A prostituição na sala de estar

24fev2011

Quem resiste ao fetiche de acompanhar o cotidiano de uma lolita que vende sexo?

A PROSTITUIÇÃO NA SALA DE ESTAR

.
Sua história é mesmo sedutora. Uma menina de 17 anos, paulistana de classe média alta, briga com os pais, sai de casa e se prostitui por três anos enquanto narra seu dia a dia num blog, cativando milhares de leitores homens e mulheres, adultos e adolescentes. Ela atua num filme pornô, lança um livro sobre sua vida que vende horrores, atrai a atenção da mídia internacional, supera problemas com drogas, casa com um ex-cliente que deixa a mulher para viver com ela e, por fim, larga a prostituição. Mas o mundo não larga dela. A apaixonante história de Raquel Pacheco, nome verdadeiro de Bruna Surfistinha, agora está no cinema. E, ainda que você não goste, está também em sua casa.

Internet, esse é o segredo do fenômeno cultural Bruna Surfistinha. Se não fosse a ideia de narrar sua vida num blog como nos diários íntimos das adolescentes, ela seria apenas mais uma entre as prostitutas deste país. Quem resiste ao fetiche de acompanhar o cotidiano de uma lolita que vende sexo? Eu também não resisti. Acrescente a isso o eterno fascínio que causa o arquétipo da prostituição e, hummm, temos uma receita de sabor irresistível.

Foi feliz a escolha do nome: Bruna é moderno e Surfistinha evoca algo de safadice misturado com meiguice e inocência, e ainda tem um quê de esportivo e saudável. Aí a gente acessava o blog e via que a menina era gatinha e não tinha nenhum jeitão de malaca espertalhona. Ela parecia ser tão verdadeira e espontânea no que fazia que, não, aquilo não podia ser uma pegadinha. Só mesmo ligando para ela para conferir.

O fato de Raquel gostar do que fazia e assumir isso em seu blog era mais um tempero na sedução. Ela preferia a prostituição, pois adorava fazer sexo com homens e mulheres e curtia os clubes de swing. Ela tinha orgasmos com seus clientes, e os respeitava e atendia às suas fantasias. E mesmo depois de famosa, Raquel não achou justo cobrar muito mais, pois sabia que, para parte de sua clientela, um programa com ela custava alguns dias de trabalho. Uma menina bonita, de boa família, que é puta porque quer e não tá nem aí para as leis do mercado – você achava que isso só existia nos filmes, né? Eu também.

Raquel destruiu uma velha imagem da prostituta, a da moça pobre-coitada que é obrigada a alugar o corpo por não ter outra opção. Raquel não. Ela estudava em colégio bom e possuía bom nível cultural. Poderia ter arrumado outro trabalho, mas, não, ela quis ser puta. Planejava juntar grana e largar a prostituição, sim, mas enquanto isso não ocorria, ela vivia com alegria e não se arrependia de sua escolha. Depois de Raquel Pacheco as teses sociológicas terão de ser refeitas para falar dessas mulheres que agora a sociedade sabe que existem: meninas de classe média que, em busca de vida melhor e de custear os estudos mais rapidamente, recusam os salários e condições oferecidos pelos empregos tradicionais e encontram na prostituição um ofício honesto, com seus prós e contras, mas com vantagens financeiras incomparáveis e que a cada dia é visto com menos preconceito.

E agora a história ganha as telas. Editoras lançam livros, profissionais do sexo saem do armário e a TV põe o assunto dentro dos lares. A sociedade descobre que ama e odeia e rejeita e quer o sexo pago, e que, mesmo em tempos de liberação sexual, ele resiste e já não tem vergonha de mostrar o rosto. No século 21 a prostituição ainda polemiza, mas continua fascinante e sedutora. E agora tem um certo charme pop. Como a história de Raquel.

.
Ricardo Kelmer 2009 – blogdokelmer.com

.

.

O FILME

Bruna Surfistinha

Drama, Brasil, 2011,  109 minutos
Direção: Marcus Baldini
Roteiro: José Carvalho, Homero Olivetto e Antonia Pellegrino
Elenco: Deborah Secco, Drica Moraes, Cássio Gabus Mendes, Guta Ruiz
Censura: 16 anos

.

CARTAZES DO FILME

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

SAIBA MAIS

> Blog de Raquel Pacheco
> Entrevista com Raquel Pacheco (TV Estadão, 17.11.09)
> Bruna Surfistinha na Wikipedia
> Bruna Surfistinha no New York Times (27.04.06)

> O que aprendi com Bruna Surfistinha – Lições de uma vida nada fácil (Raquel Pacheco, Panda Books). Livro digital para baixar.
> O doce veneno do pecado – Crônica de Arnaldo Jabor no estadão, 15.03.11

.

Treiler oficial do filme

.

.

MAIS SOBRE SEXUALIDADE FEMININA

AsFogueirasDeBeltane-03aAs fogueiras de Beltane – A sexualidade sem culpa de uma sacerdotisa pagã

A noiva lésbica de Cristo – Se hoje a sexualidade feminina ainda apavora a mentalidade cristã, no século 17 ela era algo absolutamente demoníaco

O íncubo – Íncubos eram demônios que invadiam o sono das mulheres para copular com elas – uma difundida crença medieval. Mas… e se ainda existirem?

Lolita, Lolita – Ela é uma garotinha encantadora. E eu poderia ser seu pai. Mas não sou

A gota dágua – A tarde chuvosa e a força urgente do desejo. Ela deveria resistir mas…

A torta de chocolate – Sexo e chocolate. Para muita gente as duas coisas têm tudo a ver. Para Celina era bem mais que isso…

O mistério da cearense pornô da California – Uma artista linda e gostosa, intelectual e transgressora, que adora perversões e, entre uma e outra orgia, luta pela liberação feminina

A entrega – Memórias eróticas (Toni Bentley, Editora Objetiva/2005) – A ex-bailarina filosofa sobre sua profunda experiência de amor e submissão através do sexo anal

Vocês Terráqueas – Seduções e perdições do feminino – Livro de contos e crônicas sobre a mulher

.

DICA DE LIVRO

IFTCapa-04aIndecências para o fim de tarde
Ricardo Kelmer – Contos eróticos

Uma advogada que adora fazer sexo por dinheiro… Um ser misterioso e sensual que invade o sono das mulheres… Os fetiches de um casal e sua devotada e canina escrava sexual… Uma sacerdotisa pagã e seu cavaleiro num ritual de fertilidade na floresta… A adolescente que consegue um encontro especial com seu ídolo maior, o próprio pai… Seja provocando risos e reflexões, chocando nossa moralidade ou instigando nossas fantasias, inclusive as que nem sabíamos possuir, as indecências destes 23 contos querem isso mesmo: lambuzar, agredir, provocar e surpreender a sua imaginação.

.

.

Seja Leitor Vip e ganhe:

– Acesso aos Arquivos Secretos
– Promoções e sorteios exclusivos
Basta enviar e-mail pra rkelmer@gmail.com com seu nome e cidade e dizendo como conheceu o Blog do Kelmer (saiba mais)

.

.

COMENTÁRIOS
.

01- A história dela é fascinante? Ou a sociedade se impressiona com pouco? Luciano Es, São Paulo-SP – fev2011

RK: A história da Raquel é fascinante, sim. Pra começar, que menina no Brasil, de classe média alta, com bom nível cultural, saiu de casa aos 17 anos pra se prostituir e ficou famosa no Brasil e no exterior? Quantos escritores venderam 250 mil exemplares de um único livro neste país? Quantas histórias pessoais no Brasil viraram filme?

02- Não há nada de impressionante nisso, é a profissão mais antiga do mundo…dá pena ver uma mulher se degradar a este ponto, vender o corpo, ser usada e usar…somos muito mais do apenas corpo e grana, é viver de forma limitada, é enxergar apenas uma parte da vida, há muito mais nas entrelinhas…ela no fundo tem fome de amor e familia, foi isso que compreendi nesta historia. Adriana Alves, São Paulo-SP – fev2011

RK: Não há nada de degradante em sexo pago, Adriana. Cantores alugam a voz, modelos alugam o corpo. Prostituição é um negócio como qualquer outro, onde há um prestador de serviço e alguém interessado nesse serviço. Por que o serviço “sexo” seria sujo ou imoral?

03- Vai fazer o seu programa mas depois volte para mim.Beijos Bruninha. Ps, Odair José e Zeca Baleiro. Andre Soares Pontes, Fortaleza-CE – fev2011

RK: Eheheh… Esta música do Odair é demais!

04- Lamentável a vida desta vadia. Lamentável pessoas de nível dedicarem tempo e trabalho para idolatrar uma saga de degradação. Lamentável pagar ingresso de cinema ou comprar livro desta sujeira toda. Deus e a educação protejam as famíliuas. Rodrigo, Coluna Kelméricas, O Povo OnLine – abr2011

RK: CD Lamentos Rodrigais. À venda na lojinha da igreja.

05- Eu até tento, uma vez por ano eu leio esta coluna ridícula desse rapaz, e é incrível a capacidade humana de não evoluir, que lixo, mais uma vez perdi meu tempo numa leitura pobre e tosca. Levi Nepomuceno, coluna Kelméricas, O Povo OnLine – abr2011

RK: Até o ano que vem, Levi.

06- O impressionante neste filme, é que, ele é além de um simples filme; É um guia à prostituição, onde uma menina de 17 anos […] termina como uma vencedora que conquistou a sociedade através da venda de seu corpo. No mínimo deplorável para os adolescentes que vê tal pessoa conseguindo sucesso através desses meios; Lamentável que exista uma educação tão fútil, que a grande parte das pessoas que estão vendo este filme é composta de ignorantes, que não se importa com %u201Cvalores morais%u201D que estão sendo destruídos na mente de meninas por todo o país. Simplesmente uma situação lamentável aos jovens, que estão sendo conduzidos para um caminho terrível de fornicação e maus tratos, onde a mídia manipuladora pretende destruir a base familiar e fomentar a degradação moral. Misaell, coluna Kelméricas, O Povo OnLine – abr2011

RK: Oi, Rodrigo, Levi Nepomuceno e Misaell! Obrigado por comentarem. Fico feliz de ter leitores tão participativos. Vou sair agora com minha namorada pro swing e quando voltar eu respondo com calma, tá?

07- “Tornamo-nos morais quando somos infelizes” Marcel Proust. Junior, coluna Kelméricas, O Povo OnLine – abr2011

08- Ainda bem que percebi o teor de imbecilidade deste artigo antes de terminar de ler e escapei de ter que ler tanta besteira. João Marcelo Rocha Ramalho, coluna Kelméricas, O Povo OnLine – abr2011

09- VIVA A LIBERDADE!! FORA A HIPOCRISIA. ABAIXO O PRECONCEITO!!!! Ari, coluna Kelméricas, O Povo OnLine – abr2011

10- Dias desses lá vou eu conhecer um trabalho social ali no Benfica, a Associação de Solidariedade aos Meninos e Meninas de Fortaleza que com apoio de Malaga na Espanha e da Prefeitura de Fortaleza desenvolvem um belo trabalho com jovens na tentativa de “dar-lhes outros olhares”. A prostituição é uma fábula, um devir e porque não algo envolvente? Dai me despido de preceitos e minha formação cristã. Será no minimo falso moral dizermos que o dinheiro, o glamour e a sensação de ser desejado(a) não é algo. bom. O filme não evoca ou diz: faça isso ou aquilo. A Associação que visitei tenta acolher. Quem tem a dócil missão ou tarefa são os pais em trabalharem principios, valores e amor. Aos adultos o direito por seus proprios corpos! Erivaldo Teixeira, coluna Kelméricas, O Povo OnLine – abr2011

11- degradação total,jamais gastarei nenhum centavo com tal filme q dizem ser de superação,a mudança de valores é notoria e ilária,mas espero q não tenha força,só posso lamentar por toda essa podridão q afeta tantas mentes inocentes e em formação. Silvia Helena, coluna Kelméricas, O Povo OnLine – abr2011

RK: Putz, Silvia, como você é muquirana!

12- MUITO BOM O COMENTÁRIO DO SR. ERIVALDO TEIXEIRA.SENSATO E HUMANO; ELE NÃO TENTA JULGAR OU ATIRAR PEDRAS COMO FAZEM ALGUMAS PESSOAS SEMPRE EM NOME DA FÉ! SINTO MUITO PELAS PESSOAS QUE CRUCIFICAM E CONDENAM AOS OUTROS. ACHO SIM, QUE NÃO TEMOS NENHUM DIREITO DE JULGAR E CONDENAR ALGUÉM PELOS SEUS ATOS. Arimatéa de Andrade, coluna Kelméricas, O Povo OnLine – abr2011

13- PERCEBA QUE O AUTOR, diz ser SEDUTORA uma história de uma adolescente de 17 anos (Menor de Idade), que por não conseguir evoluir no relacionamento com os pais, prefere sair de casa e se prostituir. É de se imaginar que o autor, considere muitas outras histórias bem sedutoras. Mas o que se esperar de um rapaz que é escritor, roteirista e DONO DE CABARÉ, se tivesse oportunidade talvez até contratasse a tal garota para seu estabelecimento comercial, como atração principal. Levi Nepomuceno, coluna Kelméricas, O Povo OnLine – abr2011

RK: Sua sugestão para a atração principal foi aceita, Levi. Pode passar na recepção pra pegar sua cortesia.

14- Que a prostituição é um fato, todos nós sabemos. Porém a história e o filme vêm alimentar a ilusão de muitas meninas que acrdeditarao que ser prostituta é uma boa opção de vida. Enquanto a Raquel “se deu bem”, pelo menos aparentemente, milhares de prostituotas estão sem ver uma luz no fim do túnel. Cheias de decepção, traumas infelizes e sós. O filme pode até ser bom para bilheterias, porém como modelo de vida está longe da verdadeira realidade. Antonio José da Silva, coluna Kelméricas, O Povo OnLine – abr2011

15- O que faz um vencedor? Nos dias atuais o vencedor é aquele que de alguma forma, não importa qual, faz um milhão. Achava que era só coisa de americano…mas já empestou o Brasil. A Bruna é heroína pq no lugar de ter um trabalho convencional, preferiu se prostituir pra manter um alto padrão de vida. Por ter enricado, se encheu de fã. A Maria é heroína pq ganhou um milhão no BBB e agora os fãs juram de pé junto que a moça nao fez video pornográfico. Elá é uma vencedora! É BBB!!! Talvez eu esteja velha…sou do tempo que heroína era Maria Bonita, que largou a vida tranquila para lutar por um ideal…tinha um propósito acima de uma bolsa Louis Viton e um Givenchi. Ou Maria Bonita toparia ser mais uma prostituta para mostrar que venceu e pode comprar um apartamento no Leblon? Sonia, coluna Kelméricas, O Povo OnLine – abr2011

Anúncios

One Response to A prostituição na sala de estar

  1. […] Fotos, treiler e mais sobre o filmehttps://blogdokelmer.wordpress.com/2011/02/24/a-prostituicao-na-sala-de-estarRicardo Kelmer é escritor, roteirista e dono de cabaré. Mora em São Paulo e atua no espetáculo […]

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: