As Preciosas do Kelmer – jan2013

Ricardo Kelmer 2013

.
AsPreciosasDoKelmer201301-1.
Criei uma revistinha no Facebook. Ela se chama As Preciosas do Kelmer e é feita de dicas e comentários sobre variados assuntos. A periodicidade é mensal, funciona por meio de uma única postagem que abasteço com subpostagens e os leitores podem comentar a qualquer momento e até sugerir assuntos. Por seu caráter dinâmico e interativo e por construir-se a cada dia, eu diria que é uma revista orgânica. A capa da revista é a própria imagem da postagem, que sempre trará imagens femininas.

Meu objetivo com As Preciosas é dar vazão à minha necessidade de comentar fatos do cotidiano. Pra mim o Facebook é ideal pra isso.

Aqui no blog postarei a edição do mês e a atualizarei a partir das atualizações no Facebook, sempre com imagens. Espero que você goste.

> No Facebook

> No Blog do Kelmer

.

AsPreciosasDoKelmer201301-1AS PRECIOSAS DO KELMER
Dicas e pitacos para o mês
#4, jan2013

.

Imagem da capa: Milo Manara

.

*** ESTUPRA MAS NÃO MATA

ESTUPRO LEVA ÍNDIA A EXAME DE CONSCIÊNCIA EM BUSCA DE RESPOSTAS (Por Andrew North, da BBC News em Nova Déli)
O estupro e morte de uma estudante de 23 anos em Nova Déli espalhou uma onda de indignação pela Índia. Mas será que uma visita a uma área da cidade central nessa história oferece alguma pista sobre a direção para a qual se encaminha o país? > Leia mais

GURU DIZ QUE INDIANA QUE SOFREU ESTUPRO COLETIVO FOI “CULPADA”
Um guru espiritual provocou revolta na Índia por um causa de um comentário bizarro: segundo Asaram Bapu, a estudante de 23 anos que sofreu estupro coletivo em um ônibus e depois morreu em um hospital foi tão culpada pelo crime quanto os seus agressores. > Leia mais

CASAMENTO DE SAUDITA DE 90 ANOS COM MENINA DE 15 GERA REVOLTA NO PAÍS
Ele pagou U$ 17 mil pelo dote mas na noite de núpcias a menina trancou-se no quarto e depois fugiu. > Leia mais

ME ESTUPRA, MEU AMOR
Ricardo Kelmer

SexoViolento-1Algumas mulheres têm a fantasia de ser estuprada. Eu, particularmente, conheço várias. Isso é muito interessante e curioso. Numa época em que a cultura machista está em xeque e as mulheres a cada dia avançam mais na conquista dos direitos que o patriarcado sempre lhes negou, falar desse tipo de fantasia é tocar num nervo exposto e arriscar ser mal interpretado. Mas vamos lá.

Um dos perigos que ronda o tema é o fato de que algumas pessoas não conseguem distinguir fantasia de realidade. Fantasiar ser estuprada é uma coisa  querer ser estuprada é outra coisa totalmente diferente. Usar o argumento “as mulheres fantasiam ser estupradas” para justificar estupros é típico de quem não distingue a fantasia da realidade.

Para a mulher, talvez por trás da fantasia de ser estuprada esteja a ideia de ser tão irresistível a ponto do homem não conseguir se controlar e, assim sendo, ser dominada e forçada ao sexo seria a comprovação de seus poderes de sedução. Talvez. Porém, há mulheres que gostam muito de brincar de serem desejadas sexualmente e agem e se vestem com essa deliberada intenção. Até aí tudo bem pois atiçar o tesão alheio, ainda que seja só de brincadeirinha, não é crime. Porém… isso não seria uma brincadeirinha um tanto sádica?

As mulheres, pelo menos em nossa cultura, gostam de brincar de provocar sexualmente, sabemos disso. Desde cedo elas parecem ter boa noção do poder sexual que possuem. Seria um fator cultural ou algo inerente à psique feminina? Talvez um pouco das duas coisas. Se elas sabem do poder sexual que têm, seria justo culpá-las, ainda que em grau menor, por provocar deliberadamente o desejo dos homens? E como poderíamos definir exatamente o que é provocação?

Acho que nem a mulher nem ninguém deve ser culpado por provocar, ainda que deliberadamente, o desejo sexual alheio pois todos devem ser livres para expressar sua sexualidade livremente. Se o homem concorda que a mulher é livre para brincar com seu poder sexual, deve aprender a relaxar com as brincadeiras delas. Se discorda, é um sério candidato a ter problemas com as mulheres e até com a polícia.

Não neguemos à mulher o prazer de sentir-se desejada, e deixemos que continuem com suas brincadeirinhas sádicas de nos provocar – elas são lindas também por isso. E quando elas quiserem, participemos de bom grado de suas fantasias, por estranhas que sejam. O prazer da mulher sempre faz as manhãs mais bonitas.

O ESTUPRO DE MULHERES É PRAZEROSO PRA QUEM?
Lola Aronovich

Em Quando os Adams Saíram de Férias, romance de Mendal W. Johnson sobre um grupo de jovens de 10 a 17 anos que torturam e matam sua babá de 19, o narrador, embora critique a crueldade infantil, acaba culpando a vítima. Um livro como este pode ser considerado misógino apenas pelo material. É quase um manual de instruções de como se torturar alguém. Aliás, alguém assim, sem gênero, não. Uma mulher. As torturas inflingidas a Barbara são basicamente dedicadas a todas as mulheres. > Leia mais

PROCURA-SE HOMEM DAS CAVERNAS ATENCIOSO

Numa edição de 2009 a revista Época publicou matéria sobre o desejo sexual feminino. É comum que essas matérias mantenham-se apenas na superficialidade do tema mas esta traz informações bastante interessantes para quem se interessa pela sexualidade, em especial a da mulher. Recomendooo! (RK)

Trecho da matéria:

O desejo feminino parece depender diretamente da urgência demonstrada pelo homem em copular. Como ocorre com muitos elementos da vasta e contraditória psique humana, há consequências perversas na opção sexual das mulheres pelo prazer do outro. Uma delas é a divergência entre o que o corpo diz e o que a mente ouve, capturada no estudo de Meredith. A outra, perturbadora, é a fantasia do estupro. Os especialistas pisam em ovos ao falar sobre isso, mas o fato é que as mulheres têm fantasias recorrentes de serem submetidas pela força. Por trás disso, encontra-se, aparentemente, a ilusão narcisista (e excitante) de ser tão atraente, tão irresistível, que os homens seriam incapazes de conter sua luxúria. “As fantasias de estupro são muito mais recorrentes do que as pessoas imaginam”, diz o terapeuta Finotelli. Isso quer dizer que essas mulheres gostariam de ser estupradas? Não. Não. E, mais uma vez, não. Trata-se de uma fantasia íntima que dispara desejos sexuais. Ela não esconde a vontade oculta de sofrer a violência sórdida de um estupro. “As mulheres querem ser encostadas no muro, mas não colocadas em perigo”, diz Marta Meana. “Elas querem um homem das cavernas atencioso”. Quem seria capaz de cumprir tal papel? > Leia mais

FETICHES SÓRDIDOS QUE AS MULHERES NÃO TÊM CORAGEM DE PEDIR

SexoElaEles-2Entre as fantasias sexuais femininas, é muito comum a fantasia de ser pega à força. Há outras fantasias comuns mas muitas mulheres não as assumem perante seus parceiros, com medo de serem incompreendidas e rejeitadas. No site papodehomem.com.br há um texto, escrito por uma mulher, bastante interessante. Destaquei este trecho (RK):

“Não foi surpresa nenhuma a enxurrada de “estupro consentido!” que recebi como resposta. Pois é, meus amigos… O fetiche que encabeça essa lista é justamente o mais “errado” moralmente. Estupro é crime. Fato. Você nunca deve comer uma menina que apagou de tão bêbada (aliás, isso nem graça tem). Você não deve desrespeitar uma mulher que não queira transar com você, por qualquer motivo que seja.

“Tudo posto em seu lugar, uma das melhores coisas do mundo é ser comida com força. Com urros bestiais que ecoam pelo quarto, gemidos que viram gritos de prazer, puxões no cabelo, uma foda animalesca que faz todos os seus instintos mais viscerais se espalharem do útero para o resto do corpo.” > Leia mais

FALSA DENÚNCIA DE ESTUPRO TAMBÉM É CRIME

Estupro é uma violência inadimissível. Porém, falsas denúncias de estupro também são um crime de violência inadimissível. E elas acontecem. A mulher quer se vingar do amante, a mãe quer impedir as visitas do pai e inventa que ele abusou da filha, a garota tem medo dos pais descobrirem que ela não é mais virgem e inventa que foi estuprada… Em alguns casos o acusado consegue provar sua inocência mas há casos mais complicados. Se um casal faz um sexo muito selvagem, daqueles que deixa marcas no corpo, e no outro dia, por algum motivo, ela o denuncia como estuprador, as marcas no corpo servirão para comprovar sua denúncia e dificilmente o homem conseguirá provar inocência.

O fato de existirem as falsas denúncias não justifica a violência dos homens nem livra a culpa dos verdadeiros estupradores, claro, mas esse tipo de atitude acaba sendo prejudicial para as próprias mulheres na luta contra a cultura machista.

GAROTA É PRESA APÓS FAZER DENÚNCIA FALSA DE ESTUPRO CONTRA AMANTE. > Leia aqui

MULHER FAZ DENÚNCIA FALSA DE ESTUPRO A ACABA CONDENADA A DOIS ANOS DE PRISÃO EM SC > Leia aqui

MULHER É CONDENADA APÓS FALSA ACUSAÇÃO DE ESTUPRO > Leia aqui

COM MEDO DA MÃE, JOVEM TENTA REGISTRAR FALSA DENÚNCIA DE ESTUPRO > Leia aqui

.

*** LIVRANDO A SEMANA (45)

SIDARTA (Herman Hesse) Editora Record

As histórias de Sidarta e de Buda se confundem. Nascido na Índia, no século 6º a.C., filho da aristocracia religiosa dos brâmanes, Sidarta passa a infância e a juventude isolado das misérias do mundo, gozando a existência calma e contemplativa que sua condição de casta lhe permitia. A certa altura, porém, abdica da vida luxuosa, protegida, e parte em peregrinação pelo país, onde a pobreza e o sofrimento eram regra.

Em sua longa parábola existencial, Sidarta experimenta de tudo, usufruindo tanto as maravilhas do sexo e da carne quanto a ascese e o jejum absolutos. Entre os intensos prazeres e as privações extremas, termina por descobrir “o caminho do meio”, libertando-se dos apelos dos sentidos e encontrando a senda da iluminação interior.

Este romance do alemão Hermann Hesse tornou-se livro de cabeceira de várias gerações, principalmente durante os anos 1960 e 1970, quando os beatniks e mais tarde os hippies o elegeram como libelo contra o American way of life, que ia tomando conta do Ocidente. A própria busca de Hesse pelas filosofias orientais já expressava essa recusa por uma cultura recém-saída do massacre da Primeira Guerra Mundial – e prestes a enfrentar outra carnificina ainda pior. (Sinopse: vestibular.uol.com.br)

> Adquira este livro na livreaia Arte Paubrasil

SOBRE HERMAN HESSE (Wikipedia)

Hermann Hesse (Calw, 2 de julho de 1877 – Montagnola, 9 de agosto de 1962) foi um escritor alemão, que em 1923 naturalizou-se suíço. Nascido no seio de uma família muito religiosa, filho de pais missionários protestantes (pietistas, como é típico da Suábia) que tinham pregado o cristianismo na Índia. Estudou no seminário de Maulbronn, mas não seguiu a carreira de pastor como era da vontade de seus pais. Tendo recusado a religião, ainda adolescente, rompeu com a família e emigrou para a Suíça em 1912, trabalhando como livreiro e operário. Acumula então sólida cultura autodidata e resolve dedicar-se à literatura. Travou contato com a espiritualidade oriental a partir de uma viagem à Índia em 1911 e com a psicanálise por meio de um discípulo de Carl Gustav Jung, em decorrência de uma crise emocional causada pela eclosão da Primeira Guerra Mundial. Estas duas influências seriam decisivas no posterior desenvolvimento da obra de Hesse.

Procurou construir sua própria filosofia, a partir de sua revolta pessoal (Peter Camenzind, 1904) e de sua interpretação pessoal das correntes filosóficas do Oriente (Sidarta), e em especial em O Lobo da Estepe (1927), que é também uma crítica contra o militarismo e o revanchismo vigente na sua terra natal depois da Primeira Guerra Mundial. Esta postura corajosa o fez bastante popular na Alemanha do pós-guerra, depois da desnazificação. Em 1946 recebeu o Prêmio Goethe e, passados alguns meses, o Nobel de Literatura.

> Saiba mais

.

*** LIVRANDO A SEMANA (46)

LIVRO541-EnterremMeuCoracaoNaCurvaDeUmRioENTERREM MEU CORAÇÃO NA CURVA DE UM RIO (Dee Brown) L&PM

Este livro é o eloqüente e meticuloso relato da destruição sistemática dos índios da América do Norte. Lançando mão de várias fontes, como registros oficiais, autobiografias, depoimentos e descrições de primeira-mão, Dee Brown faz grandes chefes e guerreiros das tribos Dakota, Ute, Sioux, Cheyenne e outras contar com suas próprias palavras sobre as batalhas contra os brancos, os massacres e rompimentos de acordos, etc. Enfim, todo o processo que, na segunda metade do século XIX, terminou por desmoralizá-los, derrotá-los e praticamente extingui-los.

Publicado originalmente nos Estados Unidos em 1970, sob o título de “Bury my heart at Wounded Knee”, o livro de Dee Brown um dos maiores especialistas em história norte-americana da atualidade tornou-se rapidamente um divisor de águas da maneira de se pensar a conquista do Velho Oeste. Propondo uma visão totalmente diferente dos heróicos e falaciosos filmes de faroeste, este livro encontrou eco na consciência norte-americana de então, incomodada pela guerra do Vietnã e pelas disputas raciais. De lá para cá, foi traduzido para dezessete línguas e vendeu quatro milhões de cópias, tornando-se o livro número 1 sobre a conquista do Velho Oeste e a história do extermínio dos pele-vermelha. Uma obra que merece ser relida sob as conjunturas atuais, por lembrar sobre o alto custo e os baixos escrúpulos envolvidos nos chamados processos civilizatórios que forjaram o dito mundo desenvolvido de hoje.

> Adquira este livro na livraria Arte Paubrasil

.

*** JANIS BLUES JOPLIN

O ADEUS A JANIS JOPLIN (Revista Rolling Stone)

Conheça a vida e as circunstâncias da trágica morte da cantora, que completaria 70 anos neste sábado, 19

Já eram 18h e Janis Joplin ainda não havia aparecido no Sunset Sound Studios. Paul Rothschild, o produtor da cantora, teve uma sensação estranha e mandou John Cooke, um dos roadies da Full Tilt Boogie Band, até o Landmark Motor Hotel para ver por que ela não estava atendendo ao telefone. “Eu nunca tinha me preocupado com ela antes, apesar de seus atrasos. Normalmente era porque parava para comprar uma calça ou fazer alguma outra coisa de mulher”, disse Rothschild. Mas o dia 4 de outubro era um domingo e havia poucos lugares abertos, mesmo em Hollywood. O Landmark é uma construção grande de estuque na Franklin Avenue. Fica perto dos estúdios de gravação no Sunset Boulevard e é próximo aos escritórios das gravadoras e das editoras de música. Um ambiente bem tolerante a algazarras. Era o tipo de lugar de que Janis gostava. > Leia mais

JANIS NO FESTIVAL EXPRESS
Em 1970, pouco antes de morrer, Janis participou do Festival Express, uma turnê de vários artistas que cruzou o Canadá e que depois virou filme (Festival Express). É maravilhoso ver Janis no auge de sua forma, bebendo uns uísques, fumando uns baseados e se divertindo horrores. Este vídeo é um trecho do filme. Nele, Janis rasga as veias do blues cantando Cry Baby. Quando vi a primeira vez, no cinema, chorei que nem um bezerro desmamado. E sempre choro quando revejo. Obrigado por tudo, Janis. (RK)

> Veja um trecho do vídeo, onde Janis canta Cry Baby (Toronto, 28.06.70)

.

JOSS STONE HOMENAGEIA JANIS

Em 2005, aos 18 anos, Joss Stone participou de um show-tributo a Janis Joplin. Aqui você confere o número que ela fez com Melissa Etheridge, interpretando Peace of my Heart e Cry baby. Uma bela e emocionante homenagem. > Veja o vídeo

.

LIVRANDO A SEMANA (47)

UMA APRENDIZAGEM OU O LIVRO DOS PRAZERES (Clarice Lispector) Editora Rocco
Loreley (ou Lóri) é uma moça rica de Campos que vai morar no Rio para ter um pouco de liberdade. Ela conhece Ulisses, professor de Filosofia, que começa a conduzi-la na aprendizagem do prazer. As duas personagens de Clarice trazem as características de seus modelos originais (ela, uma figura do folclore alemão; ele, o herói da epopéia grega) e envolvem o leitor numa trama que se torna ainda mais apaixonante por ser uma aventura no mundo da linguagem, sem começo nem fim. Como em todos os livros de Clarice, trata-se de um ponto de vista feminino a respeito da vida. Uma aprendizagem… conta, acima de tudo, a viagem empreendida por Lóri em busca de si própria e do prazer sem culpa. > Adquira este livro na Livraria Arte Paubrasil

.

RENAN CALHEIROS NÃO!

Renan Calheiros, assim como José Sarney, é a cara do Brasil das velhas oligarquias políticas, dos coronéis donos de cidades e estados inteiros, que mandam e desmandam, que beneficiam a família e os amigos por baixo dos panos e às vezes às vistas de todos.

Pois bem. Renan Calheiros, sobre quem pesam graves denúncias, trabalha nos bastidores para ser eleito no dia 1º de fevereiro para mais um mandato de dois anos na presidência do Senado. Até agora, o único adversário de Renan é o senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP) – mas a oposição e o grupo de “independentes” articula a candidatura de Pedro Taques (PDT-MT) ou outro peemedebista num contraponto a Renan.

Esses canalhas são muito fortes, é verdade. Mas nós temos a força da mobilização popular, a mesma força que criou a Lei da Ficha Limpa. Podemos impedir esse retrocesso. Assine a petição contra a volta de Renan Calheiros à presidência do Senado.

> Assine a petição

.

LIVRANDO A SEMANA (48)

A MACONHA (Fernando Gabeira) Publifolha

De forma sintética e dinâmica, Fernando Gabeira explica no livro o que é a maconha, quais são os prós e contras de seu uso e procura entender os motivos pelos quais se ataca ou se defende a droga. Em linhas gerais, o livro responde às perguntas mais frequentes recolhidas por Gabeira nos debates que participou em torno da elaboração da política nacional de drogas. “As pessoas querem saber, por exemplo, se a maconha é uma escada para outras drogas, se provoca dependência física e psíquica, se causa perda de neurônios e da memória, e se tem poder medicinal”, diz Gabeira.

Pessoalmente, Gabeira defendeu durante anos a legalização da maconha e seu uso industrial mais amplo possível. “São 350 subprodutos derivados da canabis”, diz. A atual política nacional de drogas não separa a maconha de outras drogas. Pela lei, o usuário não é preso, mas arca com penas alternativas e multas. Fernando Gabeira discute também o papel social que a planta desempenhou na escravidão e seu uso em rituais religiosos na selva amazônica.

> Adquira este livro na livraria Arte Paubrasil

.

AMAZON ABRE QUIOSQUES DE TIJOLO NO BRASIL

Iniciativa inédita no mundo mostra que a Amazon pode ter estratégias diferenciadas para o país. > Leia a notícia

.

QUEREMOS MULHER EDUCADA

MalalaYousafzai-1A jovem ativista paquistanesa Malala Yousafzai, de 15 anos, foi baleada na cabeça em outubro de 2012 por um militante do Taleban, que a vê como inimiga por lutar pelo direito das mulheres à educação.

Ela passará nos próximos dias por duas cirurgias para reconstrução do crânio, em um dos passos da recuperação de sua saúde. David Rosser, diretor médico do hospital Rainha Elizabeth, de Brimingham, na Inglaterra, disse que a recuperação da jovem é “extraordinária e um testemunho de sua força e desejo de melhorar”.

Essa menina merece ter sua saúde de volta. E merece também o Nobel da Paz. > Leia mais

.

.

AsPreciosasDoKelmer201301-1AS PRECIOSAS DO KELMER

> No Facebook

> No Blog do Kelmer

.

.

.

Seja Leitor Vip e ganhe:

– Acesso aos Arquivos Secretos
– Descontos, promoções e sorteios exclusivos
Basta enviar e-mail pra rkelmer(arroba)gmail.com com seu nome e cidade e dizendo como conheceu o Blog do Kelmer. (saiba mais)

.

.

Comentarios01COMENTÁRIOS

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: