamente reprimidas na busca pela essência mais legítima de suas vidas

Carma de mãe pra filha – Os filhos sempre pagam caro pelos pais que não se realizam em suas vidas

O íncubo – Íncubos eram demônios que invadiam o sono das mulheres para copular com elas – uma difundida crença medieval. Mas… e se ainda existirem?

Cerejas ao meio-dia – Linda e poética, ela dá a volta no carro e todas as buzinas se calam. Claro, um poema de cereja em plena avenida, não é todo dia

A torta de chocolate – Sexo e chocolate. Para muita gente as duas coisas têm tudo a ver. Para Celina era bem mais que isso…

A gota dágua – A força da tempestade, o poder do desejo. Ela deveria resistir mas…

Ventos do óbvio – Ela tinha o controle de sua vida, ela e mais ninguém. Renascer. Renovar-se

.

.

Seja Leitor Vip e ganhe:

– Acesso aos Arquivos Secretos
– Descontos, promoções e sorteios exclusivos
Basta enviar e-mail pra rkelmer@gmail.com com seu nome e cidade e dizendo como conheceu o Blog do Kelmer (saiba mais)

.

.

Comentarios01COMENTÁRIOS
.

01- “Pensar é um ímã que repele a felicidade… Só não somos felizes, de fato, porque não sabemos que somos…” Adorei isso! Quantos de nós já não se feriu de alguma forma buscando a “felicidade”. Quantos de nós já não usou algum tipo de “droga” ou procurou a suposta felicidade em alguma filosofia. Você, hein, Ricardo Kelmer, sempre contando minhas histórias com um grande requinte de criações e ilustrações! Adorei! (como sempre, afinal, sou sua fã eterna. E faça o favor de republicar logo esse livro que quero lê-lo na íntegra!!!) Maria do Carmo Antunes, São Paulo-SP – mar2012

02- Adorei!! Regia Alves, Fortaleza-CE – nov2013

DezSegundosParaSerFeliz-03b

Anúncios

5 Responses to Dez segundos para ser feliz

  1. Ana Claudia disse:

    Gostei!!!

    Curtir

  2. Lua disse:

    Só os bruxos tem esse dom…

    Curtir

  3. Silvana Alves disse:

    Um conceito de felicidade ligado à conquista de tudo aquilo que o dinheiro pode comprar nos foi passado de geração em geração,Mas,afinal, será mesmo que felicidade consiste apenas em ter todos os bens materiais que desejamos? Uma roupa nova, um carro do ano, joias, viagens, festas,…, Será mesmo que tudo isso é suficiente para trazer felicidade à vida de uma pessoa? Se for, então o que explicaria o índice tão elevado de pessoas bem estabelecidas na vida que se suicidam ou que vivem à sombra da depressão?

    Vivemos em uma busca eterna por essa tal felicidade e, por mais sucesso que consequimos na vida, nunca estamos satisfeitos. Queremos sempre algo a mais, e é essa busca por novas conquistas que acaba por nos desconectar com o mundo, fechando nossos olhos para as pequenas, porém, grandiosas coisas da vida.

    Ser feliz, na verdade, consiste em amar e ser amado, é fazer o que queremos sem nos importar com o que os outros irão dizer, é ter sabedoria para aplaudir o sucesso alheio sem os olhos da inveja, é saber encontrar motivos para sorrir mesmo quando eles já não existem. Ser feliz é acreditar que você é capaz de vencer quando tudo e todos conspiram contra, é viver intensamente o presente com a confiança de que o amanhã será um novo e belo dia.

    Silvana Alves

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: